Olá,

Visitante

Vigilância de Epizootias Visando À Prevenção da Febre Amarela no Município de Curitiba – Pr

ObjetivoIdentificar precocemente a circulação do vírus da febre amarela no município, bem como apontar populações em locais de maior risco para priorização de ações de imunização.MetodologiaEm 2008 foram mapeados locais no município com presença de bandos de PNHs, sendo identificados principalmente bandos de bugios, na região sul da cidade, e bandos de sagüis na região norte. Pelo fato dos bugios serem animais muito sensíveis à febre amarela, identificaram-se residências como pontos de monitoramento destes animais, onde os moradores eram observadores dos bandos. Os vínculos criados entre a equipe da UVZ e os moradores próximos às áreas de mata contribuíram para melhor vigilância através de notificação por parte destes moradores em situações de alteração no comportamento dos bandos ou morte de PNHs.

Desde 2008 a Unidade de Vigilância de Zoonoses (UVZ) realiza o monitoramento dos primatas não humanos (PNH) de vida livre no município. Tal monitoramento tem como objetivo a identificação precoce da circulação do vírus da febre amarela para desencadeamento de ações de imunização, uma vez que o município não fazia parte da área de indicação de vacina até março de 2018.

O trabalho articulado dos quatro eixos – vigilância de epizootias em PNH, vigilância entomológica, vigilância de casos humanos, vacinação – para prevenção e combate à febre amarela vem sendo realizado de forma exemplar no município de Curitiba. O trabalho desenvolvido há mais de 10 anos pela UVZ vem sendo importante para formação de vínculo com a população para identificação de epizootias, bem como para apontar populações prioritárias para imunização contra febre amarela.

Principal

Ana Paula Coninck Mafra Poleto

A prática foi aplicada em

Paraná

Sul

Instituição

Curitiba

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ideiasus/Fiocruz, Conasems

Conta vinculada

emanoel.filho@fiocruz.br

11 set 2016

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Laboratorio Vivo Fortalecendo Intersetorialidade na Prevenção das Arboviroses em Junco do Serido/Pb.
Paraíba
Práticas
Vigilancia em Saude e Saúde na Escola: uma Parceria de Sucesso no Municipio de Queimadas-Pb
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação do Núcleo de Vigilância Epidemiológica e Laboratorial do Lacen-Pb: Um Relato de Experiência
Paraíba
Práticas
A Feira Livre de Esperança-Pb: Vigilância Sanitária e As Ações de Prevenção e Combate À Covid-19
Rio de Janeiro
Práticas
Ferramentas Tecnológicas Aplicadas no Núcleo de Vigilância Epidemiológica e Laboratorial do Lacen-Pb
Paraná
Práticas
Medidas Sanitárias Aplicada ao Controle Datransmissão da Leishmaniose Animal
Paraíba
Práticas
Fortalecimento e Ampliação da Rede Nacional de Vigilância Epidemiológica Hospitalar na Paraíba
Paraíba
Práticas
Covid 19 – Experiência de Enfrentamento das Arboviroses, Combatendo As Endemias Durante a Pandemia
Rio de Janeiro
Práticas
Novas Estratégias para o Monitoramento e a Fiscalização das Práticas de Segurança do Paciente pela Vigilância Sanitária nos Hospitais do Distrito Federal.
Distrito Federal
Práticas
Experiência de Integração Intersetorial no Controle ao Aedes Aegypti e Bloqueio da Doença Chikungunya no Município de Cunha Porã, Sc.
Santa Catarina