Olá,

Visitante

Vacinação Itinerante e Ações nas Escolas do Município

Categoria não especificada

As vacinas são utilizadas como medidas de controle de doenças. A estratégia de vacinação tem como objetivo imunizar a população e possibilitar a diminuição da circulação de vírus e bactérias causadores de graves patologias e evitar que doenças já erradicadas retornem à circular. O município de Bom Despacho é composto por dezessete Unidades Básicas de Saúde, sendo 2 Unidades tipo 2 e 13 Unidades tipo 1, totalizando 15 salas de vacinas. As salas de vacinas funcionam de 07:00 às 11:00 e de 13:00 às 17:00, de segunda a sexta. As Unidades de Saúde intercalam entre sim para ofertar horário do trabalhador, mantendo aberta até às 19:00 em dias programados. As salas de vacinas são compostas por equipes de enfermagem capacitadas para exercer um trabalho eficaz, sendo 1 enfermeiro coordenador da Unidade de Saúde e 2 técnicos de enfermagem que revezam mensalmente entre sala de vacinas e outras demandas da Unidade de Saúde. Com a pandemia Covid 19 foi possível observar uma queda na procura da população quanto ao serviço ofertado nas salas de vacina. Alguns fatores que contribuíram foram identificados, como por exemplo, no período inicial de pandemia os atendimentos realizados nas Unidades de Saúde se restringiram à população sintomática respiratória, onde eram avaliadas e testadas. A orientação mundial para que todos ficassem em casa, fez com que as vacinas fossem deixadas para segundo plano, devido à realidade que estava sendo enfrentada no mundo. Aos poucos, com a rotina voltando ao normal, observou-se uma baixa procura para a vacinação, visto que com as vacinas contra Covid 19 muitas notícias falsas disseminadas. Aquele cidadão que não comparecia à Unidade de Saúde pois o horário de funcionamento não o atendia devido ao trabalho ou seus compromissos pessoais, não faria esforço para tentar ir à Unidade de Saúde diante de tantas notícias falsas sobre vacinas. Para que fosse possível fortalecer as ações de imunização no município e alcançar a população que não conseguia comparecer às Unidades de Saúde devido ao horário de funcionamento ou local, foi implantando à Vacinação Itinerante e Ações nas escolas. Sabemos da importância da vacinação para mantermos erradicadas algumas doenças no Brasil como poliomielite, sarampo, coqueluche, difteria, tétano, rubéola, formas graves da tuberculose entre outras. Sabe-se também que quase dois milhões de crianças ainda continuam morrendo anualmente, devido a doenças que poderiam ser evitadas através da imunização. A vacinação é uma forma de prevenir doenças e evitar a ocorrência de surtos epidêmicos. Dados fornecidos pelo Ministério da Saúde, através do programa “DATASUS”, evidenciam que a vacinação está diretamente relacionada à mortalidade infantil (menores de um ano de idade). No ano de 2001, a cobertura vacinal infantil era equivalente a 79,85%, enquanto a mortalidade infantil era de aproximadamente 61.000 casos em todo o Brasil. Já em 2010 (até o mês de setembro), a cobertura vacinal infantil aumentou para 84,31% e a mortalidade infantil (até o mês de outubro) diminuiu para 25.000 casos, em todo o Brasil. Apesar das vacinas serem fornecidas pelo Ministério da Saúde, ainda existem pessoas não imunizadas.

Com a pandemia Covid 19 foi possível observar uma queda na procura da população quanto ao serviço ofertado nas salas de vacina. Alguns fatores que contribuíram foram identificados, como por exemplo, no período inicial de pandemia os atendimentos realizados nas Unidades de Saúde se restringiram à população sintomática respiratória, onde eram avaliadas e testadas. A orientação mundial para que todos ficassem em casa, fez com que as vacinas fossem deixadas para segundo plano, devido à realidade que estava sendo enfrentada no mundo. Aos poucos, com a rotina voltando ao normal, observou-se uma baixa procura para a vacinação, visto que com as vacinas contra Covid 19 muitas notícias falsas disseminadas. Aquele cidadão que não comparecia à Unidade de Saúde pois o horário de funcionamento não o atendia devido ao trabalho ou seus compromissos pessoais, não faria esforço para tentar ir à Unidade de Saúde diante de tantas notícias falsas sobre vacinas.

A Vacinação Itinerante foi realizada da seguinte forma: Enfermeiro, técnico de enfermagem e agente comunitário de saúde montavam caixas de vacinas contra Covid 19, devidamente climatizada, juntamente com pranchetas, lápis, borracha, canetas, cartão de vacina em branco, algodão, agulhas e seringas. Dentro de uma ambulância estacionavam em locais estratégicos da cidade após as 17:00. Dessa forma, foi possível vacinar pessoas saindo do trabalho, buscando filhos nas escolas, cidadãos que não conseguia ir à Unidade Básica de Saúde durante o funcionamento da mesma. O local, horário e grupo alvo eram divulgados dias antes nos meios de comunicação oficial da prefeitura de Bom Despacho. Os profissionais de saúde das Unidades ajudavam na divulgação em redes sociais. Com a vacinação itinerante, a população sabia que teria acesso à vacina após horário comercial e buscavam se informar onde a ambulância estaria naquela semana. A vacinação era realizada de 2 a 3 vezes na semana, de 17:00h às 21:00h. Foi ofertado mais de uma ambulância com equipe para realizar a vacinação em mais de um ponto estratégico no mesmo dia. Caso restasse alguma dose no frasco de vacina, era programada a ida na casa de pacientes acamados. As unidades de Saúde realizam listas com nomes de pacientes acamados e no final do dia, repassava os nomes para a equipe do Centro de imunização. Ao final da vacinação itinerante caso fosse comunicado que sobrou dose em frasco aberto, era informado o endereço de algum paciente acamado para que a equipe fosse com ambulância até a casa do cidadão. A vacinação itinerante também foi realizada em estabelecimentos onde não era possível que os trabalhadores fossem à Unidade Básica de Saúde ou conseguissem comparecer ao ponto da ambulância, devido aos horários de trabalho ou outros motivos. Dessa forma, além de praças e pontos estratégicos, a vacinação itinerante na ambulância realizou ações também em empresas, fábricas, farmácias, supermercados, obras, faculdade, exposição agropecuária. Através da vacinação itinerante foi possível alcançar um grande número de pessoas que não conseguiriam comparecer à Unidade de Saúde no horário de funcionamento. Durante as ações de vacinação contra o Covid 19, ocorria em paralelo Campanhas contra Influenza e Sarampo. No ato da vacinação, era verificado se o cidadão pertencia ao grupo alvo para vacinação das Campanhas vigentes e também era realizada a vacinação naquele momento. A vacinação na ambulância teve início no dia 23 de novembro de 2021 à 22 de novembro de 2022. Foram realizadas: – Vacinas contra Covid 19: 3759 doses – Vacinas contra influenza: 891 doses – Vacinas contra Sarampo: 56 doses Totalizando 4706 doses de vacinas administradas na ação de vacinação itinerante, realizando primeiras, segundas, terceiras e quartas doses, para o público de 12 anos e mais (contra Covid 19) e Campanhas vigentes para o público alvo. O município de Bom Despacho obteve grande êxito na realização dessa ação em horários e locais diferenciados, onde foi possível imunizar um grande público contra doenças que podem causar graves sequelas ou até a morte. Em conjunto com a Vacinação itinerante, outra ação com resultados positivos foi realizado em Bom Despacho com objetivo de elevar as coberturas vacinais. Em 2022 como estratégia de um maior número de pessoas vacinadas, além da vacinação itinerante, as equipes das unidades básicas de saúde do município foram nas escolas do território. O público contemplado nestas ações foram as crianças, com vacina da poliomielite e posterior multivacinação para atualização do cartão vacinal, visto das dificuldades dos pais e ou responsáveis em estarem indo até os serviços de saúde, por diversos motivos, entre eles por não ter quem leve a criança, falta de tempo por muitos trabalharem fora, medo de dor e reação, etc. Os pais foram comunicados previamente, através de impresso enviado aos mesmos, solicitando envio da caderneta vacinal para a escola. Num primeiro momento a equipe de enfermagem analisou os cartões vacinais, para posterior programar a vacinação com as vacinas necessárias a criança de acordo com sua faixa etária. Como estratégia da ação os profissionais foram até as escolas, fantasiados, de modo que minimizassem um pouco o tabu e os medos das vacinas. Assim os profissionais interagiam primeiramente com as crianças com brincadeiras, danças, músicas, momento de descontração, diversão e explicação, para posterior vacinarem as crianças. O que tornou um momento mais tranquilo, de maior confiança da criança para com o profissional e como consequência a atualização do cartão vacinal. A ação foi tão positiva que hoje é mantida no município. Traz praticidade, segurança, confiabilidade dos pais para com o serviço de saúde e consequentemente promoção e prevenção a doenças.

A vacinação itinerante e ações nas escolas foram muito importantes no município de Bom Despacho, pois foi possível alcançar um grande número de crianças e demais pessoas em variadas faixas etárias que não conseguiam comparecer à Unidade de Saúde no horário de funcionamento. Apesar de notícias falsas e Fake News disseminadas atingiu-se aquele cidadão que não comparecia à Unidade de Saúde pois o horário de funcionamento não o atendia, devido ao trabalho ou seus compromissos pessoais. E as crianças em horário escolar que os pais e o responsáveis não conseguiam levar até os serviços de saúde. Diante do número exitoso e alcance desta parcela da população manteve-se esse formato de vacinação nas escolas e vacinação itinerante em campanhas.

Principal

ANA PAULA FREITAS HENRIQUES

Coautores

ROBERTA LOTTI ROCHA GIOVANI

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

22 mar 2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Caminhos estratégicos da APS frente a cobertura vacinal no município de Bernardino Batista
Paraíba
Práticas
Ampliando leque da rede: fortalecimento dos vínculos entre equipes e escola.
Paraíba
Práticas
Relato de experiência: humanização na atenção ao usuário no pronto atendimento de Pilar (PB))
Paraíba
Práticas
Implantação de laserterapia na rede de atenção à saúde de Pilar (PB): relato de experiência
Paraíba
Práticas
Paciente protagonista de sua terapia: o cuidado farmacêutico com pacientes atendidos no CAPS de Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Atenção e cuidado ao paciente portador de feridas no SUS em Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Quando a saúde vai além dos muros das UBS
Rio de Janeiro