Olá,

Visitante

Suicídio, o inimigo silencioso: precisamos falar sobre isso

I-INTRODUÇÃO:Partindo da necessidade de falar abertamente sobre o suicídio, o município de Coribe lança o Programa Municipal de Valorização da Vida e Combate ao Suicídio visando métodos de quebrar mitos e tabus e que falar sobre o tema aumenta os riscos de o fato ocorrer, o que dificulta a prevenção e cuidado da pessoa em sofrimento. A Organização Mundial de Saúde (OMS), estima que cerca de 3 mil pessoas por dia cometem suicídio no mundo, a cada 40 segundos uma pessoa se mata.METODOLOGIA:Com o lançamento do programa foi, realizando estratégias para a promoção de qualidade de vida, proteção, educação, recuperação da saúde e prevenção de danos e demonstração da necessidade de sensibilização da sociedade de que o suicídio é um problema de saúde pública que pode ser prevenido. Nas escolas foram realizadas rodas de conversa com os jovens e adolescentes, iniciando com mobilização descontraída e, inserindo o tema, os alunos expressaram os sentimentos que afetam o seu comportamento, tratando de situações conhecidas, como bullying, autoestima, automutilação e autoconhecimento. Foram abordados pelos profissionais, os mitos e verdades sobre o suicídio, alertando sobre como identificar uma pessoa que está em sofrimento, e foi orientado onde se deve buscar apoio para o enfrentamento.

II- OBJETIVOS: O Programa Municipal de Valorização da Vida e Combate ao Suicídio possui o objetivo desenvolver estratégias que visam à melhoria da qualidade de vida e identificar a prevalência de possíveis sintomas, na tentativa de minimizar a evolução dos quadros que podem chegar ao suicídio.

CONCLUSÕES/CONSIDERAÇÕES: Lidar com esse assunto não é uma questão simples, é evitado em vários ambientes, desde escolas, família, trabalho, por medo que falar sobre suicídio pode ser tornar algo incentivador, a maioria das pessoas que vivem esse problema mergulham em um isolamento intensificando assim a dor.Em vários casos, os sinais são silenciosos, tornando o apoio da família ou mesmo de um profissional, mais complexo. Falar sobre a dor e o conflito que essa pessoa está vivenciando é o primeiro passo para conseguir tratamento adequado.

Principal

Flavia Brambila, Dulciele Schwab Hanauer,Loiva Kleemann

flabrambila@hotmail.com

A prática foi aplicada em

Angra dos Reis

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Coribe

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

28 ago 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
Humanização na prática do cateterismo vesical de demora na atenção básica.
Paraíba
Práticas
Metodologias ativas no processo de atualização de profissionais de saúde: relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Incluir e apreender: parceria entre saúde e educação no acompanhamento multidisciplinar
Paraíba
Práticas
V amostra Paraíba, aqui tem SUS
Paraíba
Práticas
Autonomia reprodutiva: empoderamento de mulheres em vulnerabilidade através da inserção do DIU
Paraíba