Olá,

Visitante

Saúde Mental na Atenção Básica: Um Novo olhar Sobre os Encaminhamentos para Consultas Psiquiátricas

Nos últimos anos o município do Guarujá revelou um aumento importante nos encaminhamentos para consultas psiquiátricas. A psiquiatria tornou-se a porta de entrada para a saúde mental e a medicalização a forma predominante de cuidado. Este cenário apontou a necessidade de um estudo para melhor compreender os pedidos de encaminhamentos. O estudo começou com visitas as dez unidades básicas de saúde do município cinco foram escolhidas, segundo o critério de maior território, para participarem do estudo. Durante um mês equipes de psicóloga e terapeuta ocupacional realizaram nas unidades básicas, grupo com os pacientes que haviam sido encaminhados para consultas psiquiátricas. Os grupos foram organizados com dez pacientes, encontros semanais com duração de duas horas visando escuta qualificada dos pacientes, compreensão de seu sofrimento, busca de cuidados no próprio território e se necessário encaminhamento implicado para outros equipamentos da rede de saúde mental. Dos 233 encaminhamentos 76% foram cuidados na atenção básica com recursos do próprio território, 2% foram encaminhados para rodas de conversas nas USAFAS 10% foram encaminhados para psicoterapia breve e somente 12% realmente necessitaram de encaminhamentos para consultas psiquiátricas. Constatou se durante o estudo, resistência por parte das equipes das unidades básicas em acolher a demanda PSI e assumir o papel de porta de entrada para os cuidados em saúde mental. As ações eram pautadas no modelo médico, reforçando o cuidado medicamentoso e o encaminhamento para a especialidade, contrariando os conceitos do programa de saúde mental do município que preconiza o acesso universal dos serviços de saúde a integralidade da assistência e a descentralização dos serviços. Entretanto a vivência de um novo olhar sobre os encaminhamentos para consultas revelou-se um meio importante de aproximar a saúde mental da atenção básica e oferecer cuidados em saúde mental dentro das unidades básicas de saúde. Salientou a necessidade de encaminhamentos criteriosos, objetivando a diminuição dos encaminhamentos para serviços de especialidades. Estabeleceu a meta de redução do uso de psicotrópicos e de maior controle na dispensação de medicações no município.

Necessidade de um estudo para melhor compreender os pedidos de encaminhamentos para consultas psiquiátricas realizados pelas unidades básicas de saúde, com um modelo de atuação que facilite o acesso aos cuidados em saúde mental, alternativas de cuidados como rodas de conversas, atendimentos individuais ou em grupos, estratégias de matriciamento e atividades sócio-ocupacionais, preferencialmente com recursos do próprio território

Este estudo representou ao município um marco importante na ampliação da rede de saúde mental, garantindo aos munícipes acesso e cuidados dignos e de qualidade em saúde mental. Pode se implantar um novo modelo de práticas para as equipes das unidades básicas. A coordenação de saúde mental a partir do estudo implementou ações de saúde mental em sete unidades básicas de saúde e padronizou um fluxo de dispensação de psicotrópicos.

Principal

Eliana Cristina Gardini - Cleide da Conceição Cardoso - Tânia Maria da Silva Bamondes

gardinieliana@yahoo.com.br

A prática foi aplicada em

Guarujá

São Paulo

Sudeste

Instituição

AV. SANTOS DUMONT - SANTO ANTÔNIO

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Eliana Cristina Gardini - Cleide da Conceição Cardoso - Tânia Maria da Silva Bamondes

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Oficina Oportunizar /CAPS AD
Rio de Janeiro
Práticas
Desinstitucionalização do Hospital Colônia Itapuã: de um portal sombrio a um Solar iluminado.
Rio Grande do Sul
Práticas
SKCAPS: grupo de skate como tecnologia de cuidado em saúde mental infantojuvenil
São Paulo
Práticas
Oficina de jogos e desenho
Rio de Janeiro
Práticas
Oficina de Economia Solidária
Rio de Janeiro
Práticas
Terapia Comunitária Integrativa: um relato de experiência no município de Resende (RJ)
Rio de Janeiro
Práticas
Grupo terapêutico: um espaço de acolhimento e de suporte para o final de semana, através da musica, violão e técnica da auriculoterapia
Rio de Janeiro
Práticas
Equipe multidisciplinar – um olhar psicossocial na atenção à infância e adolescência
Rio de Janeiro