Olá,

Visitante

Saúde de Fronteira na Perspectiva da Equidade: Dialogando com os Direitos Constitucionais

FINALIDADE DA EXPERIÊNCIA: A finalidade da experiência é observar “in loco” a efetivação de politicas de saúde equânimes que produzam redes colaborativas de atenção a saúde das pessoas que chegam aos serviços de saúde no Brasil.DINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOS: O primeiro contato no território se deu atreves de entrevista semiestruturada como os gestores municipais de saúde dos municípios da zona de fronteira do Estado de Roraima no extremo Norte do Brasil. INDICADORES/VARIÁVEIS/COLETA DE DADOSA construção de redes colaborativas de acesso ao SUS – perspectivas para a ampliação do direito à saúde aos usuários estrangeiros na Fronteira do extremo Norte do Brasil. Os objetivos do estudo são avaliar a implementação e identificar as alterações ético-políticas e institucionais decorrentes do dispositivo CIR em regiões fronteiriças. As estratégias metodológicas escolhidas apontaram para duas dimensões: 1) o processo de implementação e de compromisso dos atores políticos acerca das negociações e dos arranjos efetivados em reuniões colegiadas, do nível de qualificação e da participação dos envolvidos na gestão

O Ministério da Saúde criou um projeto de Sistema Integrado de Saúde das Fronteiras (SIS Fronteiras) que deve colaborar com Sistema Único de Saúde e é de uso exclusivo dos municípios que estão na zona de fronteira do Brasil. Desse modo, a ideia inicial era estabelecer uma rede de cooperação entre países vizinhos para melhorar a o tipo e a qualidade dos serviços em saúde ofertados à população residente dessas áreas .

Embora já sabido que a descentralização do SUS tenha sido iniciada há algumas décadas, são observados os gargalos na implantação de uma rede de serviços regionalizada que colaboraria para a melhoria efetiva do atendimento prestado à população fronteiriça do Estado de Roraima. As barreiras para planejamento de ações e os processos burocráticos para financiamento ainda não foram transpostos pelos gestores, sendo essa, mais uma dificuldade para um Sistema Único de Saúde equânime, integral e universal.

Principal

Lincoln Costa Valença,Marcos Antonio Pellegrini, Paola Kessy de Souza Belo, Thiago Martins Rodrigues, Maria Soledade Garcia Benedetti E Rodrigo Scalabrin

lincolnvalenca@yahoo.com.br

A prática foi aplicada em

Todo o Brasil

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Lincoln Costa Valença,Marcos Antonio Pellegrini, Paola Kessy de Souza Belo, Thiago Martins Rodrigues, Maria Soledade Garcia Benedetti e Rodrigo Scalabrin

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

05 nov 2022

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Teste: verificando o recurso de emissão de certificados
Todos os Estados (Sudeste)
Práticas
Gestão de saúde em Queimadas – PB: uso estratégico da informação no planejamento das ações
Paraíba
Práticas
Implantação e ampliação de Serviço Especializado em município do sertão da Paraíba
Paraíba
Práticas
Gestão de saúde de Cabedelo na implantação da nova lei de licitações: desafios e conquistas
Paraíba
Práticas
Processo de elaboração do Plano Municipal de Saúde 2022-2025- relato de experiência.
Paraíba
Práticas
INFORMATIZAÇÃO DA REGULAÇÃO MUNICIPAL COM A ATENÇÃO PRIMÁRIA COMO COORDENADORA DO CUIDADO
Rio de Janeiro
Práticas
A importância da implantação de sistema de regulação de exames no Município de mendes.
Rio de Janeiro