Olá,

Visitante

Relato da Cooperação Entre a Prefeitura de Quissamã e a Universidade Federal do Rio de Janeiro -Campus Macaé para o Enfrentamento da Covid 19

A Organização Mundial da Saúde declarou como evento epidêmico a doença causada pelo coronavírus SARS-CoV2 (COVID-19) em 11/03/2020. Trata-se de um vírus novo e com alto poder de transmissão e letalidade que impactou os serviços de saúde e a vida social e, por conseguinte, no momento, o distanciamento social é a forma de prevenção mais eficaz. A previsão de interiorização e o alarde da propagação da doença moveu a gestão municipal de Quissamã para adotar medidas de restrição de circulação da população, implantar o Centro de Triagem Respiratória e construir um Hospital de Campanha com 10 leitos, criar o Disque Saúde e o Teleatendimento de apoio psicológico a fim de concentrar os atendimentos de casos suspeitos e diagnosticados para reduzir a transmissão e preservar a vida. No entanto, avaliava a importância de garantir o cuidado em saúde para os usuários acometidos por outras patologias, com menor exposição de risco para os mesmos e para os profissionais de saúde. Além disso, identificava a necessidade de conhecer o comportamento da doença no município. Por outro lado, a avalanche de informações oriundas dos meios de comunicação, algumas delas contraditórias, exigia um filtro técnico-científico. Portanto, a questão sobre como enfrentar a pandemia a partir das melhores evidências científicas e da defesa da vida motivou a cooperação técnica estabelecida entre a Prefeitura e a UFRJ. Essa prática visa apresentar as ações realizadas e os produtos gerados em decorrência dessa parceria com a universidade.

A pandemia COVID 19 gerou uma grande tensão, em diversos aspectos e intensidades, para a gestão municipal, para os profissionais de saúde e para a população, sobretudo, porque não existe, ainda, vacina para induzir a imunidade. Reorganizar os serviços de saúde de modo a garantir à assistência com menor exposição de riscos para a população e profissionais de saúde tem exigido uma atuação da gestão municipal com base em evidências científicas.

Para um problema com tal nível de gravidade recomendamos a condução das ações por técnicos qualificados e a tomada de decisões baseadas em evidências científicas. Ter uma vigilância em saúde atuante, dar visibilidade sobre as medidas adotadas para a população e para os órgãos de controle interno e externo, divulgar os indicadores relativos ao problema enfrentado, estabelecer parceria com instituições acadêmicas e de pesquisa, promover a educação permanente em saúde são outros aspectos relevantes.

Principal

Tereza Cristina Cabral Gomes

tereza-cabral@uol.com.br

A prática foi aplicada em

Paraíba

Nordeste

Instituição

Quissamã

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Tereza Cristina Cabral Gomes

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Participação da Comunidade na Saúde: Experiências Inovadoras de Gestão Participativa, Mobilização de Conselho Gestor de Unidade ou Conselho Local
Alagoas
Práticas
Saúde em Foco – Clipping de Noticias
Mato Grosso
Práticas
O Papel da ouvidoria: Um Espaço Dinâmico e Democratico: Relato de Experiência de Um ouvidorSUS
Paraíba
Práticas
Estratificação de Pacientes Ambulatoriais Através de Rotas Permite Que Pacientes em Situação de Risco Não Fiquem Esquecidos na Linha de Cuidados Ambulatoriais.
Paraná
Práticas
Cuidar e Acolher Um Sonho Possível
Sergipe
Práticas
Digite Saúdeeste Portal de Saúde Alinha de Forma Interativa, Gestores, Provedores, Médicos e Usuários Permitindo Alto Impacto e Grande Alcance, Melhorando a Coleta de Dados e os Resultados obtidos.
São Paulo
Práticas
Comunicare – Redes Temáticas
Minas Gerais