Olá,

Visitante

PrograMA de Imunização no Município de Mucuri e Seus Desafios Tempo de Resgate Das Coberturas Vacinais e Valorização da Vacinação Junto a Comunidade

Categoria não especificada

O Programa Nacional de Imunização representa uma das intervenções de saúde pública bem sucedidas mundialmente. Segundo dados da OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) 2019, estima que a imunização evite entre 2 a 3 milhões de mortes por ano. A aceitação e adesão ao calendário nacional de imunização é amplamente reconhecida pela sociedade brasileira, entretanto atualmente podemos observar a falta de conhecimento e conscientização da importância da imunização pela população interferindo no bom desempenho do programa. As baixas coberturas vacinais constituem um problema de âmbito nacional sendo um desafio o resgate da importância do Programa Nacional de Imunização junto à comunidade, órgãos gestores e profissionais no seu processo de trabalho. Durante o desenvolvimento das estratégias de fortalecimento das ações de imunização no município identificou-se inúmeros fatores que interferem no alcance das metas de coberturas vacinais seguras. O empobrecimento do envolvimento e conhecimento da equipe quanto as ações de rotina necessárias para um bom desempenho do Programa de Imunização, a insuficiência de recursos tecnológicos oferecidos para o desenvolvimento das ações e rotinas para o registro de doses de vacinas aplicadas no Sistema de Informação, a redução do número de doses de vacinas, comprometendo a oportunidade da vacinação e adotando métodos como agendamento de vacinas o que interfere na perda da oportunidade de vacinação contribuindo para a evasão do cliente, atraso e perda de doses conforme as recomendações do calendário básico de imunização, a fragilidade do Ministério da Saúde nos anos de Pandemia COVID-19 que culminou com o acirramento das baixas coberturas. Contudo a hipótese levantada de que a falha no registro de doses aplicadas de vacina seria a principal causa das baixas coberturas no município de Mucuri, foi constatada. Com o diagnóstico situacional de vacinação no município de Mucuri através de um trabalho envolvendo todas as equipes de UBSs e apoio da Vigilância Epidemiológica e Atenção Básica no intuito de aumentar as coberturas vacinais até porcentagens seguras para manutenção da saúde da população utilizamos o inquérito vacinal em todas as áreas adstritas às unidades de saúde para diagnóstico da real situação da vacinação da população. Assim os cartões das crianças menores de cinco anos foram recolhidos pelos agentes comunitários de saúde, analisados e atualizados registrados nominalmente em planilha própria elaborada pela VIEP sendo inseridas no PEC (Prontuário Eletrônico do Cliente) para confirmação do seu lançamento. A ação consistiu em comprovação e possíveis correções no SIPNI (Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização) dos dados vacinais do município e a identificação das ações necessárias para o alcance de coberturas vacinais. O inquérito foi concluído através do envio da situação encontrada em cada área contendo o número de crianças cadastradas por faixa etária, número de doses aplicadas e lançadas no sistema. A adoção da estratégia possibilitou a confirmação da hipótese de maior relevância levantada de que as baixas coberturas estavam relacionadas a falta de registro de doses de vacina haja vista que após o lançamento no PEC e a migração das informações para o SIPNI identificamos um aumento representativo das coberturas vacinais.

Falta ou inadequação de registro das doses de vacinas no sistema de informação como forma de garantir a realidade das coberturas vacinais e acompanhamento do indicador em cada área de UBS; * Empobrecimento do envolvimento e conhecimento da equipe quanto as ações de rotina necessárias para um bom desempenho do Programa de Imunização, o que inviabiliza ações que precisam ser adotadas para implementação e, consequentemente o aumento das coberturas vacinais; * Falta de busca ativa dos faltosos para atualização dos cartões vacinais como atividade diária de fundamental importância na busca de coberturas vacinais seguras; * Recursos tecnológicos insuficientes oferecidos para o desenvolvimento das ações e rotinas para o registro de doses de vacinas aplicadas no Sistema de Informação; * Não oferecimento de material áudio/visual, gráfico e publicitário para conscientização da população; *Redução do número de doses de vacinas, comprometendo a oportunidade da vacinação e adotando métodos como agendamento de vacinas o que interfere nas coberturas vacinais; *Sobrecarga de trabalho do enfermeiro nas UBSs interferindo na integração do trabalho realizado pela equipe junto à sala de vacina; *Necessidade de melhorar a integração entre os setores de Atenção Básica e Vigilância Epidemiológica, estabelecendo estratégias de rotina em imunização com toda equipe das unidades básicas de saúde; *Existência de áreas e micro áreas descobertas.

Diante do diagnóstico situacional de vacinação no município de Mucuri realizado no período de 01/01/2022 a 30/10/2022 através de um trabalho envolvendo todas as equipes de UBSs e apoio da Vigilância Epidemiológica e Atenção Básica no intuito de aumentar as coberturas vacinais até porcentagens seguras para manutenção da saúde da população utilizamos o inquérito vacinal em todas as áreas adstritas às unidades de saúde para diagnóstico da real situação da vacinação da população. Para a realização do trabalho, os cartões das crianças menores de cinco anos foram recolhidos pelos agentes comunitários de saúde de cada UBS, analisados e atualizados registrados nominalmente em planilha própria elaborada pela VIEP sendo inseridas no PEC (Prontuário Eletrônico do Cliente) para confirmação do seu lançamento. A ação consistiu em comprovação e possíveis correções no SIPNI (Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização) dos dados vacinais do município e a identificação das ações necessárias para o alcance de coberturas vacinais seguras para a população. O inquérito foi concluído através do envio da situação encontrada em cada área contendo o número de crianças cadastradas por faixa etária, número de doses aplicadas e lançadas no sistema. A adoção da estratégia descrita possibilitou a confirmação da hipótese de maior relevância levantada de que as baixas coberturas estavam relacionadas a falta de registro de doses de vacina no PEC aja vista que após o lançamento das doses de vacina no PEC e a migração das informações para o SIPNI identificamos um aumento representativo das coberturas vacinais. Considerando que este problema é multifatorial e multisetorial adotamos também ações de uma maior e melhor qualidade da integração entre a gestão da Atenção Básica e Vigilância Epidemiológica no sentido de alinharmos reuniões junto às Coordenações e Vacinadores das UBSs buscando conhecer as vulnerabilidades específicas de cada região como a existência de áreas descobertas, o recolhimento, análise dos cartões vacinais e busca ativa das crianças em situação de atraso vacinal. Também abordando junto aos coordenadores das UBSs e Vacinadores conforme diagnóstico observado a necessidade de resgatar uma maior interação entre as atividades realizadas na UBS para recuperar as coberturas vacinais valorizando a contribuição de todos da equipe na busca do resgate da importância do Programa Nacional de Imunização através de medidas simples e pontuais como a solicitação dos cartões vacinais mediante visita dos clientes às unidades para consultas diversas, para o programa de Vigilância Nutricional e Bolsa Família; A vinculação da matrícula da criança na escola da apresentação do cartão vacinal atualizado; A atuação do Programa Saúde na Escola com atividades relacionadas à imunização; O acompanhamento do registro vacinal no PEC das UBSs pelo profissional responsável pelo Previne Brasll. Através do acompanhamento do relatório de apoio ao cuidado do SISAB (Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica), produção e atividade coletiva, realizado em nosso município pelo apoiador institucional, foi possível identificar e monitorar mensalmente todas as crianças menores de ano para as vacinas do calendário de rotina de todas as UBSs desde o último quadrimestre de 2022, desta forma listando as crianças de cada UBS e acessando pelo sistema de informação a atualização/necessidade de vacinação destas. A cada novo quadrimestre são planilhadas as crianças que entrarão naquele período e a informação é compartilhada com as vacinadoras e enfermeiras. Tal ação tem bastante relevância para o alcance de coberturas vacinais seguras. Também a implementação da ficha de acompanhamento da situação vacinal da criança de 0 a 7 anos para o monitoramento da situação vacinal durante as visitas domiciliares realizadas pelos agentes comunitários de saúde.

Refletindo sobre a experiência realizada no município de Mucuri referente a dados recolhidos do Programa Municipal de Imunização no período de 01/01/2022 a 30/10/2022 a falta de registro de doses vacinais no Sistema de Informação é uma realidade que impacta de forma significativa nos resultados obtidos com a cobertura vacinal de rotina apontando as vulnerabilidades vivenciadas pelas salas de vacina como a falta de um computador exclusivo no setor, a necessidade de supervisão e apoio do coordenador e agentes comunitários na busca de ações efetivas capazes de produzir resultados eficientes em vacinação, a internalização pelos profissionais responsáveis da importância do registro de doses de vacinas para o monitoramento das coberturas e indicadores de imunização e o acompanhamento através de relatórios do SISAB da situação vacinal das crianças menores de ano a fim de ter acesso em tempo hábil da coberturas vacinais no município e das ações e medidas necessárias a cada período estabelecido para o acompanhamento do programa. Em acordo com os princípios do SUS que tem como um dos seus propósitos fundamentais a construção de uma autonomia pela sua situação de saúde por parte da população rompendo com o modelo paternalista e fomentando na coletividade a sua capacidade de apontar políticas públicas de saúde que atendam as singularidades de cada região e a autorresponsabilidade na busca do equilíbrio da sua saúde quando necessário, ressaltamos a necessidade de discutir e implementar no Programa Nacional de Imunização ações que atendam a segurança vacinal da população através da conscientização da importância da vacinação haja vista que uma grande parte da população não possui memória dos prejuízos causados pelas doenças imunopreveníveis desde que as vacinas passaram a ser representativas na diminuição destas. Sendo de fundamental importância para a incrementação do Programa o resgate das ações de conscientização, estudo e atualização do conhecimento sobre vacinas por toda equipe de saúde envolvida no atendimento ao público como médicos, enfermeiros, recepcionistas e agentes comunitários de saúde na abordagem do cliente, na busca ativa dos faltosos, na integração entre a rede de atenção à saúde como CRAS, CREAS, Educação e outros para garantir a vacinação, na divulgação através das mídias sociais, informativos e demais meios de propaganda que possam contribuir no alcance de melhores resultados. Diante do exposto, esse conjunto de ações descritas acima serão capazes de fortalecer o Programa de Imunização no município e, desta forma a garantia da melhoria das coberturas vacinais,

Principal

Erica Lopes Ribeiro marx

Coautores

Maria de Fátima Prates Rocha

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba