Olá,

Visitante

Os Desafios de Imunizar e Manter Os Indicadores em Tempos de Pandemia no Município de Tefé

Categoria não especificada

O município de Tefé, com população aproximada de 72.000 (setenta e dos mil) habitantes segundo o cadastro ESUS-AB (distante 525 quilômetros da capital), no médio Solimões. Sendo que 80% residem na área urbana e 20% na área rural. Em Tefé nos anos anterior a Pandemia da covid-19 os indicadores do Programa de imunização eram alcançados mesmo levando em comiserando as dificuldades de logística, condições climáticas, hidrográficas e geográficas. Entretanto com advento da Pandemia da covid-19 o cenário mudou devido as fake News divulgadas nas redes socais, que além de interferir na vacinação da covid-19, afetou diretamente a credibilidade das vacinas de rotina do calendário vacinal oficial. A organização do processo de trabalho foi ajustada para atender a população urbana no sentido de desmistificas as fake News, ampliar o número de postos de atendimento, descentralizando o serviço, ampliando o horário de atendimento nas UBSs e estendendo o horário de atendimento nos finais de semana. Na área rural ampliamos o número de atendimento, expandimos o número de viagens para atender a população ribeirinha, garantimos o acesso à vacinação em tempo oportuno, conforme Calendário Vacinal, estabelecido pelo Ministério da Saúde/PMI. Em tempos de pandemia é crucial que se adote boas estratégias de vacinação. Para que as ações sejam bem sucedidas, é importante que a Secretaria Municipal de Saúde tome medidas intersetorial e interinstitucional, estrategicamente planejadas, identificando os desafios, estabelecendo as prioridades, utilizando as estratégias e meios adequados para realizar uma vacinação eficaz. PALAVRAS-CHAVES: Ações. Estratégia. Imunização. Pandemia. Tefé

A organização do processo de trabalho foi ajustada para atender a população urbana no sentido de desmistificas as fake News, ampliar o número de postos de atendimento, descentralizando o serviço, ampliando o horário de atendimento nas UBSs e estendendo o horário de atendimento nos finais de semana. Na área rural ampliamos o número de atendimento, expandimos o número de viagens para atender a população ribeirinha, garantimos o acesso à vacinação em tempo oportuno, conforme Calendário Vacinal, estabelecido pelo Ministério da Saúde/PMI. Estabelecemos como prioridade as comunidades no período das cheias, pois no período da estiagem o acesso a essas comunidades é praticamente impossível, a dificuldade na região norte ocorre na estiagem (seca) e cheias do rios, que no amazonas os rios, furos, igapós, lagos e igarapés são nossas estradas vicinais (fluviais). A capacitação da equipe e as palestras nos territórios adscritos as UBS, informação sobre a campanha em todas as mídias sociais e também nas rádios locais que atingiam as comunidade rurais com objetivo de quebrar barreira da informação e restabelecer a credibilidade das vacinas. A imunização é uma das principais medidas de prevenção para proteger os indivíduos e controlar a disseminação de doenças em regiões com pequena ou grande densidade demográfica. No entanto para que a vacinação seja eficaz e segura, é preciso desenvolver ações estrategicamente planejadas frente aos desafios. Alguns desses desafios incluem: logística estado/município, município/comunidades, armazenamento adequado, monitoramento. Além de todo envolvimento estratégico a nível de gestão, coordenação, investimento em recursos e tecnologia, distribuição e abastecimento

Em tempos de pandemia a Secretaria Municipal de Saúde adotou medidas planejadas e sistematizadas, desenvolvidas de maneira intersetorial e institucional, utilizando a comunicação e mobilização social como meio de atingir todos os estratos sociais.  Capacitação de profissionais;  Ampliação das equipes da estratégia da saúde da família, dobramos o número de vacinadores;  Suporte logístico para aquisição de vacinas independe da logística do município a prefeitura disponibilizou o serviço para que enviasse independente do dia contratado de transporte, custeado todo custo extra, até mesmo aluguel de aeronave para transportar os imunobiológicos;  Intensificação das campanhas e atividades de rotina;  Busca ativa casa a casa (através das equipes de saúde) foi a maior estratégia já realizada com ACS;  Horários estendidos nas UBS e ampliação nos atendimento nos finais de semana (oportunizando a vacina para a população sem disponibilidade no período diurno);  Mutirões de vacinação (praia, praças, porto, aeroporto, escolas, estabelecimentos comerciais;  Drive Thur (oportunizando a vacinação às pessoas com necessidades especiais e idosos;  Premiação das equipes, como forma de incentivar o alcance das metas;  Comunicação e mobilização social para conscientização da população (rádios, carro volante, redes sociais).

Em tempos de pandemia é crucial que se adote boas estratégias de vacinação. Para que as ações sejam bem sucedidas, é importante que a Secretaria Municipal de Saúde tome medidas intersetorial e interinstitucional, estrategicamente planejadas, identificando os desafios, estabelecendo as prioridades, utilizando as estratégias e meios adequados para realizar uma vacinação eficaz. Os profissionais de saúde, idosos e pessoas com comorbidades são considerados os grupos mais vulneráveis. No entanto, também são considerados grupos prioritários as crianças, trabalhadores essenciais e pessoas com alto risco de exposição as doenças. Essa situação impõe ao PMI tomada de decisões acertadas para uma cobertura vacinal homogênea. Para o bom desempenho das ações e dos profissionais envolvidos, foi fundamental a comunicação clara e objetiva. As informações sobre os benefícios, compartilhadas de forma compreensível e responsável garantiu ações bem sucedidas. Sendo assim, o Programa Municipal de Imunização recomenda, antes de tudo, que se faça a identificação dos desafios e viabilizem ações condizentes com a realidade local e grau de complexidade. Estabeleça uma boa comunicação, de modo que todos os profissionais envolvidos trabalhem juntos.

Principal

ELINES ALVES MOURA DA SILVA

Coautores

Lecita Marreira de Lima Barros, Cleia da Silva Pinheiro, Valcinei Amorim

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Teste do Certificado
Minas Gerais
Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba