Olá,

Visitante

Os Caminhos para o Alcance Das Coberturas Vacinais em Território Rural e de Assentamentos

Categoria não especificada

Garantir uma cobertura ideal de vacinação não é tarefa fácil. Dentro do Município de Mirante do Paranapanema-SP temos problemas e desafios que são enfrentados diariamente pelas as equipes de saúde que atuam nas ESFs tanto da Zona Urbana quanto da Zona Rural, pois temos uma vasta área de abrangência territorial rural sendo composta por 38 assentamentos beneficiando aproximadamente 1229 famílias numa área de 32 mil hectares, por isto somos considerados a Capital do Pontal e da Reforma Agrária. Contemos uma uma cobertura de 100% de Estratégias de Saúde da Família (ESF) sendo a sua distribuição da seguinte maneira: 04 ESFs localizadas na zona urbana (circunscritas na cidade), 02 ESFs presentes uma em cada distrito e 02 ESFs pertencentes uma em cada Zona Rural (Assentamentos) com os horários de funcionamentos de segundas às sextas-feiras das 08 às 17 horas (ESFs das cidades) e das 08 às 16 horas (ESFs dos distritos e assentamentos). Todas as ESFs contêm a equipe miníma preconizada pelo Ministério da Saúde, e devidamente equipadas com salas de vacinas, cadastradas nos sistemas de informação de imunização: SIPNI Web, SIPNI Novo, SIES e ESUS Pec. Com o intuito de garantir e assegurar a acessibilidade de toda a população a saúde e imunização. Diante da nossa realidade a Gestão, Atenção Básica e Vigilância Epidemiológica Municipal vem se desdobrando nos últimos dois anos no que se refere ao aumento das coberturas vacinais através do desenvolvimento de várias estratégias para o alcance e garantia das metas. Fato este que as vacinas que são utilizadas como indicadores vacinais pelo PQ-AVS como Poliomielite (3ªdose) , Pneumocócica Valente 10 (2ªdose), Pentavalente (3ª dose) e Tríplice Viral (1ªdose) atingimos respectivamente em 2022, as coberturas de: 102,7%, 102,0%, 102,8% e 70,60% (dados extraídos do Sistema SIPNI Web). E na Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite (2022) atingimos uma cobertura de 100%, dados extraídos do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações. Neste ano o relatório das coberturas vacinais (1° trimestre) que foi extraído pela Vigilância Epidemiológica contêm os seguintes dados: Poliomielite (3ª dose- 105,7%), Pentavalente (3ª dose- 103,7%), Tríplice Viral (1ª dose- 101,3%), Pneumocócica 10 Valente (2ª dose- 77,8%), Hepatite A (15 meses- 98,2%), Rotavírus (2 e 4 meses- 82,2%), Vacina Meningocócica C Conjugada ( 3 e 6 meses- 72,6%), Febre Amarela (9 meses- 116,1%) e Varicela (15 meses- 134,1%). Dados extraídos do Sistema SIPNI Web. No qual está refletindo positivamente para o aumento de nossas coberturas.

Garantir uma cobertura ideal de vacinação não é tarefa fácil. Dentro do Município temos problemas e desafios que são enfrentados diariamente pelas as equipes de saúde que atuam nas ESFs tanto da Zona Urbana quanto da Zona Rural. Atualmente dentre os principais desafios que nos deparamos são os que se refere há crianças e adolescentes faltosos para a completude do esquema vacinal; logística dos pacientes (Zona Rural), por se tratar de um Município compostos por inúmeros assentamentos e, consequentemente, uma larga abrangência de dimensão territorial rural e atualização correta do Cartão Nacional do SUS (CNS) para migração dos dados.

O Município (Gestão, Atenção Básica e Vigilância Epidemiológica Municipal) vem sem desdobrando nos últimos dois anos no que se refere ao aumento das coberturas vacinais devido sermos um território com uma vasta área de abrangência rural, no qual temos duas ESFs equipadas com sala de vacina, para atender a demanda desta população e garantirmos o acesso a saúde e imunização. Diante disto vem sendo desenvolvidas várias estratégias para o alcance e garantia das metas como realização de reuniões mensais ou conforme a necessidade com todos os enfermeiros da atenção básica e técnicos de enfermagem das salas de vacinas esplanada pela enfermeira responsável pela Vigilância Epidemiológica, nos quais são repassados todas as atualizações de documentos e notas técnicas no que se refere à vacina, relatórios de coberturas vacinas nos quais os dados são extraídos do Sistema SIPNI Web, com o objetivo de fazermos busca ativa pelos faltosos nas vacinas que não estamos com a cobertura ideal, ou rever os registros vacinas no ESUS AB, e levantamos as problemáticas, sugestões e esclarecimento de dúvidas; visita pela enfermeira responsável pela Vigilância Epidemiológica mensalmente ou conforme a necessidade em todas as salas de vacinas; levantamento de relatórios de vacinas e de campanhas pela enfermeira responsável pela Vigilância Epidemiológica, nos quais os dados são repassados em reuniões e em grupo de Whatsapp; realização de reunião mensal com os médicos da Atenção Básica pela Coordenação da Atenção Básica e enfermeira responsável pela Vigilância Epidemiológica; reuniões mensais pelas as ESFs com todos os integrantes da equipe, no quais são repassados e discutidos todas as informações pertinentes, incluindo busca ativa pelos faltosos, sendo realizados pelos Agentes Comunitários de Saúde; treinamento com todos os enfermeiros e técnicos de enfermagem na admissão em Sala de Vacina Central; apoio com a Secretária de Educação no que se refere as crianças faltosas, diante disto desde do ano passado a atualização de cadernetas de crianças (creches e escolas) são realizadas trimestralmente; busca ativa pelos faltosos mensalmente realizado pelas as equipes, inclusive,vacinação no domicilio para aquelas de difícil acesso (Zona Rural); campanhas realizadas nos sábados quando necessário, aonde são abertas todas as salas de vacinas (Zona Urbana e Zona Rural), e abertura de Ponto de Apoio (Zona Rural) para a população com mais dificuldade de acesso.

Garantir e manter cobertura vacinal ideal é uma tarefa que exige muito trabalho e esforço de todos (Gestão, Atenção Básica, Vigilância Epidemiológica e apoio com as outras redes). Desde do ano de 2022 o Município vem se destacando no que se refere ao aumento relativo das coberturas de vacinas e campanhas, através de todas as estratégias que estão sendo desenvolvidas. Fato este que as vacinas que são utilizadas como indicadores vacinais pelo PQ-AVS como Poliomielite (3ªdose) , Pneumocócica Valente 10 (2ªdose), Pentavalente (3ª dose) e Tríplice Viral (1ªdose) atingimos respectivamente em 2022, as coberturas de: 102,7%, 102,0%, 102,8% e 70,60% (dados extraídos do Sistema SIPNI Web). E na Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite (2022) atingimos uma cobertura de 100%, dados extraídos do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações. No que se refere a cobertura Triplíce Viral a enfermeira responsável pela Vigilância Epidemiológica extraiu os relatórios e foi identificado erro de digitação no ESUS AB pelas as equipes na dose de Intensificação realizado no 6º mês de vida no Estado de São Paulo, no qual o mesmo foi repassado em reunião com os enfermeiros e técnicos de enfermagem para melhoria e correção dos dados. Neste ano o relatório das coberturas vacinais (1° trimestre) que foi extraído pela Vigilância Epidemiológica contêm os seguintes dados: Poliomielite (3ª dose- 105,7%), Pentavalente (3ª dose- 103,7%), Tríplice Viral (1ª dose- 101,3%), Pneumocócica 10 Valente (2ª dose- 77,8%), Hepatite A (15 meses- 98,2%), Rotavírus (2 e 4 meses- 82,2%), Vacina Meningocócica C Conjugada ( 3 e 6 meses- 72,6%), Febre Amarela (9 meses- 116,1%) e Varicela (15 meses- 134,1%). Dados estes extraídos do Sistema SIPNI Web. Diante disto, observa-se que todo o trabalho e as ações desempenhadas dentro do nosso Município vêm refletindo positivamente para que hoje tenhamos o êxito alcançado e desejado.

Principal

ROSIANE DIAS MELO

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Caminhos estratégicos da APS frente a cobertura vacinal no município de Bernardino Batista
Paraíba
Práticas
Ampliando leque da rede: fortalecimento dos vínculos entre equipes e escola.
Paraíba
Práticas
Relato de experiência: humanização na atenção ao usuário no pronto atendimento de Pilar (PB))
Paraíba
Práticas
Implantação de laserterapia na rede de atenção à saúde de Pilar (PB): relato de experiência
Paraíba
Práticas
Paciente protagonista de sua terapia: o cuidado farmacêutico com pacientes atendidos no CAPS de Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Atenção e cuidado ao paciente portador de feridas no SUS em Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Quando a saúde vai além dos muros das UBS
Rio de Janeiro