Olá,

Visitante

Organização da Rede Intersetorial para Proteção e Enfrentamento da Violência

-1

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define a questão da violência como um grave problema de saúde pública, que impacta sobre a qualidade de vida e a morbidade e mortalidade da população. Como consequência, reflete na redução da perspectiva de vida de adolescentes e jovens, além de originar elevados custos em nível social, econômico, familiar e pessoal. O Ministério da Saúde, além de reconhecer a violência como um caso de saúde pública, também perfilha o seu alinhamento junto aos fenômenos sociais que orbitam e alimentam tais questões, como o desrespeito aos direitos humanos, o empobrecimento da população, o desemprego, os preconceitos raciais e de gênero, a intolerância religiosa e as profundas marcas de desigualdade social.O Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN net – é subsidiado por intermédio do registro de ocorrências de doenças de notificação compulsória, dentre elas, a violência. Quando os seus objetivos de coleta, transmissão e consolidação dos dados são utilizados de maneira efetiva, permite a geração de informações que viabilizam tomadas de decisão e do diagnóstico dinâmico pautado na realidade epidemiológica de uma dada extensão geográfica.Os dados enviados ao SINAN net pela área sanitária do município de Mangaratiba entre o período de 2008 e 2016, apresenta um total de 233 pessoas em situação de violência e 175 casos de mulheres nas mesmas condições. Tais registros desse período de oito anos de notificações, não correspondiam a realidade observada em visitas feitas às unidades de saúde no período de implementação da ARTE VIVA, ratificando a ideia de existência de subnotificação desses casos de violência no município de Mangaratiba. O PAISMCA – Programa de Atenção Integral a Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente desenvolve por intermédio da Área Técnica de Vigilância Integral à Violência e Acidentes – ARTE VIVA – suas estratégias para a atenção nas situações de violência contra a mulher, a criança e o adolescente atendendo tais demandas com ações voltadas para a notificação e ampliação da rede de proteção e cuidados às pessoas em situação de violência, assim como aumentar o número de unidades notificadoras. O ARTE VIVA está alinhado às diretrizes da Rede Nacional de Núcleos de Prevenção da violência e Promoção da Saúde (Portaria GM/MS no 936, de 18/5/2004) e a instituição, em 2006, da Política nacional de Promoção da saúde (Portaria GM/MS no 687, de 30/3/2006), que tem, dentre as várias prioridades a serem desenvolvidas, ações de enfrentamento das violências e acidentes, além de outras portarias. São elas: Portaria nº 936, de 19 de maio de 2004 do Ministério da Saúde, que dispõe sobre a estruturação da Rede Nacional de Prevenção da Violência e Promoção da Saúde e a Implantação de Núcleos de Prevenção à Violência em Estados e Municípios. E as portarias: nº 204 e 205 de 17 de fevereiro de 2016, que trata sobre a Lista Nacional de Notificação Compulsória e Lista de Monitoramento das Unidades Sentinelas

Tal prática visa garantir às equipes sanitárias, o apoio quanto à responsabilização das ações de continuidade na linha de cuidado ao que tange às questões de notificação, prevenção, acolhimento das mulheres, em especial das quilombolas, crianças e adolescentes em situação de violência. Assim como apoiar a estruturação e o diálogo da Rede de Vigilância Integral à Violência e Acidentes – REDE VIVA, que é a Rede Intersetorial para Enfrentamento da Violência e Acidentes no Município de Mangaratiba. Garantindo, assim a implantação e implementação da notificação de maus-tratos e outras violências e o aumentando do número de unidades notificadoras, como tática de melhoria da qualidade da informação e participação nas redes locais de atenção integral para populações estratégicas.

Principal

Elisa Goulart

artevivasaude@mangaratiba.rj.gov.br

A prática foi aplicada em

Mangaratiba

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Praça Robert Simões - S/N Centro- Mangaratiba

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Elisa Goulart

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

04 out 2022

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Implementação da Rede de Apoio Aos Pacientes com Infecção Congênita Associada ao Vírus Storch ou Zika no Município de São José de Ribamar – Ma.
Maranhão
Práticas
Ocorrência de Óbito por Causa Violenta em Menores de 12 Anos no Município de Itabaiana-Pb: a Importância da Integração da Vigilância em Saúde na Atenção Básica.
Paraíba
Práticas
Exame dos contatos intradomiciliares aos sábados no programa de controle de hanseníase no município de Rio Branco, Acre
Acre
Práticas
O uso de armadilhas (Ovitrampas) como ferramenta para monitoramento e controle populacional do Aedes Aegypti em Rio Branco, Acre
Acre
Práticas
Vigilância de Epizootias Visando À Prevenção da Febre Amarela no Município de Curitiba – Pr
Paraná
Práticas
Investigação Epidemiológica Pós-Óbito em Situações de Desastres: a Experiência de Nova Friburgo
Rio de Janeiro
Práticas
Parceria Entre Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária – Ações de Imunização
Minas Gerais
Práticas
Projeto Pantanal – Saúde em Ação
Mato Grosso do Sul