Olá,

Visitante

O Sucesso da estratégia Drive Thru Ribeirinho e os desafios da imunização contra a Covid-19 em Região Fronteiriça: Benjamin Constant(AM) e Perú

A cidade de Benjamin Constant – Am compõem o território do Estado do Amazonas e abarca suas características Amazônicas. Estas não se traduzem apenas aos rios, lagos, igarapés e várzeas que cortam a floresta, mas carregam um conjunto de relações simbólicas e culturais que transpassa os modos de vida e identidade da população dessa região, evidenciando o conceito de território liquido de Schweickardt. Benjamin Constant tem população estimada em 44.000 habitantes, a qual 42% dessa população é indígenas, residindo a maior parte na zona rural, por tanto , o município conta com 62 comunidades ribeirinhas, sendo 9 delas composta por estrangeiros peruanos. Com o advento da vacina contra COVID-19 a Secretaria de Saúde através da coordenação de imunização, em parceria com demais órgãos locais elaborou, em fevereiro de 2021, o plano municipal de operacionalização de imunização contra a COVID-19 19 Levando em consideração a realidade locoregional e as necessidades de saúde do município. Este plano consistiu na implantação de barreira sanitária no porto da cidade, criação de um centro de vacinação na sede do município, formação de equipe de vacinadores para ações de imunização na sede e nas comunidades ribeirinhas, além da composição da equipe de estratégia Drive Thru Ribeirinho.

O objetivo principal do plano municipal de operacionalização de imunização contra a COVID-19 foi vacinar toda a população de Benjamin Constant contra o COVID-19. No entanto, a partir do diálogo construído com as autoridades sanitárias Peruana, identificou-se que o município Peruano de Islândia encontrava-se aquele momento sob baixa cobertura vacinal para COVID-19, além disso, haviam estrangeiros que moram em Benjamin Constant, aqueles que passaram a morar no município nesse período e também os que mantinham constante transito entre o Peru e o município brasileiro. Apesar do Perú ter experimentado antes da pandemia crescimento econômico e melhorias gerais na saúde pública, a infraestrutura geral de saúde do país permanecia precária, além disso, o sistema de saúde é altamente fragmentado e desigual fazendo com que mesmo aqueles que poderiam ter acesso a cuidados por meio de unidades de saúde públicas terem que pagar algumas taxas as quais antes da pandemia já resultavam em aumento desses gastos com saúde. Isto resultou em um movimento migratório, de cerca de 1.350 estrangeiros para o município de Benjamin Constant no intuito de acessarem o Sistema de saúde universal brasileiro (dados: APS, SEMSA/BC). A vacinação da população de Benjamin Constant e a necessidade incluir a população Peruana na campanha de vacinação contra o COVID-19 avançou sobre as comunidades ribeirinhas. A ideia de território liquido e o modo de vida da população ribeirinha do município foram determinantes no planejamento dessas ações, além da logística fluvial para acesso às comunidades ribeiras foi necessário observar que é comum durante o dia os ribeirinhos saírem de sua comunidade para exercerem suas atividades diárias de pesca, caça ou plantio de roças. Estas atividades de subsistência impediam que a equipe de imunização os encontrasse em suas comunidades em outras campanhas vacinais, representando verdadeira barreira de acesso aos imunizantes.

Sendo assim, diante destes desafios, tornou-se necessário a implantação de barreira sanitária vacinal no porto da cidade, admitindo-se protocolo de entrada no município mediante vacinação contra o COVID-19 e recebimento de orientações quanto à sua prevenção. Além disso, a inclusão da população estrangeira na campanha de imunização tornou-se fundamental, uma vez que, a não inclusão desta poderia significar avanço do vírus causador do COVID-19 em Benjamin Constant, bem como, aumento no número de casos de novas variantes da doença e de mortes, trazendo maiores impactos aos ribeirinhos devido sua condição de vulnerabilidade social, econômica e de saúde. Este pensamento avançou sobre as comunidades ribeirinhas do município evidenciando a estratégia DRIVE TRHU ribeirinho, esta antecipou-se ao cotidiana, costumes e modos de vida do ribeirinho de Benjamin Constant e consistiu em criar pontos móveis de vacinação fluvial nos arredores das comunidades através de lanchas “voadeiras” equipadas com motor 40 hp para que os ribeirinhos em deslocamento pelos rios, igarapés, lagos e furos em cumprimento com suas tarefas diárias de subsistência pudessem acessar a vacina contra o COVID-19, enquanto outras equipes avançavam na vacinação em sua comunidade e nas demais. Esta estratégia foi fundamental para que se atingisse esse público alvo e avançasse na cobertura vacinal.

Foi preciso muito esforço para que estas doses de esperança chegassem à pontos tão extremos como Benjamin Constant. Apesar dos desafios que as condições locoregionais e da vida social do ribeirinho impõem ao município, além do fato deste estar localizado em faixa de fronteira onde o tráfego de estrangeiros é constante, este tornou-se referência em imunização contra a COVID-19 quando a estratégia drive-trhu ribeirinho representou importante ferramenta de acesso à imunização das populações que vivem no território liquido no Amazonas. Vencemos a batalha da vacinação contra a COVID-19, resultando em dezembro de 2021, segundo dados do vacinômetro FVS – Amazonas (fvs.am.gov.br), na imunização de 52% da população com a primeira dose e 83,2% com a segunda dose, representando uma cobertura vacinal de 45% para o esquema vacinal completo contra o COVID-19. E as estratégias utilizadas para o alcance da cobertura vacinal, resultaram em 959 estrangeiros com esquema vacinal primário completo com a estratégia da barreira vacinal na fronteira com o país vizinho, o que corresponde a 85% dos estrangeiros em trânsito no município, e com a estratégia Drive-Thru ribeirinho imunizou 457 pessoas com duas doses do imunizante contra a Covid-19 entre fevereiro e dezembro de 2021, correspondendo à 36% da população ribeirinha a ser imunizada (dados APS, SEMSA/BC), no período de Fevereiro a Dezembro do ano de 2021. Por fim, tudo foi fruto de planejamento e execução das estratégias com muita responsabilidade e compromisso. Costumo dizer que desafios são destinados àqueles que se sabe que se pode cumpri-los, e com Benjamin Constant não foi diferente, os desafios são imensos e constantes, como o demostrado em todo o texto, mais tenho certeza que com o trabalho árduo dessa equipe de saúde comprometida que este município possui, iremos vencer todas os desafios que surgirem.

Principal

Sandy Helena Silva Graça

Coautores

Sandy Helena Silva Graça

A prática foi aplicada em

Todos os Estados (Norte)

Norte

Esta prática está vinculada a

Projeto ImunizaSUS

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

30 ago 2023

e atualizada em

29 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Implantação de laserterapia na rede de atenção à saúde de Pilar (PB): relato de experiência
Paraíba
Práticas
Atenção e cuidado ao paciente portador de feridas no SUS em Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Oferta e Inserção do DIU pelo Enfermeiro na Atenção Primária a Saúde do Município de Assunção
Paraíba
Práticas
A prática da natação para crianças e adolescentes com deficiência em município do sertão paraibano
Paraíba
Práticas
Potencializando ações e atendimentos itinerantes nos bairros para melhoria e alcance de metas
Paraíba
Práticas
Implantação do cuidado farmacêutico na atenção básica, integrando farmácia a rede de atenção a saúde
Paraíba
Práticas
A eficácia do instrumento de classificação de risco gestacional na atenção primaria à saúde.
Paraíba