Olá,

Visitante

O Sucesso da Estratégia Drive Thru Ribeirinho e Os Desafios da Imunização Contra a Covid-19 em Região Fronteiriça: Benjamin Constant – AM e Perú

Categoria não especificada

A pandemia representou importante desafio às ações de imunização contra o COVID-19 no município de Benjamin Constant. Com o advento da vacina inicia-se em Fevereiro de 2021 em todo território brasileiro a campanha de vacinação contra a COVID-19, sendo assim, o município estruturou o Plano Municipal de Operacionalização de Imunização Contra o COVID-19 através da Secretaria de Saúde e sua coordenação de Imunização em parceria com demais órgãos locais. Dentre os desafios enfrentados, destaca-se aqueles relacionados à faixa de fronteira em um contexto de território liquido onde evidencia-se modelos assistenciais diferentes que como consequência aumentam a pressão sobre o Sistema de saúde Local de Benjamin Constant . Diante deste contexto, há que se fortalecer estratégias exitosas, incentivar e apoiar ações inovadoras como a estratégia da barreira sanitária vacinal e o Drive Thru Ribeirinho no intuito de suprir as necessidades de saúde da população estrangeira migratória e a população ribeirinha de Benjamin Constant. As estratégias tiveram bons resultados, na barreira sanitária vacinal foram imunizados 959 estrangeiros com esquema vacinal primário completo, o que corresponde a 85% dos estrangeiros em trânsito no município, e o DRIVE THRU ribeirinho trouxe impacto positivos na campanha de vacinação contra o COVID-19, quando vacinou 457 pessoas com duas doses do imunizante contra a Covid-19, o que representa 36% da população ribeirinha a ser imunizada. Isto representou importante ferramenta inovadora de acesso às ações de imunização da população que vive nesse território liquido no Amazonas, mostrando que estes ribeirinhos não estão invisíveis aos olhos do Sus.

O objetivo principal do plano municipal de operacionalização de imunização contra a COVID-19 foi vacinar toda a população de Benjamin Constant contra o COVID-19. No entanto, a partir do diálogo construído com as autoridades sanitárias Peruana, identificou-se que o município Peruano de Islândia encontrava-se aquele momento sob baixa cobertura vacinal para COVID-19, além disso, haviam estrangeiros que moram em Benjamin Constant, aqueles que passaram a morar no município nesse período e também os que mantinham constante transito entre o Peru e o município brasileiro. Apesar do Perú ter experimentado antes da pandemia crescimento econômico e melhorias gerais na saúde pública, a infraestrutura geral de saúde do país permanecia precária, além disso, o sistema de saúde é altamente fragmentado e desigual fazendo com que mesmo aqueles que poderiam ter acesso a cuidados por meio de unidades de saúde públicas terem que pagar algumas taxas as quais antes da pandemia já resultavam em aumento desses gastos com saúde. Isto resultou em um movimento migratório, de cerca de 1.350 estrangeiros para o município de Benjamin Constant no intuito de acessarem o Sistema de saúde universal brasileiro (dados: APS, SEMSA/BC). A vacinação da população de Benjamin Constant e a necessidade incluir a população Peruana na campanha de vacinação contra o COVID-19 avançou sobre as comunidades ribeirinhas. A ideia de território liquido e o modo de vida da população ribeirinha do município foram determinantes no planejamento dessas ações, além da logística fluvial para acesso às comunidades ribeiras foi necessário observar que é comum durante o dia os ribeirinhos saírem de sua comunidade para exercerem suas atividades diárias de pesca, caça ou plantio de roças. Estas atividades de subsistência impediam que a equipe de imunização os encontrasse em suas comunidades em outras campanhas vacinais, representando verdadeira barreira de acesso aos imunizantes.

Sendo assim, diante destes desafios, tornou-se necessário a implantação de barreira sanitária vacinal no porto da cidade, admitindo-se protocolo de entrada no município mediante vacinação contra o COVID-19 e recebimento de orientações quanto à sua prevenção. Além disso, a inclusão da população estrangeira na campanha de imunização tornou-se fundamental, uma vez que, a não inclusão desta poderia significar avanço do vírus causador do COVID-19 em Benjamin Constant, bem como, aumento no número de casos de novas variantes da doença e de mortes, trazendo maiores impactos aos ribeirinhos devido sua condição de vulnerabilidade social, econômica e de saúde. Este pensamento avançou sobre as comunidades ribeirinhas do município evidenciando a estratégia DRIVE TRHU ribeirinho, esta antecipou-se ao cotidiana, costumes e modos de vida do ribeirinho de Benjamin Constant e consistiu em criar pontos móveis de vacinação fluvial nos arredores das comunidades através de lanchas “voadeiras” equipadas com motor 40 hp para que os ribeirinhos em deslocamento pelos rios, igarapés, lagos e furos em cumprimento com suas tarefas diárias de subsistência pudessem acessar a vacina contra o COVID-19, enquanto outras equipes avançavam na vacinação em sua comunidade e nas demais. Esta estratégia foi fundamental para que se atingisse esse público alvo e avançasse na cobertura vacinal.

Foi preciso muito esforço para que estas doses de esperança chegassem à pontos tão extremos como Benjamin Constant. Apesar dos desafios que as condições locoregionais e da vida social do ribeirinho impõem ao município, além do fato deste estar localizado em faixa de fronteira onde o tráfego de estrangeiros é constante, este tornou-se referência em imunização contra a COVID-19 quando a estratégia drive-trhu ribeirinho representou importante ferramenta de acesso à imunização das populações que vivem no território liquido no Amazonas. Vencemos a batalha da vacinação contra a COVID-19, resultando em dezembro de 2021, segundo dados do vacinômetro FVS – Amazonas (fvs.am.gov.br), na imunização de 52% da população com a primeira dose e 83,2% com a segunda dose, representando uma cobertura vacinal de 45% para o esquema vacinal completo contra o COVID-19. E as estratégias utilizadas para o alcance da cobertura vacinal, resultaram em 959 estrangeiros com esquema vacinal primário completo com a estratégia da barreira vacinal na fronteira com o país vizinho, o que corresponde a 85% dos estrangeiros em trânsito no município, e com a estratégia Drive-Thru ribeirinho imunizou 457 pessoas com duas doses do imunizante contra a Covid-19 entre fevereiro e dezembro de 2021, correspondendo à 36% da população ribeirinha a ser imunizada (dados APS, SEMSA/BC), no período de Fevereiro a Dezembro do ano de 2021. Por fim, tudo foi fruto de planejamento e execução das estratégias com muita responsabilidade e compromisso. Costumo dizer que desafios são destinados àqueles que se sabe que se pode cumpri-los, e com Benjamin Constant não foi diferente, os desafios são imensos e constantes, como o demostrado em todo o texto, mais tenho certeza que com o trabalho árduo dessa equipe de saúde comprometida que este município possui, iremos vencer todas os desafios que surgirem.

Principal

SANDY HELENA SILVA GRAÇA

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Gestar saudável – de 0 a 1000 dias
Paraíba
Práticas
Mapa territorial em saúde mental: instrumento exitoso do cuidado na atenção primária à saúde
Paraíba
Práticas
Implementação da estratégia Tenda da Imunização para aumento de coberturas vacinais
Todos os Estados (Nordeste), Paraíba
Práticas
Estratégias de imunização em município do interior da Paraíba resulta em 1º lugar no estado durante campanha de influenza 2024 : relato de experiência
Paraíba
Práticas
Mindfulness, uma estratégia para redução da ansiedade e manejo de peso
Rio Grande do Sul
Práticas
Teste: verificando o recurso de emissão de certificados
Todos os Estados (Sudeste)
Práticas
A importância do trabalho em rede para a efetivação da reinserção social aos dependentes químicos enquanto sujeitos de direitos: observações acerca do eixo reinserção social no Centro de Acolhimento e Atenção Integral Sobre Drogas do município de Cachoeiro de Itapemirim (ES)
Espírito Santo