Olá,

Visitante

O processo de implantação de um programa de gestão transparente, do tempo médio resposta, de um SAMU 192 no interior do Estado do RJ: uma missão desafiadora.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) tem como objetivo chegar
precocemente à vítima após ter ocorrido alguma situação de urgência ou emergência que possa levar a
sofrimento, a sequelas ou mesmo à morte. São urgências situações de natureza clínica, cirúrgica,
traumática, obstétrica, pediátrica, psiquiátrica, entre outras. O atendimento começa a partir do chamado
telefônico 192, atendimento inicial pelos técnicos de regulação médica (TARM) que coletam as primeiras informações
sobre as vítimas e sua localização, em seguida as chamadas são remetidas ao Médico Regulador iniciando
as orientações sobre o socorro às vítimas e aciona a ambulância quando necessário. Um dos principais
indicadores qualitativos do serviço do APH é o tempo médio resposta (início do chamado até a chegada
na ocorrência). A importância se dá pela possibilidade desse agravo causar sofrimento, levar a sequelas
ou até mesmo à morte, independentemente da natureza causadora. Atualmente, não existe um cadastro
nacional para checar os indicadores do SAMU 192 das diferentes cidades e regiões do País. A gestão
transparente se caracteriza pela troca e compartilhamento de informações por parte dos tomadores de
decisão com todos os demais níveis hierárquicos da organização. Tornar-se um serviço transparente pode
até ser uma missão desafiadora, no entanto implementar a transparência na gestão, pode trazer alguns
benefícios, como nortear a melhoria de resultados, aumentar a confiança por parte dos colaboradores,
usuários, gestores municipais e todos os envolvidos no processo. O objetivo do trabalho foi analisar retrospectivamente o tempo-resposta de uma SAMU no interior do estado do RJ, no período de janeiro de 2022 a dezembro de 2023, avaliar a taxa de satisfação do usuário e o processo evolutivo que culminou com o início da divulgação dos resultados do
serviço pelo site institucional a partir de Janeiro de 2024. As informações têm como base o banco de dados do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paraíba – CISMEPA, do Rio de Janeiro, com sede no município de Volta Redonda – RJ. O serviço é responsável pela cobertura territorial de 12 municípios da região, totalizando uma população de quase de 1milhão de pessoas. Descrever as ações implementadas que contribuíram para a queda do tempo médio
resposta do serviço. Trata-se de um estudo descritivo de caráter transversal e retrospectivo. Utilizou-se o banco de dados do sistema Sys4web, do SAMU do Médio Paraíba-RJ, analisando se quase 119mil ligações (aproximadamente 50mil ocorrências) em 2022 e 157 mil ligações (aprox. 51mil ocorrências) em 2023. Considerado todas as fichas eletrônicas das ocorrências de USAs e das USBs, a identificação de cada tempo desde o início da ligação, recepção do
chamado pelo TARM, regulação do Médico Regulador (MR), despacho da Viatura (VTR) pelo Rádio Operador (RO) e deslocamento da VTR até a chegada na ocorrência.

Atualmente, não existe um cadastro nacional para checar os indicadores do SAMU 192 das diferentes cidades e regiões do País. A maioria dos serviços não divulga de forma transparente o resultado de seus tempo resposta (início da ligação até a chegada na ocorrência). A maior transparência de dados, poderá gerar uma ampliação de investimento dos gestores em serviços que atendem melhor a população, com isso teremos uma disputa pela busca contínua de melhores resultados (aumentar a satisfação do usuário).

Identificado uma queda de quase 30% do tempo de saída de VTR até a chegada na ocorrência de 17:24 (jan/22) para 11:57 (dez/23), queda do tempo gasto dentro da central de regulação de quase 60% (26:40 Jan/22 vesus 10:35 em dez/23). Dentro da central de regulação identificou-se um maior controle de envio de VTR pelo MR – taxa de não intervenção (18% em JAN/22 versus 28% em dez/23), através de indicadores individuais dentro da central de regulação. Realizou-se visitas periódicas a todas as bases descentralizadas (12 municípios), a criação de um ranking de competição premiando os melhores resultados, núcleo de educação permanente itinerante, descentralização de tempos respostas, com divulgações diárias entre as equipes. Observa-se uma queda do tempo resposta de quase 50% de Jan/2022 a dez/23, chegando a quase 23 minutos. Chegou-se a uma taxa de satisfação do usuário de 94% muito satisfeitos, 5% satisfeitos, 1% insatisfeito.

Observa-se em todo o país um crescimento contínuo de demanda no serviço de saúde à
população, que muitas das vezes tem seus recursos limitados (principalmente no SUS). Nota-se
necessário a otimização de processos e recursos visando a melhoria do serviço à população, e
nesse contexto a gestão de pessoas, a criação de premiações de incentivo, a transparência de dados
e indicadores com metas objetivas tem-se demonstrado eficazes no avanço de resultados com
consequente aumento da taxa de satisfação do usuário do SAMU 192 (94% de muito satisfeito – dez/23).
Observa-se uma queda do tempo resposta de quase 50% de Jan/2022 a dez/23, chegando a
quase 23 minutos. Tornar-se um serviço transparente pode até ser uma missão desafiadora, no entanto
implementar a transparência na gestão, pode trazer alguns benefícios, como nortear a melhoria de
resultados, aumentar a confiança por parte dos colaboradores, usuários, gestores municipais e todos os
envolvidos no processo. A partir de Jan/24, o SAMU do Médio Paraíba-RJ (Volta Redonda) se tornou o primeiro serviço do
Estado do RJ, a divulgar seus tempos respostas pelo site institucional, ação essa que irá estimular mais serviços a serem mais transparente e quem sabe um dia ter um ranking nacional de tempo resposta.

Principal

PAULO SERGÍO MENDES DE LIMA

limapaulorj@yahoo.com.br

Diretor Técnico médico

Coautores

Ednardo Barbosa Oliveira - Presidente do CISMEPA Rodrigo Lages DIas - Secretário Executivo do CISMEPA Maria Conceição de Souza Rocha - Presidente da Assembléia de Gestores Maria Augusta Martins Ferreira - Vice Presidente da Assembléia de Gestores Diogo Balieiro Diniz - Vice Presidente da Assembléia Geral

A prática foi aplicada em

Volta Redonda

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Rua 22, 349 – Jardim Vila Rica – Tiradentes Volta Redonda/RJ CEP 27259-240

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Paulo Sérgio Mendes de Lima

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

19 mar 2024

e atualizada em

19 mar 2024

Início da Execução

01/01/2022

Fim da Execução

31/12/2023

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Gestão de saúde de Cabedelo na implantação da nova lei de licitações: desafios e conquistas
Paraíba
Práticas
Processo de elaboração do Plano Municipal de Saúde 2022-2025- relato de experiência.
Paraíba
Práticas
INFORMATIZAÇÃO DA REGULAÇÃO MUNICIPAL COM A ATENÇÃO PRIMÁRIA COMO COORDENADORA DO CUIDADO
Rio de Janeiro
Práticas
A importância da implantação de sistema de regulação de exames no Município de mendes.
Rio de Janeiro
Práticas
Ideação suicida e tentativas de suicídio: uma análise de casos do SAMU 192 no interior do estado do RJ.
Rio de Janeiro
Práticas
Samuzinho: Educação em saúde e primeiro socorros na escola para a promoção do SAMU 192.
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação do programa de gestão transparente do tempo resposta no SAMU 192: uma missão desafiadora
Rio de Janeiro
Práticas
Verde, amarelo e vermelho: protocolo de classificação das consultas por grau de prioridade no Centro Especializado de Saúde de Quissamã (RJ)
Rio de Janeiro