Olá,

Visitante

O novo “habitar” das residências terapêuticas de Rio Bonito

A Residência Terapêutica é um dispositivo da Política de Saúde Mental, instituída a partir da Lei de Reforma Psiquiátrica, nº 10.216/01, que redirecionou o modelo assistencial à pessoa com sofrimento psíquico, substituindo o hospital psiquiátrico por serviços de base comunitária e territorial.
As RTs no município de Rio Bonito, foram inauguradas em 2011, período em que o Hospital Colônia de Rio Bonito estava em pleno processo de desinstitucionalização e fechamento. As residências foram criadas para acolher as pessoas que não tinham mais condições de retornar à convivência familiar. Esses pacientes viveram muitas décadas internados e isso causou perda dos laços sociais e familiares. Sendo assim, implantou-se três casas: tendo uma do tipo I, com 9 moradores, que apresentam mais autonomia; duas do tipo II, com residentes que possuem perfis de quadros clínicos mais complexos e com necessidade de suporte de enfermagem. Atualmente, temos 26 moradores.
Este trabalho visa apresentar e consolidar o modelo de atenção voltado para a inserção das pessoas com sofrimento psíquico na comunidade do município de Rio Bonito.
Pautados na Lei de Reforma Psiquiátrica nº 10.216/01 e Portaria nº 3090/2011, a Secretaria Municipal de Saúde iniciou as modificações nas configurações das RTs, a partir de investimentos em equipe qualificada e especializada no trabalho em saúde mental; modificação nas estruturas das Casas, com investimentos em reformas estruturais, decoração, compra de móveis, utensílios domésticos, cama, mesa e banho, visando transformar de fato em uma casa familiar, com estrutura que possibilita um processo de autonomia e convívio entre os usuários.
As Residências Terapêuticas têm o conceito de lar. Os profissionais possuem o desafio diário, por meio do trabalho de estimulação para atividades do cotidiano: como o autocuidado, tarefas domésticas e pela frequência no tratamento de saúde do seu território, através da Unidade Básica de Saúde e do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), além das mais variadas formas de movimentação na comunidade onde vivem.
Os cuidadores são capacitados com o intuito de identificar as aptidões dos usuários para distribuir e ensinar as tarefas domésticas, organizar as atividades de lazer e oficinas, a fim de exercitar a autonomia e promover o auto conhecimento.
Essa estratégia quebra o estigma sobre saúde mental e traz os usuários como atores do próprio cuidado e em evidência na sociedade, com representatividade em desfiles públicos, eventos solenes, datas comemorativas, entre outros, e assim, promovendo a inclusão social.
OBJETIVO GERAL:
• Resgatar e preservar a autonomia, ressaltando sempre a característica de uma moradia e não de um espaço terapêutico.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
• Propiciar a interação entre os usuários e inserção social.
• Facilitar a circulação do usuário na comunidade e a busca pelos seus direitos de cidadania, cultura, lazer.
• Resgatar o vínculo familiar.

Com o início da nova gestão municipal, no ano de 2021, verificou-se a necessidade de reestruturar o Programa das RTs, uma vez que, os usuários ainda apresentavam dificuldades de reabilitação psicossocial. Diante disto, as equipes de Saúde Mental desenvolveram ações visando o processo de reinserção social, no contexto de moradia e cidadania.

• Desde de 2021, não existe reincidências de internações por surto psicótico.
• Devido a institucionalização, que ainda carregam em si, a maioria dos usuários se privavam do contato social. Atualmente, a partir da implementação das ações terapêuticas propostas, os moradores estão ocupando os vários espaços urbanos com excelente desenvolvimento;
• Inauguração do espaço de convivência entre a RT I e RT III;
• Inserção dos moradores no mercado de trabalho;
• Restabelecimento de passeios terapêuticos;
• Estabelecimento de datas comemorativas, assim como comemoração do aniversário dos residentes;
• Incentivo a atividade física através de caminhadas diárias e outros exercícios físicos em parceria com a Secretaria Municipal de Esporte;
• Aquisição de animais domésticos para estimular desenvolvimento do afeto;
• Intercâmbio com municípios vizinhos (Silva Jardim, Saquarema, Maricá, Itaboraí, São Gonçalo e Tanguá) proporcionando reencontros dos que viveram muitos anos juntos no período da internação.
• No ano de 2023, foram realizados 99 atendimentos odontológicos, 88 consultas médicas e 21 requerimentos/ atendimentos no INSS.
• Tendo em vista a rotina alimentar das instalações psiquiátricas, muitos perderam diversos hábitos educativos alimentares, dentre eles, busca voraz por alimentos. A partir de 2021, as RTs de Rio Bonito romperam com a forma primitiva e promoveram mesa posta em todas as refeições, disponibilizando os refratários e auxiliando cada usuário a se servir.
Verificamos que, com o cumprimento da proposta de reordenar o dispositivo Residência Terapêutica, pautados na Lei de Reforma Psiquiátrica nº 10.216/01 e a Portaria nº 3090/2011, o município tem encontrado êxito na promoção da cidadania e cuidado humanizado aos portadores de sofrimento psíquico, ficando evidente a importância do novo olhar para assistência psiquiátrica no Brasil.
Consideramos de grande impacto na vida do morador, a reabilitação psicossocial como mecanismo de estabilidade emocional, o que tem se mostrado substitutiva a internação, visto que não temos registros de surtos psicóticos e necessidade de internação, desde o início das práticas apresentadas.
Os resultados alcançados tem sido reconhecido regionalmente, gerando intercâmbio entre os saberes, por meio de visitas técnicas realizadas nas RTs de Rio Bonito e capacitações nos municípios vizinhos, por parte da equipe multidisciplinar de Saúde Mental.

Recomendamos trabalhar a autonomia do usuário a fim de fortalecer o auto cuidado e reinserção social, ressalvando sempre a característica de uma moradia e não de um espaço terapêutico. Desenvolvendo assim, ações de pertencimento e protagonismo. Além disso, atuar diariamente no combate a institucionalização, que foi brutalmente instituída sobre usuários.

Principal

Juliana Marina de Campos

juliana_marinacampos@hotmail.com

Coordenadora das Residências Terapêuticas

Coautores

Juliana Marina de Campos; Erika Grugel Lima; Fernanda Fonseca Coutinho Gross; Yasmin Vieira Helayel Tavares

A prática foi aplicada em

Rio Bonito

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Centro Administrativo (Rodovia BR 101, Km 266, na Praça Cruzeiro)

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Juliana Marina de Campos

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

01 abr 2024

e atualizada em

01 abr 2024

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
A importância do trabalho em rede para a efetivação da reinserção social aos dependentes químicos enquanto sujeitos de direitos: observações acerca do eixo reinserção social no Centro de Acolhimento e Atenção Integral Sobre Drogas do município de Cachoeiro de Itapemirim (ES)
Espírito Santo
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Explorando as possibilidades: atividade aquática no tratamento de TEA no município de Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Inovação do cuidado em saúde mental no município de São José do Sabugi-PB a partir da prática.
Paraíba
Práticas
Em boas mãos: valorização dos profissionais de saúde e os impactos na proatividade em Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Protocolo de passagem de plantão no serviço residencial terapêutico: um relato de experiência
Paraíba
Práticas
Ressignificando vidas através das artes manuais: uma vivência do CAPS I Umbuzeiro-PB
Paraíba