Olá,

Visitante

O Monitoramento como Estratégia para a Melhoria Dos Indicadores

A utilização do cruzamento dos dados dos sistemas MATRIXNET, SINASC, EGESTOR, ESUSFEDEBACK como estratégia para monitoramento das crianças aptas para tomarem vacinas no município de Junco do Seridó é uma medida adotada desde setembro de 2022, e refletiu no alcance de 100% dos indicadores do Previne Brasil no terceiro quadrimestre de 2022, na avaliação do indicador cinco (Proporção de criancas de um ano vacinadas com pólio e penta). Este monitoramento também é realizado para as demais vacinas que compõem o calendário básico de vacinação, contribuindo assim para a melhoria da cobertura vacinal no território e oferecer à população adscrita ações de prevenção de doenças e promoção da saúde. Mesmo com dados divergentes sobre a população do município e com sistemas que não se interligam, a adoção dessa estratégia de monitoramento está refletindo na melhoria dos indicadores de imunização, outras estratégias adotadas são: formação continuada dos profissionais, parcerias intersetoriais, ações extramuros, aquisição de equipamentos e planejamento mensal.

o problema principal é o número da população estimada pelo Ministério da Saúde não ser condizente com a real do município, a hesitação vacinal que provoca o atraso das doses das crianças também é um desafio que enfrentamos, assim como a atualização dos cadastros da população pelos ACS.

1-Monitoramento semanal através do sistema EGESTOR e do aplicativo ESUSFEDEBACK das crianças aptas para tomarem as vacinas Polio e Penta que são indicadores do Previne Brasil. 2-Monitoramento semanal através do sistema MATRIX NET (teste do pezinho) das crianças que realizaram o teste e irão consequentemente tomar vacinas. 3-Monitoramento mensal dos nascidos vivos pelo sistema SINASC para elencar as crianças que terão que tomar vacinas no município. 4-Entrega de relatório semanal com nome das crianças aptas a tomarem vacina aos ACS para realizarem busca ativa. 5-Entrega de relatório semanal com nome das crianças aptas a tomarem vacinas às técnicas das salas de vacinas. 6-Entrega de relatório mensal às enfermeiras das Estratégias de saúde da família para monitoramento das crianças aptas a tomarem vacina. 7-Cruzamento dos dados dos sistemas apontados para a coordenação de imunização realizar o monitoramento semanal e mensal das crianças aptas para vacinação. 8-Integração das Secretárias de Saúde, Assistência Social e Educação por meio da plataforma Busca Ativa Vacinal como estratégia para a conquista do selo UNICEF. 9-Capacitação sobre como analisar o cartão de vacina para os ACS/ACE e outros que participam de dia D de vacina no município tendo em vista o grande fluxo de usuários em dias de campanha. 10-Utilização de espaços de dialógos em diversos setores do município para apresentação dos benefícios da vacinação, com o objetivo de combater fake news e a hesitação vacinal, como por exemplo em dia de planejamento pedagógico escolar, encontro de grupos de idosos, atualizações de cadastros nos serviços da assistência social, por exemplo matricula no SCFV.(serviço de convivência e fortalecimento de víncúlos) 11-Utilização de critério (vacina em dia) para acompanhamento nas vigências do programa Bolsa Família na saúde. 12-Oferta de vacinação no mutirão de acompanhamento das vigências do Bolsa Família na saúde na zona urbana e rural do município. 13- Em dia de campanha (DIA D), utilização de ambientes decorado de acordo com a cor e tema do mês do calendário da saúde, por exemplo março lilás, abril verde e oferta de café da manhã para usuários como política de humanização, distribuição de sacolinhas para crianças e pintura artistica. 14-Postagem de vídeos dos profissionais da saúde, da educação, do prefeito e vice-prefeito e outras autoridades convidando a população para participarem do dia D. 15-Educação continuada para ACS para qualificação dos cadastros dos usuários das suas microáreas. 16-Utilização da série de vídeos “Quem tem medo de vacinas” do conasemes como estratégia para redução da hesitação vacinal para as diversas entidades do município, como conselho tutelar, câmara municipal, secretaria de educação, da assistência social, de esportes, associações e representantes de igrejas, etc.

O cruzamento dos sistemas EGESTOR, MATRIXNET, ESUSFEDEBACK, SINASC, permite listar os nomes das crianças que devem receber doses de pólio e penta que são indicadores do programa Previne Brasil e também as que compõem o indicador do PQA-VS (PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE): Proporção de vacinas selecionadas que compõem o Calendário Nacional de Vacinação para crianças menores de 1 ano de idade (Pentavalente – 3ª dose, Poliomielite – 3ª dose, Pneumocócica 10 valente – 2ª dose) e para crianças de 1 ano de idade (tríplice viral – 1ª dose) – com coberturas vacinais de 95 %. A estratégia utilizada iniciou no terceiro quadrimestre de 2022, logo uma fragilidade é o pouco tempo de experiência, consideramos que essa estratégia tem muito potencial, pois abrange os diversos autores envolvidos no processo da imunização na idade certa, contribuindo assim para que a hesitação vacinal seja reduzida no município. Recomendamos como ação para fortalecimento da estratégia o agendamento da sexta-feira por ser o último dia útil da semana para este monitoramento ser realizado, e também porque os sistemas utilizados não são integrados e essa interoperabilidade ainda não é possível.Esta experiência integra ações de vigilância em saúde com atenção básica quando se faz o monitoramento que é uma ação de vigilância e é repassado para as equipes de saúde da familia, para os ACS realizarem busca ativa, encaminharem as crianças para as salas de vacina. A continuidade das estratégias terá impacto nas coberturas vacinais do município e na homogeneidade vacinal da região, sendo potanto aplicável em outros municípios e refletirar não somente no aumento dos indicadores de vacina, mas também na diminuição de doenças preveníveis ofertando saúde a população. Dados do painel de indicadores retirados do E-GESTOR (vacinas pólio e penta) Q32022 ESF I 100% ESF II 100% ESF III 100%

Principal

Maria luzia Silva nenen

Coautores

Arthur Araujo Gomes da Nobrega , Vania de Fátima Nóbrega, Eliete Araújo Dos Santos, Priscila Da Silva Mendes, Maria do Socorro de Oliveira

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Pré-natal psicológico: cuidado à saúde mental no ciclo gravídico-puerperal em Cajazeirinhas – PB
Paraíba
Práticas
Redes de prevenção: estratégias integrativas no combate às arboviroses no sertão da Paraíba
Paraíba
Práticas
Setembro amarelo: aporte da educação física na promoção da saúde mental e prevenção do suicídio
Paraíba
Práticas
Acolhimento e co-gestão do cuidado
Rio de Janeiro