Olá,

Visitante

O Lúdico e a Declaração de Vacinação ElevAM Coberturas Vacinais em Monte Castelo/Sc

Categoria não especificada

No contexto contemporâneo da vacinação, acerca das crenças que elevaram o debate sobre a vacina da COVID-19 e a negação pela sua aplicação se fez repensar em como trazer a comunidade para este ambiente. Garantir que as metas fossem alcançadas e fazer com que a prevenção de doenças e agravos à saúde ocorresse nos desafiou. Inicialmente pensou-se em investir em material lúdico como fantasias de personagens, coletes personalizados, brinquedos, música, balões, pirulitos, pipoca, adesivos, certificados de coragem e carro de som; Essas estratégias objetivaram prioritariamente que vacinas como a poliomielite, sarampo e rubéola, as quais fazem parte de campanhas anuais alcançassem o maior público possível. A solicitação da declaração de vacinação atualizada iniciou no segundo semestre onde todos os públicos que procurassem pelos serviços na Secretaria Municipal de Saúde de Monte Castelo (situações não emergenciais), Assistência Social (benefícios e auxílios), e Secretaria de Educação (matrículas e rematrículas) deveriam portar o documento. Parcerias entre a Vigilância em Saúde e Conselho Tutelar também promoveram a vinda de responsáveis e infantes as salas de vacinas. No decorrer de 2022 os espaços como o dia “D” (aos sábados) e avaliação das cadernetas em escolas da rede de ensino (Programa Saúde na Escola, PSE, aliado a campanha de multivacinação), através da aquisição dos materiais lúdicos, repercutiram nas redes sociais e garantiram ao município, certificado e medalha de “MUNICÍPIO AMIGO DA CRIANÇA”. Tal honraria foi concedida em reunião da Comissão Intergestores Regional (CIR), através da Regional de Saúde de Mafra/SC, em virtude de Monte Castelo ter alcançado, juntamente com outros dois municípios do Planalto Norte Catarinense a meta de 95% de crianças vacinadas contra a poliomielite. Esses índices também refletiram no pré-natal, onde gestantes não aplicavam as doses recomendadas no calendário vacinal, e após esta medida, para que seus exames fossem realizados, deveriam estar imunizadas. As coberturas vacinais no público adulto se elevaram, onde vacinas como, a Hepatite B, Dupla Adulto, Febre Amarela e Sarampo/Caxumba/Rubéola, deram um salto quando comparadas com dados anteriores à introdução do documento. O índice de cobertura vacinal infanto-juvenil também alcançou percentagem satisfatória com as aquisições artísticas. Com o passar do ano as campanhas mobilizaram as Unidades Básicas de Saúde (UBS) Central (localizada na área central da cidade, Rodeio Grande e Residência Fuck (localizada em área rural). Cada uma delas organizou sua equipe, incluindo Agentes Comunitários de Saúde e estagiários, que juntamente com a Vigilância Epidemiológica (V.E), organizaram os personagens, quitutes e todos os materiais necessários para os eventos. O carro de som contratado realizava a divulgação em todos os bairros do município, referenciando a presença dos personagens, tobogã, cama elástica, entrega de balões, pirulitos e adesivos, com música infantil que “agradava aos ouvidos”. No dia da aplicação do imunobiológico todos se mostravam animados e felizes em receber as crianças que se movimentavam no ritmo da música e pediam para participar dos brinquedos ou tirar fotos com um personagem. Estas estratégias melhoraram os indicadores e promoveram êxito a programas do governo, como Previne Brasil e Vigilância em Saúde.

Diante dos resultados adquiridos com as estratégias praticadas no ano de 2022, também vale mencionar as dificuldades apresentadas no decorrer do projeto das quais se destacam: • Receio dos Secretários Municipais de Saúde em se indispor com a população; • Falta de conhecimento legal a respeito da legislação sanitária, Estatuto da Criança e do Adolescente e do Estatuto do Idoso; • Inacessibilidade por parte das coordenações aos recursos financeiros destinados às ações de imunização; • Centralização do dinheiro público com vistas aos métodos curativos (média e alta complexidade) e não preventivos; • Motivar profissionais de saúde à métodos criativos e projetos inovadores; • Cientificar a comunidade da importância das vacinas de rotina na prevenção de doenças; • Convencer a população dos direitos e deveres nas questões de saúde, referenciando os programas governamentais e os indicadores exigidos para fins de financiamento (Previne Brasil, Vigilância em Saúde). • Aplicabilidade do projeto pelos setores parceiros como Secretaria de Educação, Assistência Social e Conselho Tutelar, sem que haja intervenção política e desigual. • Manter boa articulação com o setor de compras a fim de que todos os recursos estejam disponíveis no tempo previsto.

As estratégias elencadas para o fortalecimento em nosso município e que possibilitariam a melhoria das coberturas em todas as regiões do Brasil seriam: • Instituir a declaração de vacinação atualizada para serviços públicos de saúde municipais como agendamentos, exames, consultas eletivas, cirurgias eletivas, etc. • Instituir a declaração de vacinação atualizada nos serviços prestados pela assistência social como Bolsa Família, Centro de convivência, Auxílio moradia, entre outros; • Instituir a declaração de vacinação atualizada na rede pública e privada de ensino para fins de matrícula e rematrícula; • Aliar o Conselho Tutelar nas omissões dos responsáveis quando há recusa ou resistência à vacinação dos infantes. • Fiscalizar o uso dos recursos através dos governos Estadual e Federal quando os repasses forem destinados a vacinação; • Instituir premiações aos municípios que tenham melhorias das coberturas e das ações em vacinação; • Promover a divulgação de matérias sobre a história da vacinação no Brasil e no Mundo e a mudança do panorama das doenças; • Ampliar as vacinas no Previne Brasil e outros programas federais;

Conclui-se que as estratégias utilizadas no município de Monte Castelo abrem espaço para discussões da real necessidade de inovar os ambientes que dispõem de vacinação e centrar o usuário do SUS na cientificação dos deveres e obrigações com a sua saúde e da população onde está inserido. O espaço lúdico em Unidades Básicas de Saúde (UBS) e ambiente escolar em campanhas e rotinas de vacinação possibilita o alcance de metas, garantem ambiente acolhedor e promovem a motivação na equipe, principalmente nas atividades de finais de semana, onde o dia “D” exige a participação contínua, sem intervalo para almoço. A conquista de porcentagens preconizadas pelo Ministério da Saúde através do esforço de cada membro da equipe eleva o município e garantem divulgações em mídias locais, proporcionando destaque às equipes, em especial, aos vacinadores. Vale mencionar, que o gestor de saúde também deve estar engajado nos propósitos das atividades, pois é através deles que as permissões de recursos públicos proveniente de portarias específicas são autorizadas, garantindo a aquisição de materiais, insumos e serviços. A escolha de materiais com longa durabilidade possibilitará a sua utilização nos anos seguintes e provavelmente garantirá que alcançaremos êxito em outras campanhas de vacinação. No ano de 2022 o público infanto-juvenil sorriu e a prevenção de doenças se fez em nosso município. As parcerias firmadas entre diferentes setores públicos promoveu atualização das vacinas de rotina, possibilitando melhorias das coberturas vacinais e dos indicadores (tabela 1). Apesar de o DATASUS ainda não contar com todas as coberturas em seus relatórios do ano de 2022, algumas delas foram possíveis e garantiram índices de aplicação 100% a mais que no ano de 2021. Quando analisadas as produções das salas de vacinas antes da solicitação do documento e após sua implantação os dados alcançados chegaram próximo a 300% de aumento no primeiro mês (tabela 2). A repercussão da “exigência” do documento, fez com que os munícipes procurassem pelas salas de vacinas e atualizassem os esquemas vacinais, que na grande maioria encontravam-se incompletos ou sem o reforço necessário. Fato também observado entre as gestantes cujo imunizante necessário na vigésima semana de gravidez (tabela 3) também apresentava cobertura insatisfatória. Aqueles que se mostravam resistentes à medida anunciada eram informados das portarias, leis e das obrigações que o município teria com as produções exigidas pelo Ministério da Saúde. Ou seja, o poder de convencimento e de sua importância partia de cada equipe e setor. Assim, com a implantação de um único documento foi possível captar o maior número de faltosos em salas de vacinação e garantir a prevenção de doenças na comunidade. Contudo ainda mostra-se desafiante promover a cultura pró-vacinação em tempos de Fake News e onde encontramos grupos de trabalhadores da saúde incentivando o contrário, talvez este sim, seja o maior desafio dos três níveis de governo. TABELA 1 (arquivos anexos em PDF) DADOS DO SIPNI-WEB EM 24/05/2023, 09:10H. TABELA 2 (arquivos anexos PDF) DADOS ESUS 2022. TABELA 3 (arquivos anexos PDF) DADOS DO SIPNI-WEB EM 24/05/2023, 09:10H.

Principal

Djana Paula Matioski Hoepers

Coautores

Gilvani Carneiro, Marilete Andrade, Neusa Correa, Alessandra Regina Grein, Heverton C França, Taise Frederico

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
As PICS como ferramenta potencializadora no cuidado a saúde do trabalhador
Paraíba