Olá,

Visitante

O Grupo de Trabalho Intersetorial Municipal (Gtim) Como Disparador de Políticas Intersetoriais para o Programa Saúde na Escola

A portaria interministerial nº 1050 de 25/07/2017 aponta para a articulação entre as secretarias de Educação e Saúde para a execução do Programa Saúde na Escola (PSE), entretanto segundo a realidade local de grande vulnerabilidade social, incluímos a Secretaria Municipal de Assistência Social no desenvolvimento do PSE, na perspectiva de formar uma rede de acesso e cuidado ainda mais resolutiva para os alunos da rede municipal. A composição do Grupo de Trabalho Intersetorial Municipal (GTIM) foi um dispositivo encontrado para desenhar essa nova articulação que se formava com o objetivo de desenvolver as ações intersetoriais do Programa Saúde na Escola (PSE) no território, incentivando o Apoio Matricial na atenção às crianças e adolescentes da rede educacional do município.No primeiro momento foi levantado os alunos que não tinham Cartão SUS. Esse documento passou a ser obrigatório para a realização da matrícula nas escolas. Em seguida foi feita a leitura dos territórios de atuação a partir dos diversos olhares de cada setor, buscando a convergência desses, para a pactuação de ações comuns que foram julgadas prioritárias. Na oficina de formação dos facilitadores do PSE foi desenvolvido o planejamento intersetorial para cada território, com assinatura do termo de compromisso de cada membro da equipe.

Como fomentar o trabalho intersetorial para que ele seja efetivo nas ações do PSE através do Grupo de trabalho Intersetorial Municipal (GTIM)?

Nossa recomendação gira entorno de fóruns de avaliação e exposição de experiências exitosas para estreitarmos os vínculos entre os profissionais dos territórios adjacentes, para trocarmos experiências e refletimos sobre novas estratégias de ação.Também recomendamos a criação de um colegiado gestor do PSE para cada território com a participação de representantes da gestão da saúde, educação, representante do CRAS, da direção das escolas, do corpo docente e do corpo discente, permitindo maior espaço de escuta e ação para os alunos que são o público-alvo da estratégia do programa saúde na escola.

Principal

Gilson Luiz de Andrade E Camilla Maia Franco

goncalvesmonicav@gmail.com

A prática foi aplicada em

Maricá

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Av. Roberto da Silveira, 46/3° andar - Centro

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Gilson Luiz de Andrade e Camilla Maia Franco

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Educação Permanente Como Política Adotada para Melhorar o Processo de Trabalho
Rio de Janeiro
Práticas
Tudo Lindo: Construindo Histórias a Partir da Leitura de Mundos
Rio de Janeiro
Práticas
Roda de Conversa e Vivência no Serviço de Saúde.
Rio de Janeiro
Práticas
Comunicação Virtual por Meio do Projeto “Dicas Samu DF”
Distrito Federal
Práticas
Cantina Terapêutica
Distrito Federal
Práticas
Capacitação de Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate Às Endemias em Desastres
Rio de Janeiro
Práticas
Permitas – Educação Permanente na Melhoria dos Indicadores na Transformação de Angra na Saúde
Rio de Janeiro
Práticas
Educação Permanente em Saúde no Fortalecimento do SUS: Um Relato de Experiência do Município de Itaperuna/Rj, Brasil
Rio de Janeiro
Práticas
Educação Permanente em Pé Diabético: Reestruturação de Um Programa com Vistas ao Atendimento Integral dos Usuários
Ceará
Práticas
A Inserção da Educação Popular no Cotidiano de Trabalho dos Profissionais de Saúde no Município de Maracanaú-Ce
Ceará