Olá,

Visitante

O Grupo de Trabalho Intersetorial Municipal (Gtim) Como Disparador de Políticas Intersetoriais para o Programa Saúde na Escola

A portaria interministerial nº 1050 de 25/07/2017 aponta para a articulação entre as secretarias de Educação e Saúde para a execução do Programa Saúde na Escola (PSE), entretanto segundo a realidade local de grande vulnerabilidade social, incluímos a Secretaria Municipal de Assistência Social no desenvolvimento do PSE, na perspectiva de formar uma rede de acesso e cuidado ainda mais resolutiva para os alunos da rede municipal. A composição do Grupo de Trabalho Intersetorial Municipal (GTIM) foi um dispositivo encontrado para desenhar essa nova articulação que se formava com o objetivo de desenvolver as ações intersetoriais do Programa Saúde na Escola (PSE) no território, incentivando o Apoio Matricial na atenção às crianças e adolescentes da rede educacional do município.No primeiro momento foi levantado os alunos que não tinham Cartão SUS. Esse documento passou a ser obrigatório para a realização da matrícula nas escolas. Em seguida foi feita a leitura dos territórios de atuação a partir dos diversos olhares de cada setor, buscando a convergência desses, para a pactuação de ações comuns que foram julgadas prioritárias. Na oficina de formação dos facilitadores do PSE foi desenvolvido o planejamento intersetorial para cada território, com assinatura do termo de compromisso de cada membro da equipe.

Como fomentar o trabalho intersetorial para que ele seja efetivo nas ações do PSE através do Grupo de trabalho Intersetorial Municipal (GTIM)?

Nossa recomendação gira entorno de fóruns de avaliação e exposição de experiências exitosas para estreitarmos os vínculos entre os profissionais dos territórios adjacentes, para trocarmos experiências e refletimos sobre novas estratégias de ação.Também recomendamos a criação de um colegiado gestor do PSE para cada território com a participação de representantes da gestão da saúde, educação, representante do CRAS, da direção das escolas, do corpo docente e do corpo discente, permitindo maior espaço de escuta e ação para os alunos que são o público-alvo da estratégia do programa saúde na escola.

Principal

Gilson Luiz de Andrade E Camilla Maia Franco

goncalvesmonicav@gmail.com

A prática foi aplicada em

Maricá

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Av. Roberto da Silveira, 46/3° andar - Centro

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Gilson Luiz de Andrade e Camilla Maia Franco

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
A Utilização do Teatro e da Poesia de Cordel Como Ferramenta de Educação em Saúde na População Rural de Pirpirituba-Pb Assistida pelo SUS
Paraíba
Práticas
Ações Estratégicas Como Consolidação das Politicas Públicas da Saúde do Trabalhador
Paraíba
Práticas
A Educação Permanente Como Eixo Norteador no Agir dos Trabalhadores da Secretaria Municipal de Saúde de Tefé-Am.
Goiás
Práticas
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente
Práticas
Educação Permanente na Rede de Atenção À Saúde Bucal
Rio de Janeiro
Práticas
A Importância da Educação em Saúde para Quebrar Barreiras no Atendimento odontológico a Gestantes
Rio de Janeiro
Práticas
Relato de Experiência na Implantação do Serviço de Auditoria em Saúde na Secretaria Municipal de Saúde do Município de Vassouras/Rj
Rio de Janeiro
Práticas
A População Como Ferramenta de Divulgação do Papel da Estratégia de Saúde da Família: Estreitando Vínculos Entre Gestores, Profissionais e Usuários do SUS
Rio de Janeiro
Práticas
Praticando Saúde em Diálogo com os Saberes e Culturas dos Teritórios
Rio de Janeiro
Práticas
A Educação Permanente em Saúde Como Ferramenta de Fortalecimento nas Práticas dos Profissionais da Rede de Atenção Básica no Município de São Gonçalo
Rio de Janeiro