Olá,

Visitante

O Direito À Saúde, Planejamento Familiar e Reprodução Humana Assistida: Um Debate Necessário

O presente estudo seguiu o método de abordagem dedutivo, no que diz respeito aos métodos de procedimento, conciliamos o método histórico e o método interpretativo, utilizando as técnicas de levantamento bibliográfico e jurisprudencial. (Descrição e discussão sucinta) A Resolução número 2013/2013 do Conselho Federal de Medicina dispõe, nos princípios gerais. As técnicas de reprodução assistida (RA) têm o papel de auxiliar a resolução dos problemas de reprodução humana, facilitando o processo de procriação, possibilitando a atuação do médico em outros casos além dos que havia impossibilidade de procriar em razão de patologias clínicas. Nesse sentido, a resolução número 2013/2013 já inicia afirmando que As técnicas de reprodução assistida (RA) têm o papel de auxiliar a resolução dos problemas de reprodução humana, facilitando o processo de procriação . Em seu art. 226, a CF/88 reconheceu a pluralidade das entidades familiares, bem como que o planejamento familiar é livre decisão do casal, competindo ao Estado propiciar recursos educacionais e científicos para o exercício desse direito, vedada qualquer forma coercitiva por parte de instituições oficiais ou privadas (art. 227). Ao mesmo tempo, a já citada lei número 9.263/96 reza que as instâncias gestoras do SUS obrigam-se a garantir, dentre outros tratamentos, assistência à concepção. A RHA aparece como instrumento de exercício do poder familiar quando as pessoas envolvidas apresentam problemas de filiação, mas há que se questionar se seria, de fato, viável que o tratamento seja custeado pelo SUS. Estaria o tratamento inserido como direito à filiação, bem como direito à saúde de forma plena, observando os princípios da integralidade, universalidade e equidade? (Resultados/conclusões) É necessário o debate sobre planejamento familiar e reprodução humana assistida no contexto do direito à saúde, respeitando a diversidade na formação das famílias e considerando os avanços tecnológicos que trazem novos desafios no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Tema de bastante relevância nos últimos anos tem sido as repercussões que surgem a partir dos procedimentos de procriação artificial. Todavia, ao mesmo tempo em que a tecnologia traz esperança a pessoas que outrora não poderiam ter filhos, traz questionamentos acerca dos procedimentos empregados e resultados obtidos. Na medida em que as técnicas avançam, as inquietudes sociais se multiplicam, sem que a produção legislativa seja capaz de conceder respostas em tempo hábil. (Justificativa) As preocupações teóricas que conformam o presente trabalho justificam-se, a priori, pela necessidade de se refletir sobre entidades familiares, planejamento familiar e a sua relação com a evolução das técnicas de reprodução humana assistida, considerada como tratamento médico, e analisar as consequências jurídicas e sociais correlatas, notadamente quando a Lei número 9.263/96 inclui a assistência à concepção como atividade básica de saúde. (Objetivo) Analisar as repercussões que o tratamento de reprodução assistida ensejam na constituição da entidade familiar no contexto do efetivo direito à saúde.

Principal

Ana Paula Correia de Albuquerque da Costa

A prática foi aplicada em

João Pessoa

Paraíba

Nordeste

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ana Paula Correia de Albuquerque da Costa

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Conselho itinerante:fortalecendo o controle social em Junco do Serido-PB
Paraíba
Práticas
Oficina de Culinária Afeto e Sabor
Paraíba
Práticas
Aproximando a Comunidade com a Gestão da Atenção Primária em Saúde
Rio de Janeiro
Práticas
Gestão Estratégica e Participativa no SUS: Implantando Novas Instâncias Deliberativas no Município Paulo Jacinto – Al
Alagoas
Práticas
Importância da Conferência Municipal de Saúde para o Fortalecimento da Participação da Comunidade na Defesa do SUS.
Paraíba
Práticas
Participação Popular na Estratégia Saúde da Família em Petrópolis-Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Roda de Conversa com As Famílias: Cuidando de Quem Cuida
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação de Colegiado Gestor nas Unidades de Saude da Família de Japeri-Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Controle Social e Saúde do Trabalhador: a Experiência Regional do Conselho Gestor do Cerest- Pólo Duque de Caxias – Rj
Rio de Janeiro
Práticas
A Experiência do 1º Curso de Capacitação para Conselheiros de Saúde e Membros das Comissões Intersetoriais de Saúde do Trabalhador (Cists) Sobre a Temática da Saúde do Trabalhador do Cerest- Pólo Duqu
Rio de Janeiro