Olá,

Visitante

Monitoramento Remoto: Garantindo a Vigilância em Saúde de Pacientes em Isolamento Domiciliar com Sars-Cov-2

Trata-se de um relato de experiência acerca da implementação e atuação do atendimento remoto no município de São José de Piranhas, no alto sertão paraibano por meio de uma equipe multiprofissional vinculada vigilância epidemiológica municipal para o acompanhamento dos pacientes diagnosticados com coronavírus e quadro clínico leve em isolamento domiciliar. Inicialmente o planto de contingência priorizou algumas estratégias: 1)Capacitação e contratação de profissionais

O enfrentamento da pandemia da COVID-19 pela SMS-São José de Piranhas-PB teve início em março de 2020. As notícias da existência de uma doença respiratória diagnosticada na China que atraía a atenção do mundo rapidamente chegaram ao Brasil e se interiorizou. O primeiro caso na Paraíba foi registrado em março de 2020, na capital do estado, imediatamente a preocupação levou a provisão de um plano de contingência municipal embasado pelas poucas informações científicas dos órgãos internacionais e nacional. Em abril de 2020, SJP-PB registrou o início da transmissão comunitária da COVID-19 e havia 04 casos confirmados. Considerando a publicação da Portaria nº 467, de 20 de março de 2020, do Ministério da Saúde, e pela Lei nº 13.989, de 15 de abril de 2020, ambas dispondo sobre o uso de telemedicina durante a crise causada pelo coronavírus (SARS-CoV-2), o uso do atendimento remoto para monitoramento dos pacientes em isolamento domiciliar foi inserido no plano contingencial do município na medida que o aumento da transmissão foi demandando o ajuste de estratégias para conter e acompanhar os pacientes infectados.

Utilizar-se de novas tecnologias (redes sociais, aplicativos de mensagem, telemedicina) que possibilitam o acompanhamento de situações de saúde via remota, aumentam as possibilidades de estar próximo aos usuários e suas necessidades em tempo real. Dessa forma, consegue-se programar estratégias de maneira mais oportuna, rápida e resolutivas. Usar-se da teleconsulta e monitoramento para acompanhar os casos de covid 19 através de uma equipe multiprofissional trouxe um desafio de logística, contudo os resultados foram satisfatórios por manter a vigilância dos casos e pacientes monitorados, trazendo segurança aos pacientes, uma vez, que a pandemia trouxe muitas perdas e angústias.

Principal

Neuma Cavalcanti de Figueiredo

neuma_cavalcanti@hotmail.com

A prática foi aplicada em

São José de Piranhas

Paraíba

Nordeste

Instituição

Rua Inacio Lira

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Teógenes de Oliveira

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
A Subnotificação Como Alvo de Intervenção no Ambulatório Municipal Manoel Loyola da Silva Júnior de Rio Bonito/ Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Um Surto, Um SUSto, uma Superação: Relato de Experiência Sobre o Surto da Gripe a (H1N1) em Pedra Branca – Ceará
Ceará
Práticas
Elimina Dengue: Intervenções e valorização do servidor em um município prioritário (Anchieta) no combate à dengue
Espírito Santo
Práticas
Ações Compartilhadas de Vigilância em Saúde: uma Estratégia de Integração Entre Vigilância e Atenção Primária
Mato Grosso do Sul
Práticas
Bota fora da dengue em primavera
São Paulo
Práticas
Usando uma Escala de Risco Familiar Baseada na Ficha A: Relato de Um Agente Comunitário de Saúde
Paraíba
Práticas
Processo de Informatização no Trabalho do Agente de Combate Às Endemias em Queimadas-Pb
Paraíba
Práticas
A Construção do Sistema de Monitoramento do Covid-19 Como Um Instrumento de Apoio a Gestão e Controle Social na Sms Petrópolis – Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Integralidade da Atenção À População em Situação de Rua de Niterói (Rj) na Pandemia de Covid: Prevenção de Surtos e Promoção do Cuidado
Rio de Janeiro
Práticas
Projeto Saúde em Foco
Rio de Janeiro