Olá,

Visitante

Monitoramento Remoto: Garantindo a Vigilância em Saúde de Pacientes em Isolamento Domiciliar com Sars-Cov-2

Trata-se de um relato de experiência acerca da implementação e atuação do atendimento remoto no município de São José de Piranhas, no alto sertão paraibano por meio de uma equipe multiprofissional vinculada vigilância epidemiológica municipal para o acompanhamento dos pacientes diagnosticados com coronavírus e quadro clínico leve em isolamento domiciliar. Inicialmente o planto de contingência priorizou algumas estratégias: 1)Capacitação e contratação de profissionais

O enfrentamento da pandemia da COVID-19 pela SMS-São José de Piranhas-PB teve início em março de 2020. As notícias da existência de uma doença respiratória diagnosticada na China que atraía a atenção do mundo rapidamente chegaram ao Brasil e se interiorizou. O primeiro caso na Paraíba foi registrado em março de 2020, na capital do estado, imediatamente a preocupação levou a provisão de um plano de contingência municipal embasado pelas poucas informações científicas dos órgãos internacionais e nacional. Em abril de 2020, SJP-PB registrou o início da transmissão comunitária da COVID-19 e havia 04 casos confirmados. Considerando a publicação da Portaria nº 467, de 20 de março de 2020, do Ministério da Saúde, e pela Lei nº 13.989, de 15 de abril de 2020, ambas dispondo sobre o uso de telemedicina durante a crise causada pelo coronavírus (SARS-CoV-2), o uso do atendimento remoto para monitoramento dos pacientes em isolamento domiciliar foi inserido no plano contingencial do município na medida que o aumento da transmissão foi demandando o ajuste de estratégias para conter e acompanhar os pacientes infectados.

Utilizar-se de novas tecnologias (redes sociais, aplicativos de mensagem, telemedicina) que possibilitam o acompanhamento de situações de saúde via remota, aumentam as possibilidades de estar próximo aos usuários e suas necessidades em tempo real. Dessa forma, consegue-se programar estratégias de maneira mais oportuna, rápida e resolutivas. Usar-se da teleconsulta e monitoramento para acompanhar os casos de covid 19 através de uma equipe multiprofissional trouxe um desafio de logística, contudo os resultados foram satisfatórios por manter a vigilância dos casos e pacientes monitorados, trazendo segurança aos pacientes, uma vez, que a pandemia trouxe muitas perdas e angústias.

Principal

Neuma Cavalcanti de Figueiredo

neuma_cavalcanti@hotmail.com

A prática foi aplicada em

São José de Piranhas

Paraíba

Nordeste

Instituição

Rua Inacio Lira

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Teógenes de Oliveira

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Implementação da Rede de Apoio Aos Pacientes com Infecção Congênita Associada ao Vírus Storch ou Zika no Município de São José de Ribamar – Ma.
Maranhão
Práticas
Ocorrência de Óbito por Causa Violenta em Menores de 12 Anos no Município de Itabaiana-Pb: a Importância da Integração da Vigilância em Saúde na Atenção Básica.
Paraíba
Práticas
Exame dos contatos intradomiciliares aos sábados no programa de controle de hanseníase no município de Rio Branco, Acre
Acre
Práticas
O uso de armadilhas (Ovitrampas) como ferramenta para monitoramento e controle populacional do Aedes Aegypti em Rio Branco, Acre
Acre
Práticas
Vigilância de Epizootias Visando À Prevenção da Febre Amarela no Município de Curitiba – Pr
Paraná
Práticas
Investigação Epidemiológica Pós-Óbito em Situações de Desastres: a Experiência de Nova Friburgo
Rio de Janeiro
Práticas
Parceria Entre Vigilância Epidemiológica e Vigilância Sanitária – Ações de Imunização
Minas Gerais
Práticas
Projeto Pantanal – Saúde em Ação
Mato Grosso do Sul