Olá,

Visitante

Implementação da odontologia nas Utis do Hospital Regional Darcy Vargas (Hrdv) da Cidade de Rio Bonito/Rj

A Implementação da odontologia iniciou-se em julho de 2020, na UTI Covid, através de um convite da coordenadoria de odontologia do município, que viu a necessidade de um especialista, devido ao grande número de paciente intubados, traqueostomizados, sob ventilação mecânica, afim de reduzir o número de PAV, tempo de internação, identificar e tratar lesões que acometiam o sistema maxilomandibular. As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) são um dos eventos adversos mais frequentes associados à assistência à saúde e um grave problema de saúde pública, pois aumentam a morbidade, a mortalidade e os custos a elas relacionados, além de afetar de forma negativa a segurança do paciente e a qualidade dos serviços de saúde (ANVISA, 2021). Foi identificado que o tempo de internação e morbidade dos pacientes era aumentada ao se negligenciar o tratamento das afecções da boca, já que cada vez mais estudos mostravam que a cavidade oral é órgão alvo do Vírus Sars Cov2 e o aparecimento de infecções oportunistas envolvendo o sistema estomatoginático ocorria com cada vez mais frequência.

Nas UTIs os pacientes têm dificuldade ou estão impossibilitados de realizarem as necessidades diárias de higiene e cuidados bucais. Essa rotina geralmente é realizada pela equipe de enfermagem, que por ser encarregada de diversas outras atividades e por não ter orientações adequadas, muitas vezes não conseguem realizar a higienização bucal, o que provoca o acúmulo de biofilme bacteriano sobre os dentes, língua e mucosas. Além disso, a condição de saúde bucal da maioria dos pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) ainda é precária e frequentemente esses pacientes apresentam condições pré-existentes a internação, como lesões de cárie, doenças gengivais, restos radiculares, que podem evoluir para quadros

A presença de equipes de cirurgiões dentistas em ambiente de internação de média e alta complexidade são de suma importância que seja aplicada de forma rotineira e permanente, deveria ser obrigatória. Hoje o serviço é executado por apenas uma dentista, o correto é que haja revezamento e constância, o serviço funciona como prestação terceirizada por uma visão vanguardista do Hospital, que não recebe a mais pelo serviço contratado. Recomendação é que seja sistematizado com no mínimo dois dentistas e dois ASBs, revezando e mantendo o serviço diariamente.

Principal

Caroline Mont Serrat Martinez Borges

carolmsmb@gmail.com

A prática foi aplicada em

Paraíba

Nordeste

Instituição

Rio Bonito

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Caroline Mont Serrat Martinez Borges

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
REGULAÇÃO EM URGÊNCIA CARDIOVASCULAR FRENTE A REDUÇÃO DA TAXA DE MORTALIDADE EM CAJAZEIRAS – PB
Paraíba
Práticas
Projeto Coração Forte: realização de exames de holter 24h (eletrocardiograma dinâmico), medição ambulatorial da pressão arterial em 24 (mapa 24h), eletrocardiograma de esforço (teste ergométrico), eletrocardiograma de repouso e ecocardiograma transtorácico no município de Belém do Brejo do Cruz, no Sertão da Paraíba.
Paraíba
Práticas
SOS CORAÇÃO
Rio de Janeiro
Práticas
Triagem Multidisciplinar de TEA em Petrópolis: uma parceria necessária e significativa.
Rio de Janeiro
Práticas
Assistência de média complexidade em município de pequeno porte: experiência de Mendes (RJ)
Rio de Janeiro
Práticas
Experiencia de Barra do Piraí no suporte as enfermidades cardiovasculares no leito de cuidados prolongados na rede de urgência e emergência do Médio Paraíba.
Rio de Janeiro
Práticas
O trabalho do assistente social no âmbito hospitalar: acolhimento e garantia de direitos.
Rio de Janeiro
Práticas
Indicadores de excelência do HMSJ em doação de órgãos para transplante
Santa Catarina
1 / 6123456