Olá,

Visitante

Implantação do programa de gestão transparente do tempo resposta no SAMU 192: uma missão desafiadora

O tempo-resposta é o principal indicador de um serviço de Atendimento Pré-Hospitalar Móvel (APH), sendo necessário estudos e métodos para a redução do tempo para o atendimento oportuno à população. A prática em pauta oportuniza a análise retrospectiva do tempo-resposta de uma SAMU no interior do estado do RJ, no período de janeiro de 2022 a dezembro de 2023, serviço responsável pela cobertura territorial de 12 municípios da região do Médio Paraíba/RJ, totalizando uma população de 922.318 habitantes; além de avaliar a taxa de satisfação do usuário e o processo evolutivo que culminou com o início da divulgação dos resultados do serviço pelo site institucional do CISMEPA a partir de janeiro de 2024, e descrever as ações implementadas que contribuíram para a queda do tempo médio resposta do serviço.

O SAMU 192 tem como objetivo chegar precocemente à vítima após ter ocorrido algum evento grave, que possa levar a sofrimento, a sequelas ou mesmo à morte. As urgências/emergências podem ser de natureza clínica, cirúrgica, traumática, obstétrica, pediátrica, psiquiátrica, entre outras. O atendimento começa a partir do chamado telefônico 192, quando os técnicos auxiliares de regulação médica (TARM) coletam as primeiras informações sobre as vítimas e sua localização; em seguida as chamadas são remetidas ao Médico Regulador, iniciando as orientações sobre o socorro às vítimas, com o acionamento da ambulância quando necessário. Um dos principais indicadores qualitativos do serviço do APH é o tempo médio resposta (início do chamado até a chegada na ocorrência), cuja importância se dá pela possibilidade da redução de sequelas ou de evitar o óbito. Atualmente, não existe um sistema oficial do governo para checar tais indicadores do SAMU 192 nas diferentes cidades e regiões do País. A gestão transparente através de um Consórcio Público de Saúde (CISMEPA) se caracteriza pela troca e compartilhamento de informações por parte dos tomadores de decisão, com todos os demais níveis hierárquicos da gestão. Tornar-se um serviço transparente é uma missão desafiadora e obrigatória, além do alcance de benefícios, tais quais: nortear a melhoria de resultados; sentimento de satisfação e dever cumprido dos colaboradores da ponta e do nível gestor; além da confiança dos usuários no serviço de saúde.

a) Equipes de Intervenção:
Visitas periódicas a todas as bases descentralizadas, a criação de um ranking de competição premiando os melhores resultados. Núcleo de educação permanente itinerante. Descentralização de tempo resposta, com divulgações diárias entre as equipes.
Identificação da queda de cerca de 30% do tempo de saída de VTR até a chegada na ocorrência: de 17:24 (jan/22) para 11:57 (dez/23); queda do tempo gasto dentro da central de regulação de cerca de 60%: 26:40 (Jan/22) para 10:35 (dez/23). Observa-se uma queda do tempo resposta de cerca de 50% de Jan/2022 a dez/23, chegando a 23 minutos aproximadamente.
b) Central de regulação:
Maior controle do envio das VTRs pelo MR através dos indicadores individuais da central de regulação: 18% em JAN/22 para 28% em dez/23.
O aumento da taxa de não intervenção foi inversamente proporcional ao tempo resposta do serviço.
c) Equipe de manutenção de frota: Manutenções das VTRs preventivas e corretivas periódicas.
d) Gestão administrativa: Identificação e notificação de não conformidades, controle do turnover e absenteísmo, maior critério nos processos de seleção.
e) CISMEPA: Qualificação de todas as Unidades de Suporte e da Central de Regulação com a ampliação dos recursos financeiros da Fonte Ministerial e Estadual. Gestão colegiada com o envolvimento dos técnicos e gestores dos 12 municípios consorciados.
Taxa de satisfação do usuário, dez/23: Realizadas 1.252 ligações: 94% muito satisfeitos, 5% satisfeito, 1% insatisfeito.

Observa-se em todo o país um crescimento contínuo da demanda de serviços públicos da saúde, que muitas das vezes tem suas ofertas limitadas. Faz-se necessário a otimização de processos e recursos visando a melhoria do serviço à população, e nesse contexto a gestão de pessoas, a criação de políticas de incentivo, a transparência de dados e indicadores com metas objetivas, tem-se demonstrado eficazes no avanço de resultados, com o consequente aumento da satisfação do usuário do SAMU 192: 94% de muito satisfeito em dez/23. Observa-se uma queda do tempo resposta de quase 50% de Jan/2022 a dez/23, chegando a quase 23 minutos. A partir de Jan/24, o SAMU do Médio Paraíba-RJ se tornou o primeiro serviço do Estado do RJ, a divulgar seus indicadores pelo site institucional: https://www.cismepa.org/cismepa-estatistica-samu-192-medio-paraiba-rj/. Assim, a gestão transparente com acesso irrestrito a todos os indicadores e informações do serviço, contribui para a melhoria dos resultados com o envolvimento de todos os seguimentos que envolvem o SAMU 192: gestores, profissionais de saúde e usuários.

Principal

Rodrigo Lages Dias

secretariaexecutiva@cismepa.org

Secretário Executivo

Coautores

Rodrigo Lages Dias Paulo Sérgio Mendes de Lima

A prática foi aplicada em

Volta Redonda

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Rua Vinte e Dois, n°349, Jardim Vila Rica/ Tiradentes, Volta Redonda/RJ

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Rodrigo Lages Dias

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

01 abr 2024

e atualizada em

01 abr 2024

Início da Execução

01/10/2022

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Gestão de saúde em Queimadas – PB: uso estratégico da informação no planejamento das ações
Paraíba
Práticas
Implantação e ampliação de Serviço Especializado em município do sertão da Paraíba
Paraíba
Práticas
Gestão de saúde de Cabedelo na implantação da nova lei de licitações: desafios e conquistas
Paraíba
Práticas
Processo de elaboração do Plano Municipal de Saúde 2022-2025- relato de experiência.
Paraíba
Práticas
INFORMATIZAÇÃO DA REGULAÇÃO MUNICIPAL COM A ATENÇÃO PRIMÁRIA COMO COORDENADORA DO CUIDADO
Rio de Janeiro
Práticas
A importância da implantação de sistema de regulação de exames no Município de mendes.
Rio de Janeiro
Práticas
Ideação suicida e tentativas de suicídio: uma análise de casos do SAMU 192 no interior do estado do RJ.
Rio de Janeiro