Olá,

Visitante

Implantação de Residência Terapêutica

Os Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT) são casas inseridas em espaços urbanos que fazem parte do componente das “Estratégias de Desinstitucionalização” da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Foram pensados para responder às necessidades de moradia de pessoas egressas de internações psiquiátricas de longa permanência ou de Hospitais de Custódia e que tiveram seus vínculos familiares e sociais rompidos e/ou fragilizados (BRASIL, 2004). O cuidado voltado aos moradores dos SRTs deve ser desenvolvido a partir da construção de Projetos Terapêuticos Singulares, levando, portanto, em consideração as necessidades de saúde de cada morador e sua realidade subjetiva (BRASIL, 2004). É papel do componente especializado em saúde mental desenvolver um plano de cuidados interdisciplinar para os moradores do SRT. Dessa forma, os SRTs deverão estar vinculados a um CAPS ou, na ausência deste, a um serviço ambulatorial necessariamente articulado a Atenção Primária em Saúde e aos demais componentes da RAPS (BRASIL, 2004). A proposta deste projeto de implantação de um SRT no município de Três Rios é dar continuidade ao processo de desinstitucionalização e reabilitação psicossocial de 26 usuários ainda vitimados por internação de longa permanência, buscando a reinserção destes na rede de serviços, organizações e relações sociais do território de moradia.

A Reforma Psiquiátrica brasileira corresponde a um processo que desabrocha a partir da segunda metade da década de 1970, fundada primordialmente na crítica ao subsistema nacional de saúde mental, no caráter privatista da política de saúde do país e na crítica estrutural ao saber e às instituições psiquiátricas clássicas (AMARANTE, 1995). O modelo psiquiátrico tradicional se fundamenta na racionalidade médica, construído historicamente a partir do século XVIII, e tem como objeto central de seu domínio e de sua intervenção a “doença mental”• Garantir direito à moradia aos usuários portadores de transtornos mentais egressos de internação psiquiátrica de longa permanência.

Recomendamos a desinstitucionalização , pois a experiência que temos é gratificante .Conviver com pacientes graves institucionalizados por muitos anos vivenciando a ressocialização a convivência diária em sociedade retomando vínculos familiares liberdade de ir e vir percebemos uma melhora gradativa tanto física mental e social de cada morador

Principal

Felícia Carneiro dos Anjos Adaud

mariseagostinho@gmail.com

A prática foi aplicada em

Três Rios

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Rua da maçonaria ,320

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Marise Agostinho

Conta vinculada

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Implantação de Consultório na Rua
Rio de Janeiro
Práticas
Equipe Itinerante de Saúde Mental- Ar-Te
Rio de Janeiro
Práticas
Video Institucional da Fiocruz: “Consultório na Rua: Conhecer para Acolher”
Rio de Janeiro
Práticas
Open Dialogue: uma Experiência no Brasil
Santa Catarina
Práticas
Redução de Uso de Antidepressivos Num Centro de Especialidades
Rio de Janeiro
Práticas
Quantas Vidas Um Gato Pode Salvar?
Bahia
Práticas
O Consórcio Intermunicipal de Especialidades – Ciesp e a Gestão Cooperada dos Serviços de Atenção Psicossocial na Modalidade de Caps I
Rio de Janeiro
Práticas
Caps Itinerante de Riachão do Jacuipe: Intervenção em Saúde Mental para Ampliação do Acesso ao Cuidado Integral e Multiprofissional por Meio da Ação Itinerante e Educação Permanente.
Bahia
Práticas
Os Desafios de Construir Caminhos para Desistitucionalização Sem a Totalidade dos Dispositivos Substitutivos Apropriados, Considerando a Cultura Manicomial dos Atores Envolvidos.
Rio de Janeiro