Olá,

Visitante

Hipertensão e Diabetes – Equipe Multidisciplinar para Redução de Agravos e Cuidado Diferenciado

Em novembro de 2017 o cardiologista Dr. Vinícius Alvim Siqueira, manifestou a sua insatisfação com as consultas eletivas do centro de especialidades do município. Relatou que as consultas agendadas não necessariamente eram direcionadas para pacientes cardiopatas, mas sim para transcrição de receitas e exames de pacientes hipertensos estáveis, que podiam ser acompanhados pela unidade de saúde da família. Disse que sentia necessidade, enquanto ser humano e profissional, de desenvolver um trabalho com resultados mais efetivos, que de fato impactassem no bem estar dos pacientes. Assim, considerando que os fatos e anseios narrados vieram ao encontro das aspirações da secretaria de saúde, foi idealizado o que hoje aqui apresentamos como realidade: um centro de cuidados, com equipe multidisciplinar, para hipertensos e diabéticos. Para a construção do centro, buscamos uma integração com uma programa já conhecido dos municípios, o HIPERDIA, que é utilizado através dos cadastros de usuários hipertensos/diabéticos na Ficha de Cadastro Individual do e-SUS AB com acompanhamento por Agente Comunitário de Saúde na ficha de Visita Domiciliar. Assim, podemos quantificar os usuários portadores dessas doenças crônicas não contagiosas que habitam o município, bem como prestar a assistência básica estabelecida na PNAB. No entanto, apenas quantificar e fazer as ações básicas não seria o bastante para reduzir os agravos causados pelas doenças, a enorme fila de exames, a série de internações por complicações dos quadros e outros problemas enfrentados na esfera do SUS municipal. Pensando em solucionar estas questões, surgiu uma nova perspectiva de olhar para estes usuários. Agora não basta mais apenas quantificar os hipertensos/diabéticos, mas dar-lhes dignidade e meios de conviver com sua patologia crônica com maior qualidade de vida, menos complicações e eventuais reduções de despesas para o ente municipal. Nasceu, em 31 de janeiro de 2018, um centro de referência e acolhimento aos pacientes hipertensos e diabéticos, a fim de captar usuários do SUS em condições de hipertensão/diabetes fora de controle, objetivando, assim, reduzir as internações bem como os agravos causados pelas doenças. O programa funciona com atenção exclusiva a este grupo de usuários, referenciados pelas equipes de estratégia da saúde da família, as quais abrangem aproximadamente 80% do território municipal. Para fornecer mudança de hábitos dessa população bem como melhorar suas condições de saúde a equipe conta com: 01 médico endocrinologista, 01 médico cardiologista, 01 técnico de enfermagem, 01 nutricionista e 02 educadores físicos que fazem práticas de atividades físicas com os usuários aptos para tal. Pensando também nos impactos à gestão, preconiza-se no centro de cuidado a lista da RENAME/REMUME no tratamento das doenças (respeitando a necessidade de cada indivíduo), reduzindo assim a judicialização por demandas que requerem a concessão de medicamentos que não fazem parte da lista de assistência farmacêutica do SUS. Outrossim, visa-se a redução dos gastos em saúde com estes pacientes a longo prazo, pois, uma vez estabilizados, teremos redução de exames de média e alta complexidade, bem como procedimentos da mesma natureza e transferências para tratamento de saúde em outros municípios referenciados por pactuações regionais. Vale asseverar que o objetivo maior é mostrar aos usuários que, embora acometidos por doenças crônicas, com o devido acompanhamento médico, a prática regular de atividade física e efetiva mudança nos hábitos alimentares, pode-se viver muito e viver bem! No mais, vale destacar que existe a junção, nas aulas de educação física, de usuários portadores das patologias e não portadores, mostrando para estes últimos a necessidade primeira de pautarem seus hábitos com foco na prevenção da saúde, não no tratamento.METODOLOGIA: O fluxograma do centro de hipertensão e diabetes se inicia com a consulta rotineira do usuário pela Unidade Básica de Saúde da Família, para avaliação do quadro clínico e, se descompensado, referenciado para o centro.Outra porta de entrada para os cuidados de hipertensão e diabetes se dá pelo Pronto Socorro do município, ou seja, pacientes que chegam na emergência, motivados por sintomas que dizem respeito às patologias em questão, são também encaminhados.Importante ressaltar que o paciente, quando referenciado para o centro de hipertensão e diabetes, quer seja pela unidade básica, quer seja pela unidade de urgência/emergência, já tem data e horário previamente agendados.Na unidade são acolhidos pela recepcionista que faz a conferência do agendamento, separa os prontuários e dá as devidas orientações. Posteriormente o técnico de enfermagem, faz as avaliações iniciais: peso, altura, aferição da pressão arterial e teste glicêmico.Os usuários então permanecem em uma confortável sala de espera, climatizada, onde aguardam atendimento e assistem, pelo menos duas vezes ao mês, palestra com diversos profissionais, sobre as patologias em questão e assuntos correlatos.Os médicos do centro exigem que o paciente compareça às consultas com um acompanhante, de forma que idosos e analfabetos saibam fazer uso correto das medicações prescritas e seguir as recomendações médicas e nutricionais.Ao sair do consultório médico o usuário é novamente atendido pelo técnico de enfermagem para informações sobre exames solicitados, retorno e controle da equipe para o fedeeback com a unidade de origem. Se o paciente é portador de ambas as patologias e/ou está acima do peso, ele passa pela avaliação nutricional, com retorno agendado para três meses. Esse mesmo paciente é encaminhado para a aula de educação física realizada pelos profissionais do Núcleo de Apoio à Saúde da Família – NASF. Vale ressaltar que as referidas aulas não são exclusivas para esses pacientes, pois a linha de frente é a prevenção e não só o cuidado, por isso aberto à todos os munícipes.

Estabilizar os hipertensos/diabéticos descompensados, tendo em vista relatos do cardiologista – também diretor do Hospital de referência municipal – sobre o alto índice de internações e agravos causados pelas patologias, em especial acidente vascular cerebral.

O centro de cuidados para hipertensos e diabéticos tem cumprido com aquilo a que se propôs, ou seja, maior sobrevida, com qualidade e dignidade, aos pacientes das referidas doenças crônicas. Inconteste também a redução de gastos com procedimentos e internações que poderiam ter sido evitados, a partir de um cuidado efetivo

Principal

Gleice Vaz Feijó

saude@miracema.rj.gov.br

A prática foi aplicada em

Miracema

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Av. Nilo Peçanha, 59

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ideiasus / Cosems-Rj

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Oferta e Inserção do DIU pelo Enfermeiro na Atenção Primária a Saúde do Município de Assunção
Paraíba
Práticas
A prática da natação para crianças e adolescentes com deficiência em município do sertão paraibano
Paraíba
Práticas
Implantação do cuidado farmacêutico na atenção básica, integrando farmácia a rede de atenção a saúde
Paraíba
Práticas
A eficácia do instrumento de classificação de risco gestacional na atenção primaria à saúde.
Paraíba
Práticas
Projeto saúde no bairro: um novo modelo de assistência à saúde
Paraíba
Práticas
Plantas medicinais utilizadas para tratamento de afecções ginecológicas em mulheres da Estratégia Saúde da Família
Ceará
Práticas
Do Ventre ao Nascer – Imunização, parto e nascimento, entenda a relação entre eles.
Paraíba
Práticas
Ampliando a resolutividade da aps no atendimento à saúde mental: implantação do matriciamento
Paraíba