Olá,

Visitante

Grupoterapia para Pacientes com Transtorno de Ansiedade Generalizada e Transtorno de Panico

Investigar qual o impacto que a violência armada na Pandemia nos pacientes atendidos na Clinica da Família com vistas a desenvolver intervenção específica para elaboração psíquica e superação pessoal e social. Analisar prontuário para totalizar casos atendimentos com hipótese diagnóstica de Transtorno de Ansiedade Generalizada e Transtorno de Pânico, assim como monitoramento da realização do Plano Terepêutico Singular. Promover, através de grupo temático (GRUPOTERAPIA)com escuta especializada na Unidade Básica de Saúde com atuação do psicólogo do NASF (Núcleo de Atenção à Saúde da Família) em conjunto com profissionais da equipe de saúde e agentes comunitário de saúde no contexto da Estratégia da Saúde da Família, através da troca de experiência dos pacientes a superação do quadro descrito.

O intuito é mensurar o impacto da violência sofrida parte da população da Maréda cidade do Rio de Janeiro no advento da Pandemia, e entender como os pacientes desse território lidam e absorvem a violência armada e seus desdobramento e qual a forma de defesa. A pobreza, a sobrecarga de trabalho e a violência são identificadas como os principais fatores de risco para a saúde física e mental da população. Neste contexto identificamos a presença de alguns sintomas depressivos e de ansiedade, tais como choro constante, angústia e medo, crises de ansiedade relacionados aos fatores de risco. A exposição constante a violência e ameaça em que os pacientes são expostos fazcom que eles se adaptem a realidade, naturalizando muitas das vezes as situações de risco, afetando sua perspetiva de vida, podendo causar adoecimento, stresse e quadro de ansiedade, dentre outros.

É necessário que se faça o reconhecimento do fenómeno da violência como também asconsequências e, quanto da inteligência emocional que necessariamente o paciente precisadesenvolver para conseguir dar continuidade a uma uma vida saudável com diminuição de agravos, apesar do risco e do medo. A compreensão da interação entre violência, o surgimento do covid 19, saúde mental e resiliência poderá fornecer informações e recursos para o desenvolvimento de intervenções clínicas e de políticas públicas que visem o atendimento das necessidades em saúde mental da população adscrista.O presente trabalho reúne informações com a finalidade de responderao problema de pesquisa: Quais os impactos da violência armada em tempos de Pandemia com surgimento do Covid 19 na saúde mental parte da população da Maré do Rio de Janeiro e quais seus reflexos no desenvolvimento iatrogenias e nas relações interpessoais no território.

Principal

Adriana Gomes da Silva

psicadriana@gmail.com

A prática foi aplicada em

Paraíba

Nordeste

Instituição

Rio de Janeiro

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Adriana Gomes da Silva

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Assistência odontológica aos trabalhadores da saúde municipal de Esperança: relato de experiência
Paraíba
Práticas
Caminhos do Cuidado, levando serviços de saúde para as comunidades rurais no município de Condado (PB)
Paraíba
Práticas
Gestar saudável – de 0 a 1000 dias
Paraíba
Práticas
Mapa territorial em saúde mental: instrumento exitoso do cuidado na atenção primária à saúde
Paraíba
Práticas
Implementação da estratégia Tenda da Imunização para aumento de coberturas vacinais
Todos os Estados (Nordeste), Paraíba
Práticas
Estratégias de imunização em município do interior da Paraíba resulta em 1º lugar no estado durante campanha de influenza 2024 : relato de experiência
Paraíba