Olá,

Visitante

Fechamento da Clínca Vale do Paraíba (Clivapa)

em 2015, por determinação judicial, iniciou-se o processo de desinstitucionalização na Clivapa. A porta de entrada foi fechada administrativamente pela SMS em fevereiro / 2016. em outubro do mesmo ano, aconteceu a intervenção judicial, onde administração foi afastada e um interventor nomeado. A partir daí, o trabalho de desinstitucionalização se intensificou. em Maio / 2017, a Promotoria determinou que o fechamento deveria acontecer até o dia 10 de Novembro de 2017, prazo cumprido pelo município.

Fechar a Clivapa na data determinada pela justiça Desinstitucionalizar os pacientes internados Reinserir os pacientes na sociedade a partir do retorno à família ou inclusão em SRT Articular com os serviços de referência nos territórios o retorno do : em 20/10/2016, data que o interventor foi nomeado, havia 46 internos na Clivapa. Com a determinação da Promotoria que o fechamento deveria ocorrer até 10 de novembro de 2017, percebendo a dificuldade e morosidade do processo, em maio a secretaria de saúde deslocou uma profissional da Saúde Mental para estar inserida na Clinica e executar todo trabalho lotada na instituição, participando dos encontros com os serviços de saúde mental dos municípios e com a promotoria, traçando metas e estratégias para o cumprimento das pactuações dos projetos terapêuticos de cada paciente.

o fechamento aconteceu na data determinada. Dos 46 internos na data da intervenção, 1 foi a óbito ainda internado, 20 foram reinseridos na família, 6 foram transferidos para outra instituição, 17 foram inseridos em SRT no município de origem e 2 foram inseridos em SRT no município de Quatis, sendo 1 residente no município e 1 que não possuía mais referência no município internante e não foi encontrada referência familiar ou territorial em outro lugar.o trabalho das Secretarias Municipais de Saúde e dos serviços de Saúde Mental, com o apoio da Promotoria foram essenciais no sucesso desse trabalho, pois através dos esforços em comum com articulações, criações de serviços e muito comprometimento, os municípios acolheram os usuários, fazendo com que, dessa forma, o prazo tenha sido cumprido e ao paciente oferecido o melhor para auxiliar na ressocialização e garantia de tratamento digno e territorial, respeitando seu direito à liberdade.

Principal

Érica Rabêlo De Almeida

erica_rabelo@yahoo.com.br

A prática foi aplicada em

Quatis

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Rua João Batista Da Silva, 44 – Barrinha – Quatis / Rj

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Ana Lúcia Nogueira Da Gama

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
TEA/TDAH: inclusão sem discriminação
Paraíba
Práticas
Visita de luto – uma atitude humanizada
Rio de Janeiro
Práticas
Vacinação Sem Barreiras: um Grande Desafio
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Vacinação: Estratégias para o Aumento da Cobertura Vacinal no Município de Barrolândia – TO
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Plano de Recuperação do Faturamento Ses/Df
Distrito Federal
Práticas
Sala de Situação Ses-Df
Distrito Federal
Práticas
Rede Inovases
Distrito Federal
Práticas
Diagnóstico de Atendimento da População Hipertensa/Diabética da Equipe 474/06
Distrito Federal