Olá,

Visitante

Estratégias para Vacinação Contra Covid: Busão +saúde – Palmas-to

Palmas, capital do Estado do Tocantins, é uma cidade com cerca de 313.000 habitantes, segundo estimativas do último censo do IBGE. A rede de saúde municipal conta com 34 unidades básicas de saúde, 85 equipes de saúde da família e cobertura da Atenção Primária de 96,83%, sendo a maior cobertura dentre as capitais da região norte do país. (e-Gestor AB,2023). No que diz respeito à imunização, o município possui 33 salas de vacina localizadas nas unidades básicas de saúde; e mais 04 salas de vacina localizadas nas Unidades de Pronto Atendimento e Hospitais para atendimento dos acidentes com animais peçonhentos e profilaxia da raiva humana. Nas salas de vacina das unidades básicas de saúde são administradas todas as vacinas do calendário básico de vacinação preconizado pelo Ministério da Saúde. Com a implementação da vacinação contra covid 19, essas unidades também incluíram estes imunizantes na sua rotina.

O alcance e manutenção das coberturas vacinais tem sido um desafio para as equipes de vacinação e gestores. O Brasil vem enfrentando um período delicado com coberturas vacinais abaixo das metas preconizadas nos últimos anos e esse problema parece ter se acentuado após a pandemia do covid 19. Na vacinação contra covid, inicialmente houve uma grande procura pela imunização. No entanto, após alguns meses de campanha percebeu-se uma queda na procura pela vacina, especialmente após melhora no cenário epidemiológico com redução importante no número de mortes e internações hospitalares. Dentro desse contexto, tem se enfrentado vários desafios que vão desde a garantia de estoque suficiente de imunobiológicos, ampliação do acesso da população à vacinação; reduzir perdas de imunobiológicos; combater as fake News e implementação de estratégias que possam ser capazes de melhorar as coberturas vacinais e consequentemente a conscientização sobre a importância da vacinação. Entretanto, faz-se necessário também que o processo de trabalho das equipes de saúde da família quanto a rotina de vacinação seja constantemente avaliado se facilitam ou dificultam o acesso às salas de vacinação, podendo ser um fator determinante nas baixas coberturas vacinais, além das dificuldades impostas pelo acesso, influência dos determinantes sociais associada à falta de informações e ou acolhimento adequado nas unidades de saúde.

Diante do cenário de baixas coberturas vacinais, especialmente na vacinação contra covid 19 e em outras campanhas de vacinação como influenza, pólio e sarampo, a Secretaria Municipal de Saúde de Palmas implementou o projeto Busão +Saúde. Esse projeto foi uma parceria entre a SEMUS/Palmas e a empresa de transporte coletivo da capital, em que um ônibus foi adaptado para as atividades de vacinação. O objetivo era percorrer pontos estratégicos e movimentados da cidade, de forma itinerante, facilitando o acesso da população à vacinação. Ressalta-se que um dos fatores que contribuíram na adesão por parte da população, foi a facilidade de acesso de forma oportuna ao usuário e em horários de funcionamento diferente das unidades básicas de saúde. Além da participação em eventos públicos da capital, bem como em locais mais distantes e de difícil acesso. Inicialmente o projeto era voltado apenas para a vacinação contra covid 19. No entanto, com a boa adesão da população a vacinação foi ampliada, sendo incorporado outros imunizantes como: a vacinação contra HPV, influenza, poliomielite e sarampo. Pode-se perceber ainda que a maioria dos usuários que aderiram a estratégia de vacinação do Busão + Saúde, eram usuários que não tinham nem a primeira dose do esquema vacinal, reforçando a hipótese do acesso mais simplificado e oportuno à vacinação.

A imunização, como medida de prevenção primária, tem sido capaz de intervir e promover mudanças significativas no cenário epidemiológico das doenças imunopreveníveis. (Brasil, 2013). No entanto, com a pandemia da covid 19 e o surgimento de uma nova vacina foi necessário que as equipes de vacinação e gestores traçassem estratégias de vacinação em massa, levando muitas vezes a vacinação para ambientes fora das unidades de saúde. A vacinação em ambientes externos à sala de vacina requer planejamento para que a ação ocorra de forma segura. Nesse sentido, o histórico do Programa Nacional de Imunização – PNI, com a experiência em diversas campanhas de vacinação anteriores, trouxe para os profissionais o conhecimento para o desenvolvimento de grandes ações de vacinação de forma eficiente e assertiva. Iniciativas como o projeto Busão +Saúde trazem a oportunidade de reorganizar algumas atividades relacionadas à imunização. Diante do cenário atual com tantas fragilidades relacionadas à vacinação (baixas coberturas vacinais, veiculação de notícias falsas a respeito da vacinação, onda de hesitação vacinal, estoques reduzidos de imunobiológicos etc), é fundamental o engajamento das equipes e a adoção de estratégias que consigam atingir a população, estimulando a vacinação, ampliando acesso e garantindo a segurança e eficiência do processo.

Principal

Hugo Lellis Araujo

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

30 ago 2023

e atualizada em

30 ago 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Implantação de laserterapia na rede de atenção à saúde de Pilar (PB): relato de experiência
Paraíba
Práticas
Atenção e cuidado ao paciente portador de feridas no SUS em Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Oferta e Inserção do DIU pelo Enfermeiro na Atenção Primária a Saúde do Município de Assunção
Paraíba
Práticas
A prática da natação para crianças e adolescentes com deficiência em município do sertão paraibano
Paraíba
Práticas
Potencializando ações e atendimentos itinerantes nos bairros para melhoria e alcance de metas
Paraíba
Práticas
Implantação do cuidado farmacêutico na atenção básica, integrando farmácia a rede de atenção a saúde
Paraíba
Práticas
A eficácia do instrumento de classificação de risco gestacional na atenção primaria à saúde.
Paraíba