Olá,

Visitante

Criança Vacinada e Feliz

O Município de Santa Rosa do Sul está localizado no extremo sul de Santa Catarina. Pertence a região da AMESC (Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense), que compreende os 15 municípios da região. A principal fonte de renda do município é a agricultura familiar e pecuária. Apresenta uma população estimada de 9.300 habitantes. Possuem 5 unidades de Saúde, sendo 4 Estratégia de Saúde da Família, divididas entre as comunidades da Vila Bitencourt, Novo Horizonte, Lageado, Linha Tamandaré, Peroba, Vila Nova, Pontão, Sanga D’Areia, Forquilha do Cedro, Bela Vista, Morro do Português, Vila São Cristóvão, Jaguarari e Glorinha. O Programa Nacional de Imunizações (PNI) representa uma das intervenções em saúde pública mais importantes no cenário de saúde brasileiro. As ações de vacinação e vigilância apresentam impacto positivo na prevenção e controle de doenças imunopreveníveis refletindo positiva e diretamente na qualidade e expectativa de vida da população. Atualmente a estrutura física conta com duas salas de vacinação, estando descentralizada, todas equipadas com câmeras frias adequadas. Em nossa equipe atuam 7 vacinadores. O transporte dos insumos acontece de forma regular e segura através da Regional de Saúde Araranguá, tendo como suficiente os imunobiologicos recebidos para a demanda do município. Todas as salas de vacina são informatizadas. A busca ativa é realizada através dos sistemas do Ministério da Saúde e terceirizado. No último ano tivemos duas capacitações para os profissionais em sala de vacina. Todo processo de trabalho é elaborado entre a equipe gestora e enfermeiras responsáveis pela vacinação. Trabalhamos nas campanhas vacinais a conscientização da importância das vacinas, alertamos também a população sobre os fakenews com informações A aplicação de vacinas é realizadas através da Atenção Básica, caso ocorra um evento adverso é registrado através do ESUS notifica.

Na região do Extremo Sul Catarinense as organizações do processo de trabalho ficam centralizadas na Regional de Saúde, o quantitativo dos imunobiologicos são distribuídos aos municípios de acordo com a demanda. Nos últimos anos foram realizadas capacitações para os profissionais de saúde semestralmente, sendo que a própria região se motiva a desenvolver a programação. Quanto mais profissionais capacitados e atuantes nas salas de vacina, diminuímos a rotatividade no serviço prestado. Com o sistema de busca ativa e participação dos agentes comunitários de saúde, conseguimos atingir as metas estipuladas. Em nosso município como em toda região da AMESC, os imunobiologicos são armazenados de forma eficaz e registro de forma informatizada. Combatemos a hesitação e a recusa vacinal através de campanhas de divulgação em meios de comunicação como as redes sociais dos canais da prefeitura e da secretaria de saúde. Nossa rede é composta por duas salas de vacinas, sendo uma na Unidade Integrada de Saúde e a outra no ESF Vila São Cristóvão, além das equipes de cada estratégia para nos apoiar em relação a divulgação e administração. Nossa busca se dá através dos agentes comunitários de saúde, através de vacinação extramuros nos bairros. Utilizamos um sistema terceirizado, onde constam todas as informações de acordo com o que Ministério da Saúde preconize. Utilizamos para divulgação carro de som nas ruas para que as pessoas ficassem sabendo da vacinação e fizemos vídeos publicados nas redes sociais da secretaria de saúde e Prefeitura Municipal e nos grupos de WhatsApp, convidando a população a levarem seus filhos nas unidades de saúde para a vacinação contra a poliomielite. Em relação a integração da Atenção Básica e Vigilância em Saúde acontece de forma coerente com as equipes.

Todas as estratégias da cobertura vacinal são realizadas através de reuniões entre a gestão e a equipe técnica responsável, a primeira estratégia foi a ampliação do horário de vacinação. Ficando estipulado em nosso município um período noturno para a realização dos atendimentos na sala de vacina, outra estratégia de suma importância é a conscientização sobre a importância da vacina, o que ela previne, e quais as doenças que sem ela poderiam disseminar entre a população. Com a enxurrada de fakenews que vem ocorrendo o esclarecimento sobre o mesmo é de extrema importância para que usuário do SUS tenham plena confiança e segurança no resultado da aplicação da vacina.

Com a diminuição da procura por vacinas, evidenciamos a necessidade de remodelamento das ações em saúde para este público. A pesquisa IMUNIZASUS, veio a corroborar com toda a realidade enfrentada pelas mais diversas regiões do país. Instigou-se entre as equipes de estratégicas vacinais do SUS, o uso de criatividade na educação continuada e a defesa do que aprendemos e acreditamos. Em nossa região tivemos um grande crescimento de estratégias diversas para atrair os usuários até as unidades de saúde. A modificação no horário de atendimento sem dúvida foi um passo importante para os dias atuais.

Principal

Fernanda Casagrande Velho Mattiolii

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

30 ago 2023

e atualizada em

30 ago 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Implantação de laserterapia na rede de atenção à saúde de Pilar (PB): relato de experiência
Paraíba
Práticas
Atenção e cuidado ao paciente portador de feridas no SUS em Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Oferta e Inserção do DIU pelo Enfermeiro na Atenção Primária a Saúde do Município de Assunção
Paraíba
Práticas
A prática da natação para crianças e adolescentes com deficiência em município do sertão paraibano
Paraíba
Práticas
Potencializando ações e atendimentos itinerantes nos bairros para melhoria e alcance de metas
Paraíba
Práticas
Implantação do cuidado farmacêutico na atenção básica, integrando farmácia a rede de atenção a saúde
Paraíba
Práticas
A eficácia do instrumento de classificação de risco gestacional na atenção primaria à saúde.
Paraíba