Olá,

Visitante

Estratégias para o Aumento Das Coberturas Vacinais no Município de Taquaruçu do Sul – Rs

Categoria não especificada

O município de Taquaruçu do Sul, localizado na região noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, possui uma estrutura de saúde composta por um serviço de pronto atendimento de urgência e uma Unidade Básica de Saúde (UBS) com uma equipe de Estratégia de Saúde da Família (ESF). Para atender às demandas de imunização, o município dispõe de uma sala de vacinação ativa, onde três profissionais de saúde atendem diariamente nas ações de imunização. Nos últimos anos, a equipe observou uma queda na cobertura vacinal, especialmente relacionada às vacinações de rotina do calendário infantil. A identificação dos problemas relacionados à imunização foi realizada por meio de discussões e experiências da equipe de saúde, análise de relatórios gerenciais dos sistemas de informação (DATASUS e PEC) e consulta aos dados da pesquisa ImunizaSUS. Utilizando a Matriz de Priorização (GUT), foram elencados os seguintes problemas, em ordem de prioridade: necessidade de contratação de um vacinador adicional para a sala de vacinação; atraso da população na administração da primeira dose, conclusão do esquema vacinal e recusa à vacinação (população manifestando preferência por determinado tipo de vacina, disseminação de notícias falsas, falta de confiança nas vacinas, preocupação com efeitos colaterais e com os efeitos de longo prazo das vacinas); cobertura vacinal aquém do esperado em adolescentes (vacinas contra HPV, meningite ACWY e dupla adulto); dificuldades no registro de vacinação (falta de pessoal capacitado, presença de profissionais, registro manual com posterior inserção no sistema); falta de inclusão dos dados do setor privado nas coberturas vacinais do município. A partir da priorização desses problemas, a equipe se preparou para elaborar estratégias visando incentivar as ações de imunização. A metodologia 5W2H foi utilizada como uma ferramenta para definir as ações necessárias para alcançar um objetivo específico. Cada problema identificado foi discutido pela equipe de saúde, gerado nas seguintes ações: inclusão de um vacinador e um digitador na sala de vacinação; melhoria do processo de trabalho; intensificação da divulgação das campanhas de vacinação nos meios de comunicação (rádio comunitário, redes sociais e visitas domiciliares); atividades intersetoriais envolvendo as escolas municipais e o conselho tutelar; educaçã6o permanente da equipe de saúde cuidada para a imunização; melhora nos indicadores; busca ativa de faltosos e crianças vacinadas na rede privada. Dessa forma, após a identificação dos problemas que levaram à queda na cobertura vacinal no município e na implementação das ações propostas, foi possível constatar melhorias na cobertura vacinal. É fundamental que a equipe de saúde analise constantemente os relatórios gerenciais de imunização e implemente medidas para aprimorar a cobertura vacinal. As ações intersetoriais e os envolvimentos da equipe de saúde com a comunidade são de extrema importância para o sucesso. A educação permanente da equipe de saúde e a constância nas ações em prol da vacinação devem ser consideradas pela gestão. O uso de ferramentas de gestão podem auxiliar e qualificar o trabalho dos profissionais da sala de vacina na tomada de decisão e no direcionamento das ações.

De acordo com os dados obtidos por meio da pesquisa ImunizaSUS e da análise da realidade local, a equipe de saúde traçou como objetivo desenvolver estratégias fortalecedoras e promotoras para aprimorar os indicadores de vacinação do município. Dentre os desafios identificados pela equipe local, destacam-se: a necessidade de contratação de mais um vacinador para a sala de vacinação; atraso da população na administração da primeira dose, conclusão do esquema vacinal e recusa à vacinação (em que a população deseja escolher o tipo de vacina, disseminação de notícias falsas relacionadas à vacinação, falta de confiança nas vacinas, preocupações com efeitos e efeitos a longo prazo); cobertura vacinal abaixo do esperado em adolescentes (HPV, meningococo ACWY, dupla adulto); dificuldades no registro de vacinação (falta de pessoal capacitado, cobertura de profissionais, registro manual com lançamento posterior no sistema); e ausência de inclusão dos dados do setor privado nas coberturas vacinais do município. Após a identificação dos problemas relacionados à vacinação, a equipe priorizou cada um deles utilizando a Matriz GUT. A Matriz GUT é uma ferramenta de qualidade utilizada para a resolução de problemas, permitindo a seleção daqueles que necessitam de prioridade no atendimento. Essa técnica é útil para solucionar problemas, identificar suas causas ou grupos de causas e, assim, determinar aquelas mais relevantes e que geraram maior impacto na situação tratada, a fim de abordá-las com prioridade12. A matriz considera os fatores Gravidade, Urgência e Tendência, atribuindo uma pontuação em uma escala de 1 (um) a 5 (cinco) para cada um deles. A gravidade está relacionada às consequências da não resolução do problema e indica seu impacto, principalmente em relação aos resultados e processos a longo prazo. A Urgência refere-se ao tempo disponível para a resolução da situação específica. Já a Tendência analisa a evolução, redução ou eliminação do problema ao longo do tempo. Após a priorização, os problemas são classificados como baixo (0 < x < 45), médio (50 < x < 95) e alto (100 < x < 125) 13. Então, de acordo com os dados elencados através pesquisa do Imunizasus e da problematização da realidade local, a equipe de saúde reuniu-se para montar estratégias fortalecedoras e promotoras para melhorar os indicadores de vacinação do município. A matriz GUT de priorização de problemas de vacinação foi desenvolvida pela equipe de saúde no início de 2022 e está descrita no anexo 01.

Assim, após a classificação dos problemas a equipe se instrumentalizou para a elaboração de estratégias de fortalecimento das ações de imunização. A metodologia 5W2H é uma ferramenta que ajuda a definir as ações necessárias para alcançar um objetivo específico14. No caso das imunizações, pode ser usada da seguinte forma: 1. What (O que): Definir qual é o objetivo da imunização. Por exemplo, prevenir surtos de doenças infecciosas, proteger a saúde pública, reduzir a mortalidade infantil, entre outros. 2. Why (Por que): Identificar a importância da imunização para a saúde pública e individual. Explicar por que é importante tomar vacinas e proteger-se contra doenças infecciosas. 3. Who (Quem): Identificar quem será responsável por implementar e executar o programa de imunização. Isso pode incluir autoridades de saúde pública, profissionais de saúde, voluntários, escolas, entre outros. 4. When (Quando): Definir quando as vacinas serão disponibilizadas e quando as campanhas de vacinação serão realizadas. Estabelecer um cronograma para as atividades relacionadas à imunização. 5. Where (Onde): Identificar onde as vacinas serão disponibilizadas e onde as campanhas de vacinação serão realizadas. Definir os locais onde as pessoas poderão tomar as vacinas e onde as equipes de vacinação estarão localizadas. 6. How (Como): Descrever como as vacinas serão disponibilizadas e como as campanhas de vacinação serão realizadas. Isso inclui o processo de distribuição das vacinas, a capacitação de profissionais de saúde para administrar as vacinas e a organização das campanhas de vacinação. 7. How much (Quanto): Definir os custos relacionados à imunização, como o valor das vacinas, os recursos necessários para a realização das campanhas de vacinação, entre outros. Ao utilizar a metodologia 5W2H, é possível criar um plano de ação eficiente e eficaz para a imunização da população, com ações claramente definidas, prazos estabelecidos e responsabilidades atribuídas. Isso pode ajudar a garantir o sucesso da iniciativa e a proteger a saúde pública. O desenvolvimento da matriz GUT e a construção do plano de ações propostos com o método 5W+2H, a resolução dos problemas encontrados tende a ser mais eficiente devido ao desenvolvimento de ideias que as próprias ferramentas exigem, identificando-os, detalhando-os e fazendo com que cada colaborador apontado como responsável pela resolução do ponto encontrado seja, de fato, capaz e possa ser cobrado por isso ao final do prazo determinado 15. As ações estratégicas do município com auxílio da metodologia 5W2H estão sendo apresentadas no anexo 02.

Os relatórios gerenciais de imunização devem ser constantemente analisados pela equipe de saúde a fim de identificar as baixas coberturas vacinais e investigar os fatores associados como parte do monitoramento e eixo estratégico de gestão dos programas de imunização. As ações Intersetoriais e o vínculo da equipe de saúde com a comunidade devem ser fortalecidas. Isto, reflete de forma singular a implementação das ações pró-vacinação na medida em que gera maior credibilidade na fluência de informações sobre vacinação. Desta forma, a organização dos serviços de saúde em rede com apoio intersetorial, constitui uma nova proposta de superação dos modelos fragmentados e na qual se inspira e se baseia a política do SUS. As ações de imunização devem estar voltadas para o atendimento individual, grupos e na comunidade. O uso das redes sociais e da mídia deve ser mais explorado pelas equipes de saúde em prol da vacinação. Após a implementação das ações, as coberturas vacinais voltaram a atingir valores satisfatórios em crianças menores de 5 anos. O município de Taquaruçu do Sul recebeu em setembro de 2022 o certificado de “ Município Amigo da Vacina “ emitido pelo Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde com selo destaque e reconhecimento pelo esforço e empenho prestado a população local na imunização de crianças e adolescentes contra poliomielite e covid-19. O uso de ferramentas de gestão podem auxiliar e qualificar o trabalho dos profissionais da sala de vacina na tomada de decisão e no direcionamento das ações. De modo geral, renovar a gestão em saúde no país, na perspectiva da construção permanente do SUS e que responda às expectativas e necessidades de saúde da população deve ser uma missão para os gestores. As ações integradas tripartite devem ser fortalecidas principalmente no combate às “fake news”, ações em prol a vacinação e esclarecimentos sobre imunizantes à população. REFERÊNCIAS 1. Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Ten great public health achievements. United States: MMWR Morb Mortal Wkly Rep [Internet]. 1999 [cited 023 May 15;48:241-3. Available from: https://www.cdc.gov/mmwr/pdf/wk/mm4812.pdf. 2. Sato APS. What is the importance of vaccine hesitancy in the drop of vaccination coverage in Brazil?. Rev Saúde Pública [Internet]. 2018 [cited 2023 May 15];52:1-9. Available from: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2018052001199. 3. Sato APS. Pandemia e coberturas vacinais: desafios para o retorno às escolas. Rev Saúde Pública [Internet]. 2020 [cited 2023 May 15];54(115):1-8. Available from: https://www.scielo.br/j/rsp/a/FkQQsNnvMMBkxP5Frj5KGgD/?format=pdf&lang=pt. 4. Sato APS, Boing AC, Almeida RLF, Xavier MO, Moreira RDS, Martinez EZ, Matijasevich A, Donalisio MR. Measles vaccination in Brazil: where have we been and where are we headed?. Cien Saude Colet. [Internet]. 2023 [cited 2023 May 15];28(2):351-362. Available from: https://www.scielo.br/j/csc/a/J668gWXsNPfWMFbBNSgp75j/?format=pdf&lang=en. 5. Domingues CMAS, Teixeira AMDS, Moraes JC. Vaccination coverage in children in the period before and during the COVID-19 pandemic in Brazil: a time series analysis and literature review. J Pediatr. [Internet] 2023 [cited 2023 May 15];Suppl 1:12s-21s. Available from: https://www.scielo.br/j/jped/a/HrxJrqxdNHjrVpSjsyfDmtx/. 6. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico 2022. Rio de Janeiro: IBGE, 2022. 7. Ministério da Saúde (BR). DATASUS: Departamento de Informática do SUS [Internet]. [Brasília]: Ministério da Saúde (BR); 2023 [cited 2023 May15]. Available from: https://datasus.saude.gov.br/. 8. ImunizaSUS. Pesquisa nacional sobre cobertura vacinal, seus múltiplos determinantes e as ações de imunização nos territórios municipais brasileiros. 2023 [cited 2023 May 29];2. Available from: https://conasems-ava-prod.s3.sa-east-.amazonaws.com/institucional/publicacoes/publicacao-imunizasus-vol-2-atualizado-1677173445.pdf. 9. Vieira EW, Pimenta AM, Montenegro LC, Silva TMR. Structure and Location of Vaccination Services Influence the Availability of the Triple Viral in Brazil. Reme Rev Min Enferm. 2020 [cited 2023 May 15];24:1-6. Available from: https://cdn.publisher.gn1.link/reme.org.br/pdf/en_e1325.pdf. 10, Yismaw AE, Assimamaw NT, Bayu NH, Mekonen SS. Incomplete childhood vaccination and associated factors among children aged 12-23 months in Gondar city administration, Northwest, Ethiopia, 2018 BMC Res Notes. 2019 [cited 2023 May 16];12(1):24. Available from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31036071/ 11. Tauil MC, Sato APS, Costa ÂA, Inenami M, Ferreira VLR, Waldman EA. Coberturas vacinais por doses recebidas e oportunas com base em um registro informatizado de imunização, Araraquara-SP, Brasil, 2012-2014. Epidemiol Serv Saude. 2017 [cited 2023 May 16];26(4):835-846. Available from: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742017000400835 12. TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU). Técnica de Análise de Problemas para Auditorias. Brasília: TCU, Segecex, Secretaria de Métodos Aplicados e Suporte à Auditoria [Internet]. 2013 [cited 2023 May 29]. Available from: https://portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A8182A258F9F3BD0158FA063DD92835. 13. Camargo R. Entenda como a Matriz GUT pode solucionar problemas da empresa [Internet]. 2019 [cited 2023 May 29]. Available from: https://robsoncamargo.com.br/blog/Matriz-GUT. 14. Portal Administração. 5W2H: Como utilizar e suas vantagens [Internet]. 2014 [cited 2023 May 29]. Available from: https://www.portal-administracao.com/2014/12/5w2h-o-que-e-e-como-utilizar.html. 15. De Sá L. Análise da qualidade de processos: um estudo de caso sobre a empresa Green House Serviços, em Brasília-Distrito Federal [undergraduate thesis]. Brasília: Faculdade de Administração, Universidade de Brasília; 2016. 47 p.

Principal

GISELE GAMBIN

Coautores

JUCIANE APARECIDA FURLAN INCHAUSPE , RENATA SAURIN, MARILSE GABRIELE CAUDURO , Natalia Ferrari Wink , Rosecler Marcia Marion

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Caminhos estratégicos da APS frente a cobertura vacinal no município de Bernardino Batista
Paraíba
Práticas
Ampliando leque da rede: fortalecimento dos vínculos entre equipes e escola.
Paraíba
Práticas
Relato de experiência: humanização na atenção ao usuário no pronto atendimento de Pilar (PB))
Paraíba
Práticas
Implantação de laserterapia na rede de atenção à saúde de Pilar (PB): relato de experiência
Paraíba
Práticas
Paciente protagonista de sua terapia: o cuidado farmacêutico com pacientes atendidos no CAPS de Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Atenção e cuidado ao paciente portador de feridas no SUS em Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Quando a saúde vai além dos muros das UBS
Rio de Janeiro