Olá,

Visitante

Estrategias para Contornar Dificuldades e Elevar Cobertura Vacinal de Polio e Penta

A experiencia ora apresentada se deu em relação a cobertura vacinal do e pólio e penta, frente as baixas coberturas estarem em evidencia nos últimos anos no Brasil, além da importância, relevância em saúde e prevenção a doenças como paralisia infantil, difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e a bactéria haemophilus influenza tipo b, patologias que são evitáveis a partir da vacinação em tempo oportuno e que tem a recomendação acerca da administração das 3 doses, sendo aos 2 meses a 1ª dose, 4 meses 2ª dose e 6 meses de vida da criança a administração da 3ª dose, devendo ser o esquema vacinal ser completo antes da criança completar 1 ano de idade. O Município de Jundiá possui uma população de 4.119 pessoas estimado pelo IBGE 2021, classificado como tipologia rural adjacente, possui 2 unidades básicas de saúde e teve segundo o Painel de Monitoramento de Nascidos Vivos do ministério da saúde no ano de 2021 um numero de 71 crianças nascidas. A adoção de estratégias para contornar as dificuldades e a elevação da cobertura dessas vacinas é de grande valia frente a baixa cobertura a nível nacional, estadual e no município. Frente aos baixos índices de cobertura vacinal o objetivo desta experiencia é adoção de estratégias de busca ativa, monitoramento e oferta dos serviços de saúde para o público alvo, e como principal objetivo se tem a elevação da cobertura vacinal de pólio e penta em crianças menores de 1 ano, face a relevância epidemiológica em relação a promoção e prevenção a saúde.

A partir do conhecimento dos baixos níveis de cobertura do município do período de 2021 a 2022, a gestão realizou uma análise a partir dos cadastros individuais, registros de vacinação, ao passo que foi realizada uma escuta ampliada junto aos profissionais das equipes de saúde da família, principalmente com os enfermeiros, técnicos de enfermagem e agentes comunitários de saúde, afim de identificar os gargalos e dificuldades no processo de busca e realização da vacinação. Foram identificadas dificuldades como duplicidades e cadastros errados nas bases de informação, displicência dos pais e ou responsáveis em levar a criança para receber a imunização em tempo oportuno, registros errados e ou não realizados sobre as vacinas aplicadas.

Diante das diversas problemáticas as quais foram elencadas e solucionadas a partir da implementação de um conjunto de ações, capacitações bem como implementação de uma rotina constantes desde higienização, unificação de cadastros nas bases do e-SUS APS e CADSUS, bem como monitoramento e busca ativa das crianças para realizar a vacinação antes da mesma completar 1 ano de idade. Adoção da rotina de monitorar , acompanhar e buscar essas crianças juntos aos agentes comunitários de saúde, os quais recebiam a sinalização das crianças que seriam avaliadas no quadrimestre atual e posterior sempre planejando o posterior e buscando ajustes a fim de melhorar a cobertura atual, a partir de uma análise sistêmica com o relatório de Apoio ao Cuidado do SISAB que fornece a relação de crianças que serão avaliadas por quadrimestre, bem como um cruzamento de dados com a base local do e-SUS APS, relatórios que eram atualizadas e fornecidos mensalmente as equipes para planejamento, facilitando e direcionando a busca ativa das crianças para realizar o chamamento para comparecer a UBS para administração em tempo oportuno.

Frente as estratégias adotadas e intervenções realizadas, onde o município teve o número de 71 crianças nascidas em 2021, se dividindo entre 1º quadrimestre 23 crianças, 2º quadrimestre 24 crianças e no 3º quadrimestre também 24 crianças segundo o Painel de Monitoramento de Nascidos Vivos, crianças as quais seriam avaliadas apenas em 2022 quando iriam completar a idade adequada de 1 ano, a qual estariam no período para ter o esquema vacinal completo com as 3 doses de Pólio e Penta bem como dentro dos critérios do Previne Brasil. Segundo a avaliação dos indicadores do Previne Brasil em 2022 o município teve identificadas e vinculadas um total de 63 crianças, a cobertura vacinal para crianças de um ano de idade vacinadas com 3ª dose de Pólio e Penta no 1º quadrimestre de 2022 foi de 67%, no 2º quadrimestre 79% e 95% no 3º quadrimestre, resultados que constatam a crescente no resultado do município acerca da cobertura vacinal e que coroam as ações adotadas pelas equipes de saúde da família com alcance do indicador e observando a nível da 3ª região de saúde do estado de alagoas apenas 2 dos 11 municipios da região atingiram o indicador, e no panorama estadual apenas 17 dos 102 municípios do estado de Alagoas alcançaram a meta deste indicador. Mesmo com as dificuldades acerca da extensão territorial geográfica do município, as zonas rurais e pela caracterização do município ser rural adjacente, é possível concluir que as estratégias de busca ativa, sensibilização da população bem como monitoramento constante junto ao acompanhamento e busca agentes comunitários de saúde, unido as ações de higienização, qualificação dos cadastro e registros nos sistemas de informações nas bases local e nacional, foram decisivas para reversão do quadro bem como elevação dos números percentuais acerca da cobertura vacinal de pólio e penta, refletindo diretamente na promoção a saúde e prevenção de doenças que podem gerar prejuízo imensurável durante toda a vida das crianças.

Principal

Marcelo Antonio Dos Santos

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

30 ago 2023

e atualizada em

30 ago 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Vivência em atendimento em grupo de portadores de Diabetes Mellitus da Esf Itapuca, Resende, RJ
Rio de Janeiro
Práticas
A descentralização das ações de controle da tuberculose no município de Volta Redonda
Rio de Janeiro
Práticas
O matriciamento de cardiologia e endocrinologia no fortalecimento a atenção à doenças crônicas
Rio de Janeiro
Práticas
A expansão do processo matricial no município de Volta Redonda – uma experiência exitosa
Rio de Janeiro
Práticas
A importância da equipe multidisciplinar no programa de osteoporose de Penedo – Itatiaia (RJ)
Rio de Janeiro
Práticas
Sensibilização da APS para o cuidado integral da população em situação de rua da cidade de Resende
Rio de Janeiro
Práticas
Coordenação do cuidado, ordenação da rede de atenção à saúde e o e-SUS AB como ferramenta de gestão
Rio de Janeiro