Olá,

Visitante

Empreendedorismo feminino: uma ferramenta para as mulheres do território da Jaqueira Pirai/RJ

Apresentação
Partindo do princípio da importância do trabalho de grupos na Unidade de Saúde da Família Jaqueira, foi proposta a organização de um grupo de mulheres aproveitando o mês de comemoração do Dia Internacional da Mulher. Foi organizado um grupo com todas as mulheres que pudessem comparecer, visando conhecer melhor as características da população feminina do território e identificar situações-problema. Como pode ser percebido no breve relato acima, uma única reunião do grupo foi suficiente para gerar reflexões e o desejo de maiores intervenções na comunidade. Todas as participantes reconheceram as diversas vulnerabilidades que envolvem o território, mas reconhecem também que, atualmente, a população parece pouco participativa.

Metodologia
Os relatos de diversas mulheres durante consultas médicas e em grupos realizados no ambiente da Atenção Primária em Saúde (APS) demonstram diariamente a necessidade de intervenções para melhorar a qualidade de vida, a autoestima e a autonomia dessa parcela da população. Baseando-se nisso, foi idealizada a Feira de Empreendedorismo Feminino que visa empoderar o grupo e cada participante individualmente, permitindo mudanças sociais dentro da comunidade. O presente trabalho descreve a experiência de todo processo de criação da feira e sua evolução, levando em consideração também todos os problemas enfrentados, e entendendo como um conceito derivado do mundo dos negócios pode ser utilizado como ferramenta de abordagem comunitária.
Objetivo
O presente trabalho tem como objetivo relatar o processo de implementação da Feira de Empreendedorismo Feminino no bairro da Jaqueira, localizado no município de Piraí, no estado do Rio de Janeiro, idealizada após os eventos descritos acima e a partir a promoção do empoderamento feminino enfrentamento apresentado por cada uma. Pensando nisso, a feira como forma de promover aproximação e diálogo entre a população feminina da comunidade,
Conclusão

Trabalhar com mulheres durante esse período me mostrou o potencial e a força inesgotável de um grupo historicamente negligenciado e oprimido que, ainda na atualidade, segue repetindo padrões de comportamento adoecedores que são esperados pela sociedade. Apesar disso, ao serem apresentadas à oportunidades de mudanças, mostraram-se capazes de realizar movimentos imensuráveis que vêm sendo percebidos a cada etapa. A construção da Feira de Empreendedorismo é apenas uma faísca dentro do processo necessário para atingirmos mudanças palpáveis e permanentes dentro de uma comunidade caracterizada pela vulnerabilidade.
Respondendo portanto o questionamento inicial, é possível percebermos que o contexto da APS exige uma busca constante por soluções inovadoras para os problemas identificados dentro de um território, o que dialoga com o conceito de empreendedorismo. Para isso, muitas vezes precisamos ampliar nossas ferramentas para além dos muros da saúde, entendendo as necessidades da população atendida e buscando sempre a equidade no cuidado em saúde e dessa forma, auxiliando no processo de emancipação de indivíduos e comunidades para que conquistem mais liberdade e autonomia, objetivando uma maior participação popular e o empoderamento. Tal processo é um caminho longo a ser percorrido, pois exige que cada indivíduo entenda seu papel e suas capacidades dentro de seu contexto social, despertando mudanças progressivamente para que o grupo em que está inserido também possa empoderar-se.

Melhoria na qualidade de vida trazendo benefícios , fortalecimento e empoderamento

já puderam ser observados desde a realização da primeira feira. Devido à localização desfavorecida do território, a dificuldade de deslocamento e a quase inexistência de atividades laborais ou de lazer, a Feira de Empreendedorismo mostrou-se como uma ferramenta não só de promover oportunidades à mulheres vulneráveis, como também um ambiente que proporciona a interação entre toda a população, tornado-se um evento festivo. Além disso, muitas integrantes vem reinventando e inovando seus negócios, incentivando também outras feirantes.
Não podemos descartar também as questões econômicas envolvidas, já que a venda dos produtos permite melhorar as condições financeiras não só individuais, mas também promove uma maior circulação do dinheiro dentro da comunidade, o que cada vez mais vem estimulando o interesse de potenciais novas integrantes.

A saúde da Família também e empreendedora.

Principal

katiana caetano

katy24paulino@gmail.com

gerente

Coautores

Isabella Sterblich ,katiana Caetano , Felipe Corsini

A prática foi aplicada em

Todo o Brasil

Esta prática está vinculada a

USF Jaqueira Pirai/RJ

Rua Moacyr Barbosa 73

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

katiana caetano

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

29 mar 2024

e atualizada em

01 abr 2024

Início da Execução

01/06/2022

Fim da Execução

01/04/2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
Humanização na prática do cateterismo vesical de demora na atenção básica.
Paraíba
Práticas
Metodologias ativas no processo de atualização de profissionais de saúde: relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Incluir e apreender: parceria entre saúde e educação no acompanhamento multidisciplinar
Paraíba
Práticas
V amostra Paraíba, aqui tem SUS
Paraíba
Práticas
Autonomia reprodutiva: empoderamento de mulheres em vulnerabilidade através da inserção do DIU
Paraíba