Olá,

Visitante

Cooperação Técnico-Científica Entre o Instituto Nacional de Cardiologia e As Redes Regionais de Atenção Cardiovascular no Estado do Rio de Janeiro

O projeto Redes Regionais de Atenção Cardiovascular se desdobrará em diversas fases, representativas dos momentos inerentes a um Planejamento Estratégico Situacional.1.

Os problemas cardiovasculares são a principal causa de morte por doença no Brasil, responsáveis anualmente por uma média de 300 mil óbitos. Isso os torna, foco constante de atenção de gestores do SUS e um desafio de excelência à intervenção do INSTITUTO NACIONAL DE CARDIOLOGIA (INC). No Estado do Rio de Janeiro, a constatação de que grande parte dos seus 92 municípios, especialmente os localizados fora da grande área metropolitana não possuem protocolos de intervenção em agravos cardiovasculares e registro da realização de Eletro e Ecocardiograma pelo Sistema Único de Saúde (SUS) resultou em uma proposta inovadora do INC para auxiliar na qualificação da atenção cardiovascular nessas cidades fluminenses de pequeno e médio porte. Através da assinatura de Termos de Cooperação Técnico-Científico com consórcios regionais ou instituições jurídicas congêneres, visualizadas como potenciais aglutinadores de macrorregiões de saúde no estado, o INC estabelece com esses municípios apoio técnico-científico contribuindo e fomentando na estruturação de Redes Regionais de Atenção Cardiovascular, tendo como principal meta o enfrentamento conjunto do paradigma de baixa efetividade, da assistência aos agravos cardiovasculares, no pressuposto da busca de efetividade da assistência cardiovascular no “SUS Fluminense”.

Os resultados são os benefícios para o paciente e para o sistema de saúde como um todo: Pacientes que necessitavam se deslocar regularmente (as consultas são mensais) podem realizar o controle da anticoagulação mais próximo a sua residência com menor custo e tempo de deslocamento e consulta. Além disso, o centro especializado, no caso o INC, pode continuar absorvendo os novos casos e iniciar o novo tratamento até que o paciente esteja em condições estáveis para ser encaminhado ao polo descentralizado. Para o sistema de saúde porque organiza polos de anticoagulação que estarão capacitados a atender não só os pacientes oriundos do INC como a criar uma nova linha de atenção a este perfil de pacientes que hoje não contam com este tipo de serviço. Esta ação também gerará como ganhos para o Sistema a capacitação das equipes de saúde para identificação e manejo dos pacientes anticoagulados, uma vez que os polos deverão ser conformados dentro da rede hierarquizada de atenção.

Principal

Assessoria da Direção - Inc

A prática foi aplicada em

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

Rua das Laranjeiras, 374

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Assessoria da Direção - Inc

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Os caminhos para alcançar os indicadores de desempenho do Previne Brasil pelo município de Bom Jesus (PB)
Paraíba
Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
Humanização na prática do cateterismo vesical de demora na atenção básica.
Paraíba
Práticas
Metodologias ativas no processo de atualização de profissionais de saúde: relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Incluir e apreender: parceria entre saúde e educação no acompanhamento multidisciplinar
Paraíba