Olá,

Visitante

Construção da Rede Cegonha da Região Serrana do Rj: “Um Trabalho… de Parto#

A Rede Cegonha é uma estratégia que visa qualificar a assistência materno infantil e tem sido implantada no Brasil, gradativamente, desde 2011. Os critérios para sua implantação respeitam indicadores epidemiológicos, e os municípios podem aderir a esta estratégia através da Adesão Regional, Adesão Facilitada e Adesão Integrada (PMAQ). Para haver a Adesão Regional, os municípios devem fazer seus planos municipais e em seguida regionais, aprovarem em CIR e CIB, para poderem ser encaminhados para a Área Técnica do Ministério da Saúde e receber o recurso. A partir de 2011, os 16 municípios da Região Serrana do RJ nomearam seus Grupos de Trabalho (GT) para iniciarem a construção do seu Plano Regional. Esta Região conta com uma população de 936.284 pessoas, representando 5,69% da população total do Estado (IBGE, 2010). Os três municípios maiores são: Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo. O início do trabalho de construção do plano se deu num cenário pós-catástrofe ambiental que assolou a Região em janeiro de 2011, causando perdas incalculáveis, como destruição de Unidades de Saúde, via de transportes, além de 916 vítimas fatais, e 30 mil desabrigados. Em meio a tantos desafios, iniciou-se mais um, contínuo e persistente, dos técnicos da Região. Atores envolvidos: técnicos e gestores da CIR Serrana, SES RJ e MS. Perspectivas futuras Realização do III Seminário Regional de Boas Práticas Obstétricas, I Seminário Institucional na Maternidade do HAC, capacitação de mais técnicos em pré-natal e saúde da criança.

Qualificar a assistência materno infantil com a implantação da Rede Cegonha na região Serrana do Rio de Janeiro, tendo como dificuldade a escassez de recurso financeiro.

Perseverança e mobilização dos técnicos e municípios envolvidos. O apoio da SES e a parceria com as instituições de ensino foram fundamentais para a construção e alcance das metas.

Principal

Adriana Duringer Jacques, Márcia Sá Fortes Gullino de Faria, Fabíola Heck, Amanda Almeida Mudjalieb, André Luís Borges Pombo, Maria Izabel Vianna Lauer

dradri23@gmail.com

A prática foi aplicada em

Petrópolis

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

RUA AURELIANO COUTINHO - 2º ANDAR - CENTRO

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Adriana Duringer Jacques, Márcia Sá Fortes Gullino de Faria, Fabíola Heck, Amanda Almeida Mudjalieb, André Luís Borges Pombo, Maria Izabel Vianna Lauer

Conta vinculada

claudia.oliveira@fiocruz.br

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Programas de provimento médico federais: estratégias de monitoramento e avaliação municipais
Rio de Janeiro
Práticas
Acessibilidade no SUS: Implantação de um laboratório da Língua Brasileira de Sinais em unidades de Estratégia da Família em São Pedro da Aldeia
Rio de Janeiro
Práticas
Arte como instrumento de cuidado na Atenção Primária à Saúde
Bahia
Práticas
O Agente Comunitário de Saúde e a integralidade do cuidado no controle das Arboviroses.
Rio de Janeiro
Práticas
O Nasf de Armação dos Búzios como uma fênix em tempos sombrios: novas tecnologias a serviço do cuidado
Rio de Janeiro
Práticas
ATHIS Casa Saudável
Rio Grande do Sul
Práticas
Campanha Permanente de Castração de Cães e Gatos: Combate Estratégico às Zoonoses Centrado nos Princípios do SUS e no Conceito Território em Saúde, em Gurupi – To
Tocantins
Práticas
Cuidado de Enfermagem aos Portadores de Diabetes com “Pés Diabéticos” em Equipe de Estratégia Saúde da Família Relato de Experiência
Rondônia
Práticas
Territorialização e Expansão do Acesso na Atenção Básica em Pimenta Bueno: Redução de Nove para Duas Áreas des cobertas Pelos Agentes Comunitários de Saúde – Acs
Rondônia