Olá,

Visitante

Classificação de Risco Familiar em Unidades de Saúde no Município de Tauá

Objetivou-se identificar e classificar o grau de risco familiar nas Unidades de Saúde, bem como os fatores que contribuem para tal, por meio de um instrumento de avaliação multidimensional. Trata-se de estudo transversal com abordagem quantitativa, realizado nas Unidades de Saúde do município de Tauá, CE, com profissionais das Equipes de Saúde da Família e profissionais do Núcleo de Apoio à Saúde da Família, no período de Agosto de 2015 a Março de 2016. Foi realizada uma oficina sobre a Classificação por grau de risco das famílias com os profissionais das equipes saúde da família e NASF, para compreensão do processo (objetivo, metodologia e instrumento). A segunda etapa consistiu em definir as funções de cada membro da equipe de saúde na classificação de risco. Terceira etapa: representa a classificação em si das famílias. Quarta etapa: avaliação dos dados pela equipe e elaboração de estratégias para melhorar o acompanhamento das famílias.

A avaliação de risco familiar surge como uma proposta para diferenciar as famílias pertencentes a uma mesma área de abrangência, a fim de identificar fatores de risco que justifiquem a priorização do atendimento. O risco está relacionado à identificação da presença de características, seja na família ou no indivíduo a ela pertencente, que as coloquem sob maior ou menor probabilidade de exposição a fatores prejudiciais à saúde que possam vir a causar agravos de ordem física, psicológica ou social.

Este processo é de extrema relevância, pois desencadeia diversos outros, como organização do fluxo da unidade, agendamento da demanda de cuidado continuado, necessidade de priorizar visitas por agentes comunitários de saúde e equipes multiprofissionais e elaboração de planos de cuidados. Com o intuito de oferecer uma assistência mais equânime, as intervenções intersetoriais representam um desafio uma vez que demandam o envolvendo de outros parceiros, conforme a necessidade de cada família. A Identificação dos fatores de risco presentes nas famílias e a classificação das mesmas possibilitam maior compreensão dos profissionais da saúde sobre as vulnerabilidades das famílias atendidas, buscando contribuir para o redirecionamento do cuidado em saúde. Entende-se, também, que esses achados devam ser discutidos com a equipe da unidade, e com as famílias do território, por meio do conselho local de saúde, bem como com os órgãos municipais responsáveis por melhorias refletindo a necessidade de se estabelecer estratégias para priorizar ações àquelas de maior necessidade.

Principal

Anne Evelyn Gomes Serra

anneserra14@gmail.com

A prática foi aplicada em

Tauá

Ceará

Nordeste

Instituição

R. Cel. Lourenço Feitosa, 211

Uma organização do tipo

Foi cadastrada por

Anne Evelyn Gomes Serra

Conta vinculada

theoucunha@gmail.com

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Vivência em atendimento em grupo de portadores de Diabetes Mellitus da Esf Itapuca, Resende, RJ
Rio de Janeiro
Práticas
A descentralização das ações de controle da tuberculose no município de Volta Redonda
Rio de Janeiro
Práticas
O matriciamento de cardiologia e endocrinologia no fortalecimento a atenção à doenças crônicas
Rio de Janeiro
Práticas
A expansão do processo matricial no município de Volta Redonda – uma experiência exitosa
Rio de Janeiro
Práticas
A importância da equipe multidisciplinar no programa de osteoporose de Penedo – Itatiaia (RJ)
Rio de Janeiro
Práticas
Sensibilização da APS para o cuidado integral da população em situação de rua da cidade de Resende
Rio de Janeiro
Práticas
Coordenação do cuidado, ordenação da rede de atenção à saúde e o e-SUS AB como ferramenta de gestão
Rio de Janeiro