Olá,

Visitante

Aumento da Cobertura Vacinal em Ibiraci Após Implantação da Planilha Interação/Ação e Vacinação

Categoria não especificada

O município de Ibiraci é considerado de pequeno porte e apresenta o serviço de imunização de forma centralizada, apresentando desta forma alguns problemas e desafios como: o acesso da população rural, a interação com os demais setores, principalmente com a atenção básica e o não acesso, via sistema, do ACS ao cartão espelho das crianças. Varias estratégias foram adotadas, merece destaque a Planilha Interação/Ação e Vacinação, instrumento que o município adotou a acerca de 10 meses. Após algumas reuniões de educação permanente com os ACSs do município percebeu-se que estes profissionais possuíam várias dificuldades para interpretação da caderneta vacinal da criança, além de alegarem a sobrecarga de atribuições. A fim de intervir neste problema encontrado foi criado de forma conjunta com ESF, sala de vacina e coordenação um instrumento para facilitar a interpretação e a busca ativa dos faltosos, e também contribuir com a interação dos setores vacina/atenção básica. A Planilha Interação/Ação e Vacinação é atualizada mensalmente pela sala de vacina com dados de todas as crianças até 1 ano e 3 meses cadastradas no município e repassada para toda equipe da atenção básica. A planilha é feita para que seja fácil a interpretação da situação vacinal das crianças, em que os ACSs visualizam as crianças e as vacinas que estão atrasadas. A princípio a planilha era feita em documento de Word e compartilhada no grupo de whatssap. A medida que os ACSs fazem as visitas domiciliares de busca ativa de vacina é repassado para as vacinadoras os resultados obtidos. O prazo estabelecido para o feedback ao setor de imunização é de 30 dias. Para manter a planilha atualizada foi necessário o compartilhamento em nuvem pelo google drive facilitando ainda mais o controle e monitoramento entre a sala de vacina e as ESFs visto que o feedback é feito em tempo real. Citamos alguns pontos positivo: melhoria no trabalho em equipe entre sala de vacina e equipes de ESFs, resolutividade na busca ativa, qualificação profissional dos ACS. Como resultados quantitativos comprovados por relatórios de cobertura vacinal do SIPNI de criancas de 0 a 15 meses, observamos o aumento significativo se comparado Janeiro de 2022 e Janeiro 2023 e o selo Ouro “Bora Vacinar” do governo de Minas Gerais. Esperamos continuar traçando estratégias resolutivas a fim de manter os resultados alcançados e garantir a proteção das crianças Ibiracienses.

Considerando a centralização do Serviço de Imunização do município de Ibiraci os principais desafios encontrados foram:  Dificuldade do acesso da população rural a sala de vacina. Apesar do município ser considerado de pequeno porte e a sala de vacina estar localizada no centro da cidade a população rural tem menos acesso ao serviço de imunização.  Falta de trabalho em equipe entre os profissionais das ESFs, principalmente com os Agentes Comunitários de Saúde (ACS). Os ACSs são o elo com a comunidade e possuem como uma se suas atribuições a busca ativa dos faltosos da vacina. Os ACSs tem dificuldade de entender o seu papel dentro do programa nacional de imunização.  O ACS não tem acesso ao cartão espelho da criança no sistema;  O E-SUS não gera relatório das crianças que estão com vacina em atraso;  Dificuldades em estabelecer diálogo e parceria com setores da assistência social, educação e conselhos locais e municipal.

O município conseguiu no último ano desenvolver várias estratégias para suprir os problemas e desafios do serviço de imunização, que contribuíram de maneira significativa para o aumento da cobertura vacinal. Várias estratégias foram adotadas, merece destaque a Planilha Interação/Ação e Vacinação, instrumento que o município adotou a acerca de 10 meses. Após algumas reuniões de educação permanente com os ACSs do município percebeu-se que estes profissionais possuíam várias dificuldades para interpretação da caderneta vacinal da criança, além de alegarem a sobrecarga de atribuições. A fim de intervir neste problema encontrado foi criado de forma conjunta com ESF, sala de vacina e coordenação um instrumento para facilitar a interpretação e a busca ativa dos faltosos, e também contribuir com a interação dos setores vacina/atenção básica. A Planilha Interação/Ação e Vacinação é atualizada mensalmente pela sala de vacina com dados de todas as crianças até 1 ano e 3 meses cadastradas no município e repassada para toda equipe da atenção básica. A planilha é feita de modo que seja fácil a interpretação da situação vacinal das crianças, onde os ACSs visualizam as crianças e as vacinas que estão atrasadas. A princípio a planilha era feita em documento de Word e compartilhada no grupo de whatssap. A medida que as ACSs faz as visitas domiciliares de busca ativa de vacina é repassado para as vacinadoras os resultados obtidos, o prazo estabelecido para o feedback ao setor de imunização é de 30 dias. Para manter a planilha em tempo real ela foi necessário o compartilhamento em nuvem pelo google drive facilitando ainda mais o controle e monitoramento entre a sala de vacina e as ESFs visto que o feedbasck é feito em tempo real. Ficou pactuado como estratégia que após a sala de vacina receber o retorno da busca ativa dos ACSs, o não comparecimento a unidade da mãe com a criança sem justificativa prévia o serviço de imunização deverá acionar o conselho tutelar para garantir o direito da criança de receber as vacinas preconizadas pelo Ministério da Saúde.

Na Imunização a busca ativa dos faltosos é uma estratégia e atribuição de toda sala de vacina e equipes de ESFs. A planilha interação/ação e vacinação facilitou e tornou mais resolutivo este processo. Citamos como pontos positivos: melhoria no trabalho em equipe entre sala de vacina e equipes de ESFs, resolutividade na busca ativa, qualificação do profissional ACS. Como resultados quantitativos comprovados por relatórios de cobertura vacinal do SIPNI de crianças de 0 a 15 meses, observamos o aumento significativo se comparado Janeiro de 2022 e Janeiro 2023. Conforme tabela abaixo: Vacina Cobertura vacinal 2022 Cobertura Vacinal 2023 Rotavírus 77.14% 158,14% Hepatite B 102,86% 148,84% Pn 10 menor de 1 ano 77,14% 167,44% MCC menor de 1 ano 85,71% 158,14% Penta 102,86% 148,84% Febre amarela 111,43% 213,95% Pn 10 1 ano 77,14% 120,93% Mcc 1 ano 94,29% 102,33% SCR D1 77,14% 139,53% SCR D 2 128,57% 139,53% Varicela 120% 120,93% O aumento da cobertura vacinal possibilitou ao município de Ibiraci estar entre os 5 municípios da regional de saúde de Passos-MG e entre os 67 do Estado a receber o Selo ouro “Bora Vacinar” do estado de Minas Gerais. Esperamos continuar traçando estratégias resolutivas a fim de manter os resultados alcançados e garantir a proteção das crianças Ibiracienses.

Principal

Daiane Nascimento Vilela

Coautores

Lucimara Pereira Gonçalves

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Teste do Certificado
Minas Gerais
Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
A (in) visibilidade de quem está em situação de rua: caminhos possíveis para cuidado em saúde
Paraíba
Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
Do ambulatório LGBTQIAPNB+ ao Café com Diversidade: garantindo acesso e fortalecimento de vínculos
Paraíba
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba