Olá,

Visitante

Ações Desenvolvidas pela Vigilância Sanitária no Município de Cuité na Pandemia da Covid-19

Em março de 2020 fomos surpreendidos pelo Coronavírus , e começamos junto com a Procuradoria do Município a emitir Decretos e Protocolos Sanitários com o objetivo de proteger e promover a saúde da população, nesses Decretos que eram baseados em dados epidemiológicos e na classificação da bandeira do não normal feito pelo Governador do Estado. Os Decretos eram feitos quinzenalmente e foram emitidos protocolos sanitários para todos os estabelecimentos comercias. As ações educativas foram dirigidas a população em geral. No começo teve-se uma rejeição muito grande aos protocolos sanitários principalmente a adesão ao uso das máscaras. As ações foram executadas principalmente na Zona Urbana do município e algumas ações na Zona Rural, o período compreendido foi de março de 2020 a abril de 2022. A motivação de fazer esse projeto foi para mostrar experiências exitosas alcançadas pelas ações desenvolvidas ao longo desses 25 meses. Nos empenhamos em envolver toda a população nas atividades educativas , temos um feira livre de grande porte , que foi impedida de funcionar por um tempo e quando foi reaberta fizemos 07 (sete) ações educativas, inclusive realizando testagem, distribuição de mascaras e conscientização em locais de aglomerações como lotérica , bancos e onde se formasse filas , foi trabalhado bastante o distanciamento

O objetivo do presente projeto foi fazer uma Educação Continuada junto a população tendo em vista que a Covid-19 é uma infecção respiratória aguda causada pelo Coronavírus SARS-COV-2, potencialmente grave e de elevada transmissibilidade e de distribuição global. O SARS-COV-2, é um betacoronavirus descoberto em amostras de lavado bronco alveolar obtidas de pacientes com pneumonia de causa desconhecida na cidade de Wuhan província de Hubei, China, em dezembro de 2019. A vigilância sanitária de Cuité traçou um planejamento nas ações para poder conseguir alcançar bons resultados, tivemos muitas dificuldades nas implantações das ações até porque tudo era novidade, os nossos norteadores foram o Ministério da Saúde e a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), A Secretaria Estadual de Saúde e a Agencia Estadual de Vigilância Sanitária (AGEVISA). A Vigilância Sanitária utilizava-se de veículos de comunicação como internet e rádio, mas os focos maiores foram as ações executadas no corpo a corpo, foi feito material educativo: faixas foram colocadas nos principais pontos de acesso da cidade e os cartazes foram pregados em todos os estabelecimentos comerciais.

Termino concluindo que as ações desenvolvidas pela Vigilância Sanitária foram exitosas, com a sensação de dever cumprido e com o primeiro boletim de casos zerados no município, foi feito um decreto liberando o uso de mascaras em ambiente fechado e aberto após 25 meses de Pandemia, salientando que este decreto só foi possível devido estar com o percentual de vacinação D1- 89,36% e D2 85,23%. Continuaremos em alerta, pois a Pandemia não acabou, seguremos com os nossos monitoramentos e a educação em saúde continuada.

Principal

Mirian Venâncio Antunes dos Santos

mirian_venancio10@hormail.com

A prática foi aplicada em

Cuité

Paraíba

Nordeste

Instituição

Rua 15 de novembro,262

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Adriana Selis de Sousa

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

11 dez 2018

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Projeto social de controle populacional de cães e gatos como função de vigilância em saúde pública
Paraíba
Práticas
Vacinação nos espaços de formação: experiência no 2º Congresso Nordestino de Pediatria
Paraíba
Práticas
Controle das arboviroses no município de Brejo do Cruz – PB
Paraíba
Práticas
O Alcance dos indicadores da imunizaçâo do programa de qualificaçâo das ações de vigilância em saúde
Paraíba
Práticas
Acolhimento e seguimento intersetorial às crianças e adolescentes vítimas de violências
Paraíba