Olá,

Visitante

Ações de Apoio Matricial em Saúde Mental Junto a Atenção Primária de Jaraguá do Sul – Sc – Ampliando e Qualificando o Cuidado em Saúde Mental

FINALIDADE DA EXPERIÊNCIA: Atuar no cuidado de saúde mental no território com ações compartilhadas entre as equipes de Saúde Mental, Atenção Básica e de outros componentes da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS).DINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOS:Para a organização das ações as Unidades de Atenção Primária foram divididas em 05 regiões de saúde. Cada região conta com 05 Unidades Básicas de Saúde que contam com 01 profissional de saúde mental como apoiador matricial.INDICADORES/VARIÁVEIS/COLETA DE DADOS:Após 6 meses de avaliação por parte de profissionais da saúde mental e atenção básica (trabalhadores e gestores) das ações existentes e planejamento de novas ações possíveis, foram elencados os seguintes itens como indicadores da ação:•

Segundo dados de diversos estudos, 50% dos usuários que buscam atendimento na Atenção Básica possuem algum sofrimento psíquico, sendo que 10% são portadores de transtorno mental leve e moderado e 3% apresentam transtorno mental severo. Ainda, a Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde estimam que quase 80% dos usuários encaminhados aos profissionais de saúde mental não têm uma demanda específica para o atendimento especializado. Nesse sentido a OMS reforça que o manejo e tratamento de transtornos mentais na atenção básica é fundamental na garantia de acesso e qualificação do cuidado em saúde.Reconhecendo nos dois segmentos parceiros na atenção integral aos pacientes com sofrimento psíquico, entendemos que os trabalhadores da atenção básica ocupam um lugar estratégico no desenvolvimento das ações em saúde como dispositivo potente na prevenção e vigilância em Saúde Mental.O Ministério da Saúde, através do projeto de Humanização do SUS (2004), propõe o conceito de clínica ampliada e o termo equipe de referência, articulando atenção básica e saúde mental, designando o trabalho a ser feito no processo de viabilizar o acesso à saúde e a qualificação dos cuidados.Neste sentido, a Política de Saúde Mental (2003) e a Política Nacional de Humanização do Ministério da Saúde (2004) preconizam o Apoio Matricial como dispositivo de intervenção junto à Atenção Básica, pautado pela noção de território, intersetorialidade, integralidade, considerando o trabalho organizado pelo princípio de responsabilidade compartilhada entre a equipe de referência e serviços especializados, e o estabelecimento da continuidade na atenção em saúde. A experiência do Apoio Matricial reorganiza o atendimento em saúde mental a partir da rede básica, modificando a maneira de trabalhar o sofrimento psíquico na atenção básica, bem como estimulando a integração da rede.“O Apoio Matricial se configura como um suporte técnico especializado que é ofertado a uma equipe interdisciplinar de saúde a fim de ampliar seu campo de atuação e qualificar suas ações. Ele pode ser realizado por profissionais de diversas áreas especializadas” (Figueiredo, 2009).

Por meio do Apoio Matricial em Saúde Mental no município podemos estabelecer uma rede de comunicação e cuidado integral dentro do SUS, a partir da Saúde Mental e Atenção Básica. A inexistência de equipes de NASF no município, trouxe a necessidade de organizar a rede na busca de melhoria da resolutividade, da implantação de um manejo psicossocial com a clínica ampliada, a articulação intersetorial e a aproximação dos pontos de atenção que atende as pessoas em sofrimento mental. Acreditamos que com estas ações e a sua aprovação pelas equipes de saúde, teremos cada vez mais um cuidado integral, equânime, humanizado e articulado em rede no nosso município.

Principal

Denise Thum,Sibeli Cristina Weber Reichow, Jeovane Gomes de Faria, Ana Celia Miranda de Oliveira , Alair Terezinha Manoel Poluceno, Marcelo José Fontes Dias.

saude.coord.smental@jaraguadosul.sc.gov.br

A prática foi aplicada em

Jaraguá do Sul

Santa Catarina

Sul

Instituição

R. Isidoro Pedri, 120

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Denise Thum,Sibeli Cristina Weber Reichow, Jeovane Gomes de Faria, Ana Celia Miranda de Oliveira , Alair Terezinha Manoel Poluceno, Marcelo José Fontes Dias.

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

12 nov 2022

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
A importância do trabalho em rede para a efetivação da reinserção social aos dependentes químicos enquanto sujeitos de direitos: observações acerca do eixo reinserção social no Centro de Acolhimento e Atenção Integral Sobre Drogas do município de Cachoeiro de Itapemirim (ES)
Espírito Santo
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Explorando as possibilidades: atividade aquática no tratamento de TEA no município de Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Inovação do cuidado em saúde mental no município de São José do Sabugi-PB a partir da prática.
Paraíba
Práticas
Em boas mãos: valorização dos profissionais de saúde e os impactos na proatividade em Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Protocolo de passagem de plantão no serviço residencial terapêutico: um relato de experiência
Paraíba
Práticas
Ressignificando vidas através das artes manuais: uma vivência do CAPS I Umbuzeiro-PB
Paraíba