Olá,

Visitante

Abordagem À Sexualidade das Adolescentes na Atenção Primária da Saúde – Um Espaço para Educação em Saúde

Objetivo: Traçar o perfil epidemiológico de um time de futebol feminino (com idade entre 12 e 19 anos) de um município do vale do Jequitinhonha. Métodos: Estudo transversal, a partir da aplicação de questionário sobre o conhecimento a cerca da sexualidade. Em um segundo momento, foi realizado uma ação de intervenção com as participantes como forma de educação em saúde.Resultados: Uma ação de promoção e prevenção da saúde foi realizada em uma conversa de mulher para mulher, com a participação de 20 adolescentes e uma fisioterapeuta. A idade média da amostra foi de 15,5 anos, 2 das participantes já eram mães e 100% delas eram solteiras. Entre as adolescentes 40% têm vida sexual ativa, sendo que entre estas, 6 têm parceiro fixo e 2 não. Das que praticam relações sexuais, 5 se consideram prevenidas com o uso de camisinha e 3 com pílula anticoncepcional. Ao serem indagadas sobre os métodos contraceptivos, 90% da amostra citou a camisinha, 85% a pílula anticoncepcional e 25% o dispositivo intrauterino, nenhum outro método foi citado. Quando questionadas sobre as situações de risco para adquirir o vírus da AIDS, nenhuma acredita existir risco em um aperto de mão ou abraço e nem pelo suor ou lágrima. Quanto as seguintes situações, sexo sem camisinha porém usando anticoncepcional, compartilhar seringas, sexo oral sem camisinha, 85% julgam ser situações de risco, sexo anal sem camisinha 95% delas, e ressalta-se que 65% da amostra veem a doação de sangue como situação de risco para se adquirir AIDS. De acordo com a amostra avaliada, os conhecimentos sobre sexo e sexualidade são adquiridos pela televisão (25%), internet (40%), profissional de saúde (15%), professores (0%), pais (25%). Conclusão: Os resultados permitem vislumbrar o perfil epidemiológico desse público alvo, possibilitando intervenção do serviço de saúde. Ainda, destaca-se a carência de ações para promoção de conhecimentos quanto a sexo e sexualidade para esta faixa etária, o que demonstra necessidade de elaboração de políticas públicas de saúde e reestruturação organizacional dos serviços.

Adolescentes estão iniciando cada vez mais cedo a vida sexual, na maioria das vezes sem um mínimo conhecimento de proteção à saúde. De acordo com o Ministério da Saúde a idade média do início da vida sexual encontrada em 1984 foi de 16 anos entre as mulheres da faixa etária entre 16 e 19 anos. Já em 1998, a idade média verificada diminuiu para 15,2 anos.

Principal

Priscila Cristian do Amaral

A prática foi aplicada em

Presidente Kubitschek

Minas Gerais

Sudeste

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Outra

Foi cadastrada por

Priscila Cristian do Amaral

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

04 dez 2015

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Assistência odontológica aos trabalhadores da saúde municipal de Esperança: relato de experiência
Paraíba
Práticas
Caminhos do Cuidado, levando serviços de saúde para as comunidades rurais no município de Condado (PB)
Paraíba
Práticas
Gestar saudável – de 0 a 1000 dias
Paraíba
Práticas
Mapa territorial em saúde mental: instrumento exitoso do cuidado na atenção primária à saúde
Paraíba
Práticas
Implementação da estratégia Tenda da Imunização para aumento de coberturas vacinais
Todos os Estados (Nordeste), Paraíba
Práticas
Estratégias de imunização em município do interior da Paraíba resulta em 1º lugar no estado durante campanha de influenza 2024 : relato de experiência
Paraíba