Olá,

Visitante

A Regulamentação do Conceito Vaga Zero na Região Centro Sul Fluminense, Como Um Mecanismo do Direito a Vida e a Saúde nos Casos de Emergência e Urgência.

O presente trabalho traz como proposta a divulgação de uma exitosa prática de gestão desenvolvida na Região Centro Sul Fluminense, que promoveu um melhor acesso aos pacientes a Atenção Hospitalar, não aceitando a alegação da inexistência de leitos vagos como argumento para não direcionar os pacientes. Sabemos que isto é uma questão complexa e de difícil resolução, pois há uma evidente desproporção entre oferta e demanda de leitos. De um lado pacientes em situação de risco que necessitam vagas em serviço mais complexo e melhor estruturado, e do outro lado, serviços de urgência que trabalham com sobrecarga de pacientes graves. Muitos conflitos se estabelecem entre médicos que atuam no sistema, responsáveis diretos pelo atendimento às pessoas. Sempre que existir ameaça do Direito a vida, o paciente se enquadrará em situação de risco, merecendo além do atendimento ao tratamento para que se salve da situação da morte.A politica de “VAGA ZERO”, na realidade, corresponde à obediência de uma normativa gerada pela interpretação conjunta da Constituição Federal, da Lei Orgânica da Saúde e da Portaria MS nº 2.048, de 5 de novembro de 2002.No estado do Rio de Janeiro não existe legislação própria que regulamenta as funções do Regulador Assistencial de Saúde, definindo competências técnicas específicas, inclusive, de autoridade gestora.No intuito de regulamentar um mecanismo para garantir o atendimento hospitalar de pacientes em casos de urgência, foi elaborada uma minuta de Deliberação da CIR, que pactua as atribuições e funções do Médico Regulador.

Estabelecer as atribuições e os poderes de Autoridade de Regulação Regional ao Médico Regulador vinculado a Central de Regulação Médica de Urgências (SAMU-192), no âmbito da Rede de Atenção as Urgências e Emergências (RUE) da Região Centro Sul.

Com este trabalho, esperamos uma diminuição sensível da mortalidade e morbidade dos pacientes, e uma melhora significativa dos indicadores de saúde com redução dos custos no tratamento do paciente com sequela.Esperamos que a Política Nacional de Atenção às Urgências seja implementada em sua totalidade, garantindo o impacto positivo desejado na qualidade de vida e saúde da população Centro Sul Fluminense evitando refluxo ou fragilização nos importantes avanços alcançados até o momento com o desenvolvimento de seu componente pré-hospitalar móvel e Fixo suas centrais de Regulação.Conclui-se então de que compete ao Médico Regulador vinculado a Central de Regulação Médica de Urgências no âmbito da RUE, no exercício de sua competência legal sanitária, decidir, em tempo e modo próprios, pelo destino hospitalar dos pacientes, naquelas situações de inexistência de leitos vagos (a chamada “vaga zero” para internação).Este trabalho vai trazer a tona algumas discussões no estado, no âmbito da RUE, já que muitos hospitais, UPAs e Pronto Atendimento se recusam a atender pacientes conduzidos por ambulâncias do SAMU, Corpo de Bombeiros e outros. O Sistema deve ser capaz de prestar o primeiro atendimento redirecionando-o para os locais adequados à continuidade do tratamento, através do trabalho integrado da Central de Regulação Médica de Urgências com outras Centrais de Regulação, procedimentos de alta complexidade, internações e atendimentos domiciliares, transporte sanitário não urgente, informações e outros serviços e instituições, como por exemplo, Corpo de Bombeiros, as Polícias Militares, Concessionárias e a Defesa Civil.

Principal

Romero Chartuni Bandeira , Ricardo Martello, Liliane Médici Bandeira, Carlos Augusto Lopes, Alessandra Silva Ferreira E Adriana Mendes Barroso

rbandeira@yahoo.com

A prática foi aplicada em

Três Rios

Rio de Janeiro

Sudeste

Instituição

RUA DA MAÇONARIA, 320 - CENTRO

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Romero Chartuni Bandeira , Ricardo Martello, Liliane Médici Bandeira, Carlos Augusto Lopes, Alessandra Silva Ferreira e Adriana Mendes Barroso

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Teste: verificando o recurso de emissão de certificados
Todos os Estados (Sudeste)
Práticas
Gestão de saúde em Queimadas – PB: uso estratégico da informação no planejamento das ações
Paraíba
Práticas
Implantação e ampliação de Serviço Especializado em município do sertão da Paraíba
Paraíba
Práticas
Gestão de saúde de Cabedelo na implantação da nova lei de licitações: desafios e conquistas
Paraíba
Práticas
Processo de elaboração do Plano Municipal de Saúde 2022-2025- relato de experiência.
Paraíba
Práticas
INFORMATIZAÇÃO DA REGULAÇÃO MUNICIPAL COM A ATENÇÃO PRIMÁRIA COMO COORDENADORA DO CUIDADO
Rio de Janeiro
Práticas
A importância da implantação de sistema de regulação de exames no Município de mendes.
Rio de Janeiro