Olá,

Visitante

A importância do trabalho em rede para a efetivação da reinserção social aos dependentes químicos enquanto sujeitos de direitos: observações acerca do eixo reinserção social no Centro de Acolhimento e Atenção Integral Sobre Drogas do município de Cachoeiro de Itapemirim (ES)

Compreendendo que a temática drogas e a dependência química são assuntos complexos e muitas vezes excludente, pessoas com problemas decorrentes do uso de substâncias psicoativas tem seus direitos minimizados ou mesmo suprimidos em vários contextos, e por vezes, não consegue se reinserir na sociedade justamente por não acessar os serviços e obter as informações necessárias e corretas para tal, pois, a desinformação também é uma violação de direitos.
Ao acessar a rede o indivíduo será inserido em serviços, programas e ou projetos que o fortalecerá e fará com que tenha conhecimento de que essa doença perpassa por diversas áreas de sua vida e que o biopsicossocial precisa estar em harmonia, inclusive, os vínculos familiares e sociais.
Deste modo, articular e provocar a rede é fundamental para que a reinserção social aconteça efetivamente, haja vista que a dependência química é multifatorial, a pessoa que possui problemas decorrentes do uso de substâncias precisa de acolhimento, cuidados e tratamento, assim, a articulação em rede se faz tão importante, pois, implica na ampliação do cuidado.

Atuar na continuidade do tratamento para a dependência química através da reinseção social no CAAD – Centro de Acolhimento e Atenção Integral Sobre Drogas – Rede Abraço do Governo do Estado do Espírito Santo.
A Rede Abraço é um programa do Governo do Estado do Espírito Santo, coordenado pela Subsecretaria de Estado de Políticas Sobre Drogas (SESD), e vinculada ainda a SEG – Secretaria de Estado de Governo, que tem como principal objetivo ofertar atendimento, tratamento e o cuidado aos capixabas que possuem problemas relacionados ao uso de drogas e aos seus familiares, os quais, por vezes encontram-se inseridos nesse contexto do atravessamento do uso de substâncias mesmo que indiretamente.
CAAD – Centro de Acolhimento e Atenção Integral Sobre Drogas do município de Cachoeiro de Itapemirim – ES: Equipamento de porta aberta para atender pessoas com problemas decorrentes do uso de álcool e ou outras drogas e seus familiares.
Visando ampliar a oferta de atendimentos aos dependentes químicos do estado, bem como aos seus familiares, o atual governo, no ano de 2021 implantou mais dois equipamentos, um na região sul e outro na região norte do estado, assim, esse equipamento facilita o acesso dos capixabas que possuem problemas relacionados ao uso de álcool e ou outras drogas aos serviços ofertados. O CAAD da região Sul atende os 26 municípios inseridos em tal.
Em tempo, é importante dizer que o Programa Estadual de Ações Integradas Sobre Drogas (PESD) possui quatro eixos que são fundamentais para a sua organização, sendo eles: a prevenção, o tratamento, pesquisas e avaliações e aqui enfatizamos a reinserção social e estudos.

A Reinserção Social contribui factualmente como modalidade de tratamento para a dependência química, pois, envolverá além do dependente, os familiares, comunidade, instituições políticas, políticas públicas e sociais e demais atores, fazendo com que ele não seja público apenas de “caixinhas” ora citada, mas sim, garantindo sua absoluta inserção em todos os serviços que demandar. “O dependente químico deve contar com apoio assistencial que compreenda o amparo às suas necessidades fundamentais”. (Brasil. Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome. 2023).
“A recuperação e a reinserção do indivíduo na sociedade é tarefa não somente do Estado, pois se trata de um assunto de extrema complexidade e que abrange o desejo de ser uma nova pessoa, à família e a sociedade”. (Pessoa, 2009), assim, a Reinserção Social inicia-se no momento em que a pessoa entende que precisa de ajuda e a busca, seja na família, no território ou nos serviços ofertados.

Contribui para a inserção e acompanhamento do sujeito na Rede; inserção em qualificação profissional; contribuição na elvação do grau de escolaridade e inserção ou mesmo a reinserção no mercado de trabalho; fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários, acesso a cidadania e a contribuição para o reconhecimento de sua identidade.

Perante o exposto, a equipe de reinserção social atuante no CAAD – Centro de Acolhimento e Atenção Integral Sobre Drogas de Cachoeiro de Itapemirim-ES, atua com base no Plano Geral de Reinserção Social, o qual foi elaborado em 2020. Assim, a atuação em reinserção social está articulada a outros equipamentos dos municípios que compõe a rede sul do estado, contribuindo na inserção do “acolhido” nas políticas de saúde, assistência social, educação, habitação e demais que se fazem necessárias mediante as demandas apresentadas.
É válido salientar que não basta apenas realizar encaminhamentos, mas sim, acompanhar, deste modo, ao ser encaminhado à rede, ao menos uma vez ao mês são realizados contatos tanto com o acolhido quanto com a equipe do equipamento/serviço o qual foi direcionado, além, de ofertar e inseri-lo nos atendimentos ofertados no próprio CAAD, os quais são: Avaliação e acompanhamento médico, psicológico, social e grupos terapêuticos para o próprio acolhido e também para os familiares visando atuar na codependencia e trabalhar os fortalecimentos dos vínculos familiares.
Através de parcerias são ofertados ainda o acesso serviços para a reinserção ou mesmo a inserção no mercado de trabalho; qualificação profissional; elevação do grau de escolaridade; emissão de segunda via de documentação civil e encaminhamentos para serviços de atendimento tanto na atenção básica, quanto na média e alta complexidade quando se faz necessário, dentre outros serviços, o que, atuando junto ao acolhido e levando em consideração suas decisões e objeções, ou seja, a voluntariedade, compreenderá em sua reinserção social e consequentemente na continuidade no tratamento para a dependência química.
Enquanto o estado e a sociedade não compreenderem que a dependência química é uma doença incurável e que pode ser fatal ou mesmo desencadear corpulentos prejuízos tanto na vida do dependente químico, quanto de seus familiares e comunidade, muitas pessoas continuarão sendo segregadas e tendo direitos violados.
A desinformação é um dos maiores desafios enfrentados pelos profissionais que atuam na linha de frente com pessoas com problemas decorrentes do uso de álcool e ou outras drogas e saúde mental.
Por fim, a articulação em rede quando bem executada contribui não apenas na reinserção social, como também, na disseminação da informação de como a dependência química é nociva e que existem inúmeras ferramentas que são suporte e que suas ofertas estão previstas em leis, garantidas pelo estado com a colaboração de todos.
pendência química é multifatorial.

Principal

ROBERTO DORNELAS VILETE

robertovilete@gmail.com

ASSISTENTE SOCIAL

A prática foi aplicada em

Cachoeiro de Itapemirim

Espírito Santo

Sudeste

Esta prática está vinculada a

RUA DR RAULINO DE OLIVEIRA, 56, CENTRO, CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

ROBERTO DORNELAS VILETE

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

24 abr 2024

e atualizada em

24 abr 2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Explorando as possibilidades: atividade aquática no tratamento de TEA no município de Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Inovação do cuidado em saúde mental no município de São José do Sabugi-PB a partir da prática.
Paraíba
Práticas
Em boas mãos: valorização dos profissionais de saúde e os impactos na proatividade em Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Protocolo de passagem de plantão no serviço residencial terapêutico: um relato de experiência
Paraíba
Práticas
Ressignificando vidas através das artes manuais: uma vivência do CAPS I Umbuzeiro-PB
Paraíba