Olá,

Visitante

A expansão do processo matricial no município de Volta Redonda – uma experiência exitosa

No cotidiano da Atenção Primária em Saúde (APS) é comum a presença de mulheres nas diversas faixas de idade. Nem sempre as consultas são para a finalidade de atenção a saúde da mulher e sim para doenças crônicas, situações agudas ou até para cuidado de outro ente do domicilio. Segundo trabalho publicado por Lima et. al. (2015) ainda há uma defasagem na resolutividade das principais queixas e na oportunização do cuidado na saúde da mulher. Estruturado por Gastão Wagner Campos (1999), o processo matricial tem como objetivo um cuidado colaborativo e uma construção de uma proposta de intervenção em um olhar pedagógico-terapêutico. Para Gonçalves et al.(2011), o matriciamento poderá utilizar de diversos instrumentos, como interconsultas, visita domiciliar conjunta, grupos, educação permanente, abordagem familiar entre outros para atingir seus objetivos a depender da equipe de trabalho. Conforme propõe Figueiredo e Campos (2009), o apoio matricial não deve ser confundido como uma consulta intinerante com o especialista, mas sim deve ser entendido como uma forma de empoderamento dos profissionais de saúde e uma oportunidade de adquirir novas habilidades e conhecimentos.

Pensando na crescente demanda pelo atendimento em saúde da mulher e a necessidade constante de processos de educação continuada para capacitar os profissionais da APS, visando garantir a resolutividade, o município de Volta Redonda adotou o processo matricial em Ginecologia e Obstetrícia para médicos e enfermeiros.

Desde o inicio da expansão do processo matricial em Saúde da Mulher, em 2022, os profissionais foram acompanhando mensamente através do sistema, o número de encaminhamentos para a atenção especializada, demonstrando uma redução gradual dos encaminhamentos para ginecologia e mastologia, com melhoria da estratificação de risco. Na Obstetrícia, a fila de espera tornou-se imediata, pois a sistematização do cuidado, melhora o reconhecimento de fatores de risco que possam prejudicar o desfecho materno fetal.
Com um processo matricial contínuo, o município ganhou profissionais reguladores, dessa forma semanalmente ambas as filas são revistas e reguladas, favorecendo o acesso a pacientes com necessidade de exames de alto custo.
A sistematização do cuidado, melhora ainda, a aderência da paciente ao uso da APS, melhorando o vínculo dessa com o profissional alocado no seu território, melhorando assim os indicadores locais e promovendo a autonomia e empoderamento dos profissionais.

Principal

Tássio de Faria Huguenin

tassioaps@gmail.com

Apoio médico

Coautores

Tássio de Faria Huguenin,Vanessa de Lima Huguenin,Juliana Monteiro Ramos Coelho, Isabella Fudisaki Blachessen, Hélia Paula Maia Brum, Stella Maris Gomes de Amorim Anna Clara Belmudes Figueiredo Mariana de Oliveira Marinho Marcelo Mota Nogueira Gabrielly Ferreira Lais Cabett

A prática foi aplicada em

Volta Redonda

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

R. São João Batista, 35 - Niterói, Volta Redonda - RJ, 27215-390

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Tássio de Faria Huguenin

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

19 fev 2024

e atualizada em

19 fev 2024

Início da Execução

01/02/2022

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Implantação de laserterapia na rede de atenção à saúde de Pilar (PB): relato de experiência
Paraíba
Práticas
Atenção e cuidado ao paciente portador de feridas no SUS em Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Oferta e Inserção do DIU pelo Enfermeiro na Atenção Primária a Saúde do Município de Assunção
Paraíba
Práticas
A prática da natação para crianças e adolescentes com deficiência em município do sertão paraibano
Paraíba
Práticas
Potencializando ações e atendimentos itinerantes nos bairros para melhoria e alcance de metas
Paraíba
Práticas
Implantação do cuidado farmacêutico na atenção básica, integrando farmácia a rede de atenção a saúde
Paraíba
Práticas
A eficácia do instrumento de classificação de risco gestacional na atenção primaria à saúde.
Paraíba