Olá,

Visitante

A descentralização das ações de controle da tuberculose no município de Volta Redonda

A tuberculose está entre uma das seis prioridades do Pacto pela Vida, devendo portanto, os municípios atingirem uma marca de 85% de cura de novos casos nos municípios prioritários. Para isso os gestores municípais devem promover programas individualizados atravez de diretrizes colaborativas para iniciar as medidas de ações na descentralização.
Como resposta ao atual cenário epidemiológico, a própria Organização Mundial de Saúde, tem formulado estratégias de fortalecimento ao combate da TB, incluindo ações intersetoriais, o enfrentamento dos determinantes sociais da doença e um cuidado centrado no paciente articulado em rede.
Baseado nesse contexto, a descentralização do tratamento da TB para a Atenção Primária em Saúde (APS) visa ampliar o acesso da população dentro do seu território e também de fortalecer as ações de controle da doença, educação em saúde e facilitação do acesso aos pacientes com maiores necessidades.

Com base na estratégia acima descrita, o município de Volta Redonda, iniciou em agosto de 2023 o processo de descentralização do cuidado da tuberculose a partir de capacitações sistematizadas, apoio matricial e a disponibilização de protocolo municipal para todos os profissionais que trabalham na APS no município.

Com o inicio das ações para a descentralização, houve a elaboração de um material próprio do município com ações regionais baseado no território de Volta Redonda. A organização de um fluxo de cuidado corroborou para uma melhor estratificação dos pacientes que devem seguir seu tratamento na APS e os que devem seguir na política de tuberculose no CDI. Há uma melhor organização do cuidado tanto a nível de atenção especializada quanto a nível atenção terciária (rede hospitalar), promovendo um longitudinalidade do cuidado.
Houve aumento da procura de sintomáticos respiratórios pela unidade e um conhecimento maior das unidades do seu território e das áreas de vulnerabilidade e riscos para tuberculose. Além disso, o fortalecimento da rede e a constante capacitação profissional vão otimizando e melhorando a rede de cuidado.

Principal

Tássio de Faria Huguenin

Coautores

Vanessa de Lima Huguenin , Hélia Paula Maia Brum , Marcilea Dias de Sá , Maria Elizabele de Aguiar Rangel , Graziele Diniz Freitas , Albanéa Baylão Trevisan , Silvia Mello dos Santos , Stella Maris Gomes de Amorim , Maria da Conceição De Souza Rocha

A prática foi aplicada em

Volta Redonda

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

R. São João Batista, 35 - Niterói, Volta Redonda - RJ, 27215-390

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

Tássio de Faria Huguenin

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

19 fev 2024

e atualizada em

22 mar 2024

Início da Execução

01/08/2023

Condição da prática

Andamento

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
Humanização na prática do cateterismo vesical de demora na atenção básica.
Paraíba
Práticas
Metodologias ativas no processo de atualização de profissionais de saúde: relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Incluir e apreender: parceria entre saúde e educação no acompanhamento multidisciplinar
Paraíba
Práticas
V amostra Paraíba, aqui tem SUS
Paraíba
Práticas
Autonomia reprodutiva: empoderamento de mulheres em vulnerabilidade através da inserção do DIU
Paraíba