Olá,

Visitante

A Construção do Fluxo de Atendimento de Crianças e Adolescentes Que Vivem com Hiv/Aids : a Experiência da Secretaria Municipal de Saúde de Santa Maria, Rs.

FINALIDADE DA EXÉRIÊNCIAA pessoa com HIV/AIDS deve receber assistência de forma regionalizada e inserida no seu território de maneira que atenda a sua integralidade com a descentralização do cuidado, onde a Atenção Primária em Saúde (APS) absorve esse usuário encaminhando-o para as especialidades, se necessário. Diante disso, percebeu-se que Santa Maria necessita firmar parcerias para que sejam tomadas condutas e criados fluxogramas que atendam à demanda, com vistas a melhorar a assistência em todos os níveis de complexidade, com o propósito de reduzir a incidência de casos de agravo e promover a adesão ao tratamento. As crianças e adolescentes necessitam de uma assistência ampliada que envolve outros profissionais como pediatria, infectologista, psicólogo e serviço apoio aos familiares, com acompanhamento constante. Devido à complexidade de cada caso, fluxo de atendimento e bem-estar do paciente, ficando evidenciada a cada reunião a importância dos encontros e do tema em pauta.DINÂMICA E ESTRATÉGIAS DOS PROCEDIMENTOS USADOSAs reuniões orientadoras da proposta da construção do fluxo de atendimento de crianças e adolescentes que vivem com HIV/AIDS de Santa Maria RS, iniciaram-se no Núcleo de Educação Permanente em Saúde (NEPeS) com a participação dos atores envolvidos, de todos os níveis de complexidade. Foram discutidos vários casos e relatos e realizadas trocas de experiências. A tomada de decisões ocorreu de maneira diplomática e pactuada com cada setor envolvido, visando a melhoria do atendimento e bem-estar do paciente, ficando evidenciada a cada reunião a importância dos encontros e do tema em pauta.INDICADORES/VARIÁVEIS/COLETA DE DADOS:A construção do fluxograma está sendo concluída, bem como o fechamento com toda a equipe sendo esse o objetivo dos profissionais envolvidos e mesmo da mestranda que teve a iniciativa de reunir o grupo. O fluxo está de acordo com as necessidades do usuário, respeitando uma logística adequada aos diversos níveis de complexidade e pactuada como o acordo comum da equipe.OBSERVAÇÕES/AVALIAÇÃO/MONITORAMENTO:Os médicos envolvidos, bem como toda a equipe, estabeleceram um vínculo de parceria muito interessantes.

Devido aos dados epidemiológicos referentes à incidência de HIV/AIDS no município de Santa Maria RS publicados pelo Ministério da Saúde (MS) houve a necessidade de propor estratégias de melhoria à atenção ao paciente e promover a aproximação com outros setores que desenvolvem atividades de assistência ao portador do vírus HIV. Por iniciativa de uma mestranda em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), iniciaram-se as discussões para a construção do fluxo de atendimento de crianças e adolescentes portadores do vírus HIV/AIDS. A criança HIV ou a criança exposta ao HIV necessita da assistência mais específica e da supervisão de uma pediatra. Devido à falta desse profissional no quadro de funcionalismo municipal e também, de estrutura física para atender tais pacientes, o Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM), tem prestado esse atendimento, mas, como resultado de um acordo firmado com o serviço. Diante da definição de que a pessoa soropositiva é portadora de uma doença crônica, destaca-se a necessidade de estabelecer uma linha de cuidado às pessoas vivendo com HIV/AIDS, visto que o estado, através da resulução235/14, está em fase de implantação, a nível estadual, sendo o RS pioneiro no país.

Como impacto espera-se a diminuição dos agravos dos portadores de vírus HIV. Através de medidas de promoção e prevenção pretende-se diminuir o número de novos casos e, principalmente, reduzir o aparecimento de doenças oportunistas.Foi fundamental para a valorização da importância do tema e o estímulo à união dos diversos profissionais das equipes dos vários setores e também a facilidade do acesso do paciente ao serviço sendo esse o fator desencadeador na adesão à linha de cuidado de pessoas convivendo com HIV/AIDS.

Principal

Vânia Maria Fighera Olívio

saude@santamaria.rs.gov.br

A prática foi aplicada em

Santa Maria

Rio Grande do Sul

Sul

Instituição

Av. Medianeira, 355.

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Vânia Maria Fighera Olívio

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

08 jan 2016

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
ADESÃO DAS GESTANTES AO PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Paraíba
Práticas
A PRÁTICA DE PRIMEIROS SOCORROS NO CONTEXTO DE UM CURSO TÉCNICO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE
Paraíba
Práticas
Programa Bolsa Família: processo formativo para profissionais da atenção primária
Paraíba
Práticas
Humanização na prática do cateterismo vesical de demora na atenção básica.
Paraíba
Práticas
Metodologias ativas no processo de atualização de profissionais de saúde: relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Incluir e apreender: parceria entre saúde e educação no acompanhamento multidisciplinar
Paraíba
Práticas
V amostra Paraíba, aqui tem SUS
Paraíba
Práticas
Autonomia reprodutiva: empoderamento de mulheres em vulnerabilidade através da inserção do DIU
Paraíba