Olá,

Visitante

10 Passos para Aumentar a Cobertura Vacinal

Categoria não especificada

Este estudo trata-se de um relato de experiência sobre a intensificação e implementação dos 10 passos para a ampliação da cobertura vacinal na Atenção Primária à Saúde. A implementação dos 10 passos foi capaz de informar, esclarecer e orientar sobre relevantes aspectos de gerenciamento do processo da imunização no município. Forneceu elementos capazes de contribuir para a construção do conhecimento e desenvolvimento profissional e melhora das praticas de vacinação.

Conforme o relatório do Imuniza SUS sobre o estudo retrospectivo sobre cobertura vacinal no Brasil, foi identificado a diminuição da cobertura de seis vacinas (Poliomielite, Hepatite A, Meningocócica C, Rotavírus, Pentavalente, e Hepatite B), as quais diminuíram de 18 a 21 pontos percentuais a partir de 2016. E suas causas atribui-se ao crescimento da desinformação sobre questões relacionadas à pandemia, a interrupção de serviços e da cadeia de suprimentos. Além disso, a homogeneidade, que é um importante indicador que se traduz como a obtenção da meta estabelecida pelo Estado em 75% ou mais na cobertura vacinal, e que diz muito sobre a obtenção da imunidade comunitária, fica comprometida com a queda de cobertura observada.

Implantou e implementou os 10 passos para atingir as metas de cobertura vacinal preconizadas pela Cartilha do Ministério da Saúde para cada imunobiológico do calendário nacional de vacinação das crianças menores de 5 anos. O municpio de Aparecida é considerado atípico em relação à outros municípios. Realizar campanha nos finais de semana sempre foi um problema. Nossa realidade difere de muitos por ser um município voltado ao turismo religioso que nos fins de semana e feriados sua população de aproximadamente 37 mil habitantes triplica. O município tem 100% de cobertura de Atenção Básica realizada por 7 ESFs e 3 EAP. Com o impacto da pandemia os processos de trabalho se perderam, foi preciso retomar esses processos. O primeiro passo foi realizar um planejamento dos processos que devem ser executados por toda equipe de imunização desde o Coordenador da rede de frios até o ACS que visita a população. Esse planejamento foi construido juntamente com cada sala de vacina. O proximo passo foi realizar a modelagem dos fluxos de trabalho a introdução dos POPs e Checklist nas salas de vacina, definindo as etapas de cada um dos processos compreendendo a conexão entre eles e identificando os responsáveis por sua execução. Depois de planejar e modelar os processos, foi fundamental colocá-los em prática, visando compreender e adequado às necessidades de cada sala de vacina e também se existem pontos que não foram considerados em sua construção. Foi realizado as capacitações com os profissionais. Com o checklist foi introduzido a cartilha com os 10 passos que contribuiu e fortalecer as ações como combater a desinformação da população em relação à vacinação; os processos de trabalho voltados à imunização foram retomados; para fortalecer o sistema de informação foi introduzido também, o uso de tecnologia de midia para disparo de mensagens via whatsap. Com o panejamento foi possível garantir o abastecimento contínuo de insumos melhorar as estruturas físicas e espaços da Rede de Frio e espaço físico para armazenamento de insumos estratégicos. A coordenação de Imunização e Vigilância Epidemiológica passaram a supervisionar as salas de vacinas e acompanhar as coberturas juntamente com as equipes e suas ações para a recuperação das Metas de Coberturas Vacinais. A equipe passou a trabalhar em rede de apoio entre secretaria, vigilância e atenção básica. A equipe se sentiu mais estimulada para promover as ações de vacinação e que facilitem o acesso da população aos pontos de vacinação.

A relevância da recuperação das metas de Cobertura Vacinal (CV) reside na evidente queda das CVs e mantê-las altas e homogêneas, para promover a proteção de indivíduos e também a proteção coletiva. A redução das CV’s causa o avanço de doenças já equacionadas e o ressurgimento de doenças eliminadas, afetando principalmente as crianças. Essa redução configura-se, portanto, num problema de saúde coletiva, uma vez que está associada à morbimortalidade por doenças infectocontagiosas. As ações previstas em cada âmbito de atuação bem como seus respectivos responsáveis: Secretaria de Saúde – Rede de Frios, Unidade de Saúde – Sala de Vacina e usuários, reorganizaram seus processos de trabalho, desenvolveram estratégias inovadoras e reforçaram ações já conhecidas para o alcance das metas de cobertura vacinal.

Principal

Denise Mara da Silva Braga

Coautores

Lucas Antonio de Campos Fernandesb= . Daniela Fabricio dos Santos Siqueira Mascarini

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

A prática foi cadastrada em

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Caminhos estratégicos da APS frente a cobertura vacinal no município de Bernardino Batista
Paraíba
Práticas
Ampliando leque da rede: fortalecimento dos vínculos entre equipes e escola.
Paraíba
Práticas
Relato de experiência: humanização na atenção ao usuário no pronto atendimento de Pilar (PB))
Paraíba
Práticas
Implantação de laserterapia na rede de atenção à saúde de Pilar (PB): relato de experiência
Paraíba
Práticas
Paciente protagonista de sua terapia: o cuidado farmacêutico com pacientes atendidos no CAPS de Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Atenção e cuidado ao paciente portador de feridas no SUS em Pilar (PB)
Paraíba
Práticas
Quando a saúde vai além dos muros das UBS
Rio de Janeiro