Olá,

Visitante

“Relato Experiência da Implantação do Modelo de Gestão Municipal de Casos, Integrando Grupos Prioritários e Condições Crônicas”.

ObjetivoEstabelecer um modelo de gestão municipal de casos articulada entre unidades e secretaria de saúde para grupos prioritários e condições crônicas, unificando e padronizando as informações aplicando conceitos de territorialização e de gestão de caso.MetodologiaA metodologia foi dividida em 6 grupos: análise dos instrumentos existentes de gestão de caso, confecção de planilhas modelos, implementação de cálculos e automação, treinamento inicial, alimentação das planilhas, análise de resultados. O conceito base é a territorialização onde a unidade conhecendo o seu território faz a gestão de caso dos seus pacientes conforme descrito na linha guia, ao preencher as planilhas são geradas automaticamente informações sobre data da próxima consulta e agenda mensal, encaminhamentos. Utilizando a ferramenta Google Drive. O modelo é em cascata, onde as planilhas das unidades alimentam uma geral do município que por sua vez alimenta as planilhas que são enviadas à regional ou na tomada de decisão municipal.

Devido ao processo de monitoramento e avaliação do programa de qualificação da atenção primária à saúde houve a necessidade da criação de Modelo de gestão de caso municipal por meio de um sistema articulado de planilhas automatizadas de gestão de caso dos grupos prioritários: Gestante, Puérpera, Puericultura e de Condições Crônicas: Hipertenso, Diabético e Idoso. Utilizando conceitos de territorialização e de gestão de caso segundo as linhas guias que foram incorporados através de algoritmos que permeiam todos os cálculos. As planilhas são preenchidas de forma on-line pelas unidades de saúde de referência na ferramenta Google Drive, que são condensadas em uma geral do município de modo automático, gerando indicadores em tempo real. Cada planilha contempla o acompanhamento de pacientes encaminhados para o consórcio metropolitano e serviços de referência que atendem risco intermediário e alto risco, estabelecendo bases para aprazamentos de consulta e criação de agendas.

O modelo de gestão municipal de caso é eficiente e de custo zero, podendo ser implantado até em regiões onde há dificuldades técnicas para acesso a internet, uma vez que essas planilhas podem ser preenchidas em modo off-line e sendo posteriormente exportadas para versão on-line. O modelo é essencialmente baseado no conhecimento por parte das unidades dos seus territórios e da responsabilidade e comprometimento dos servidores no preenchimento correto das informações.

Principal

Claudio Eduardo Grohmert de Macedo

A prática foi aplicada em

Paraná

Sul

Instituição

Pinhais

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ideiasus/Fiocruz, Conasems

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

03 fev 2016

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Samuzinho: Educação em saúde e primeiro socorros na escola para a promoção do SAMU 192.
Rio de Janeiro
Práticas
Implantação do programa de gestão transparente do tempo resposta no SAMU 192: uma missão desafiadora
Rio de Janeiro
Práticas
Verde, amarelo e vermelho: protocolo de classificação das consultas por grau de prioridade no Centro Especializado de Saúde de Quissamã (RJ)
Rio de Janeiro
Práticas
Indicadores para monitoramento das ações de promoção e atenção a saúde do homem em Petrópolis
Rio de Janeiro
Práticas
Fluxo dos pacientes oncológicos atendidos na UNACON da região Noroeste – RJ
Rio de Janeiro