Olá,

Visitante

Vigidesastre: resposta rápida intersetorial para o impacto de um desastre ambiental na saúde humana

O Programa VIGIDESASTRES foi instituído pela Portaria GM/MS nº 4.185, de 01 de dezembro de 2022, e abrange uma série de ações de proteção da saúde, quanto aos impactos decorrentes de desastres naturais e antrópicos. Os impactos dos desastres resultam em efeitos diretos e indiretos sobre a saúde e o bem-estar das pessoas, de ordem física e mental, combinando o agravamento de doenças preexistentes com o surgimento mediante um conjunto de ações e de serviços, na detecção, na prevenção e no combate aos agravos gerados pelo meio ambiente, os quais interferem na saúde humana.
Barra do Pirai-RJ está localizado na região do médio paraíba, na foz do rio Pirai no encontro com o Rio Paraíba do Sul, a região caracteriza-se por um vale cercado de morros coberto pela mata atlântica, a Cidade foi construída em locais elevados sujeitos a deslizamentos e na parte ribeirinha sujeita a alagamentos.
Desastres hidrológicos têm assolado a Cidade constantemente com cheias do rio Pirai e Paraíba do Sul, porém no dia 21 de fevereiro de 2024 ocorreram chuvas intensas que duraram cerca de 4h ininterruptas e ocasionou deslizamentos com 4 óbitos de uma família inteira e outras famílias desalojadas.
O projeto para o vigidisastre para uma resposta rápida articulou ações intersetorial e interinstitucional para que as ações de resposta sejam rápidas e eficaz.
OBJETIVOS GERAL:
Desenvolver atividades baseadas na gestão do risco, manejo e recuperação dos efeitos do desastre, articulando de acordo com as agendas de mudanças climáticas e seus efeitos a saúde humana.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
1. Articular parcerias intrasetorial e interinstitucional;
2. Realizar ações de Educação em Saúde específicas para desastres de origem natural;
3. Identificar dos fatores de risco e as populações vulneráveis, por meio da construção de mapa de ameaças, vulnerabilidades e riscos;
4. Realizar a comunicação do risco ambiental com impacto na saúde humana;
5. Reduzir doenças e agravos em decorrência de desastres;

METODOLOGIA
Desenvolver um conjunto de ações com diferentes setores e Secretarias Municipais, foi criado um grupo de whatsApp chamado PLACON (plano de contingência) com a participação da Secretaria M. de Saúde, Vigilância em Saúde, APS, Defesa Civil, Secretaria M. Ambiente, Secretaria M. de Serviços Públicos, Secretaria M. Educação, Associação de Moradores, Igrejas e outras denominações religiosas, para comunicação mais direta e rápida de antecipação, planejamento e preparação para resposta, para, em tempo oportuno, reduzir o risco da exposição da população e dos profissionais de saúde aos desastres, minimizar doenças e agravos decorrentes deles, bem como reduzir os danos aos serviços de saúde. com elaboração de fluxos, protocolos e planos; produção e divulgação de materiais orientativos sobre riscos, doenças e agravos relacionados a desastres; monitoramento e verificação de eventos.
A Equipe do Vigidesastres atua na ocorrência de um desastre, verificando in loco, com a avaliação da área afetada e da população exposta, com visita “casa a casa” para levantamento das necessidades de saúde, encaminhamentos e orientações quanto aos cuidados pós-desastre em relação ao uso do hipoclorito de sódio, os cuidados para acidentes com animais peçonhentos, a importância da vacina antitetânica e hepatites B, Também são avaliados os serviços atingidos, principalmente o funcionamento dos equipamentos de saúde. Há o acompanhamento do restabelecimento da saúde no território.

Desastre ambiental ocorrido em 21/02/24 com deslizamentos e alagamentos com óbitos, 2586 afetados, 563 desalojados e 9 desabrigados.

As ações coordenadas de vários setores, a intersetorialidade e interinstitucional possibilitou a resposta rápida.

Buscar parcerias, intersetoriais e interinstitucionais, promover reuniões e planejar a criação de um grupo de whatsApp para possibilitar resposta rápida.

Principal

IRINÉIA SANT' ANNA ROSA

Diretora Geral de Vigilância em Saúde

Coautores

Irinéia Sant’Anna rosa, Allan Silva Ferreira.

A prática foi aplicada em

Barra do Piraí

Rio de Janeiro

Sudeste

Esta prática está vinculada a

Rua Moreira dos Santos , 768

Uma organização do tipo

Instituição Pública

Foi cadastrada por

IRINEIA SANT ANNA ROSA

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

01 abr 2024

e atualizada em

01 abr 2024

Início da Execução

21/02/2024

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Projeto Caderneta OK
Rio de Janeiro
Práticas
Nenhuma Casa Sem Banheiro
Rio Grande do Sul
Práticas
Desbravadores do Sus: Redescobrindo Cidadãos, Promovendo o Direito À Saúde
Pará
Práticas
Saúde É Direito de Todos: Garantindo o Direito A Saúde de Usuários das Comunidades Quilombolas, Ribeirinhas e Rurais do Município de Itacoatiara/Am: Relato de Experiência
Amazonas
Práticas
Vigiágua: Promoção e Implantação do Sistema Salta-Z (Funasa) para Fornecimento de Água Potável nas Regiões Ribeirinhas do Município de Tartarugalzinho-Ap
Amapá
Práticas
Projeto Varre Vila
Práticas
Observatório de Saúde das Populações do Campo Floresta e das Águas – Teia de Saberes e Práticas – obteia
Ceará
Práticas
Viabilidade Ecológica e Econômica com Pneus, Evitando Possíveis Criadouros e a Proliferação do Aedes Aegypti.
Paraíba
Práticas
Promovendo Equidade e Garantido Acesso À Saúde a População Indígena no Município de Maricá-Rj
Rio de Janeiro
Práticas
Fortalecimento das Ações Preventivas de Combate ao Trabalho Infantil
Rio de Janeiro
1 / 212