Olá,

Visitante

União Multissetorial para Aumento Das Coberturas Vacinais em Menores de 15 Anos, Ipameri-Go, Setembro, 2022

Categoria não especificada

A vacinação é uma intervenção de elevado benefício para a erradicação e eliminação de doenças. A redução da incidência de doenças mostra a eficácia do uso de vacinas e o resultado do alcance de elevadas coberturas vacinais ao longo dos anos (BRASIL, 2022). Atualmente diante das baixas coberturas vacinais, o risco da reintrodução de doenças erradicadas e eliminadas é fator de grande preocupação. Com intuito de minimizar as baixas coberturas, observadas no mês de agosto de 2022 na Campanha Nacional contra a Poliomielite e Multivacinação (CNPM) em menores de 15 anos no município de Ipameri-GO, a vigilância epidemiológica adotou a estratégia da união multissetorial através de quatro ações para verificação da situação vacinal do referido público, no mês de setembro de 2022, a fim de aumentar as coberturas vacinais no município. A primeira ação foi verificação das cadernetas durante as consultas médicas e de enfermagem nos serviços de saúde, a segunda ocorreu no momento da pesagem e acompanhamento dos beneficiados do auxílio Brasil, a terceira durante a visita dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) às famílias adscritas na Estratégia Saúde da Família (ESF) e a quarta foi a parceria com a Secretaria Municipal de Educação (SME), Conselho Tutelar (CT) e Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMCD), junto à Atenção Básica (AB), para verificação das cadernetas vacinais nas escolas públicas e privadas, que resultou no aumento significativo das coberturas vacinais no município.

Já temos alguns anos que estamos acompanhando as baixas coberturas vacinais e com a pandemia da COVID 19 a situação piorou ainda mais. Os motivos para a falta de adesão dos usuários na vacinação são inúmeros, entre os usuários o desinteresse na prevenção à saúde, crenças e percepções equivocadas acerca das vacinas e a terceirização das próprias responsabilidades. Com relação aos profissionais da saúde existe a deficiência no acompanhamento da situação vacinal, desinteresse ao conhecimento científico e a falta de empenho quanto ao trabalho multiprofissional. A respeito dos governos temos a limitação na distribuição dos imunos, dificuldade de acesso aos serviços de vacinação, falta de investimento financeiro adequado, limitações da qualidade dos sistemas e dos dados do PNI e necessidade de atuação conjunta entre as principais intervenções públicas e níveis de governo.

Durante o monitoramento da Campanha Nacional contra Poliomielite e Multivacinação em menores de 15 anos, realizada no mês de agosto de 2022, a vigilância epidemiológica observou baixa adesão dos usuários e adotou a estratégia da união multissetorial através de quatro ações para verificação da situação vacinal do referido público, no mês de setembro de 2022, a fim de aumentar as coberturas vacinais no município. As ações consistiam na atuação dos profissionais da AB durante as consultas médicas e de enfermagem, no acompanhamento dos beneficiados do Programa Auxílio Brasil, nas visitas dos ACS e na parceria com outros órgãos, como a SME, CT e CMCD para a verificação das cadernetas de vacinação. Foram verificadas a situação vacinal por meio da apresentação das cadernetas e/ou registros nos sistemas de informações de saúde, comparando com o calendário vacinal e as campanhas de vacinação em andamento, conforme a idade preconizada. Os usuários que apresentavam atraso no esquema vacinal eram direcionados imediatamente às salas de vacinas para a atualização vacinal. Quanto a parceria com as escolas, o objetivo foi de emitir um recado aos pais, para enviarem as cadernetas vacinais, no dia pré-agendado, para que os profissionais da AB realizassem a verificação da situação vacinal dos alunos, os quais teriam o acesso direto às vacinas em atraso. Caso os responsáveis não atendessem ao chamado para o envio das cadernetas e para a atualização vacinal, era realizada uma segunda tentativa com prazos para os pais se adequarem. O não comparecimento dos pais no prazo estipulado, o CT e CMCD realizaram ligação com orientações e solicitação para o comparecimento às salas de vacinação.

Com a implantação das ações obtivemos resultados exitosos, com grande adesão do público alvo, a vacinação. Em agosto de 2022, foram administradas 937 doses de vacinas de rotina em crianças e adolescentes menores de 15 anos, no município de Ipameri-GO (sistema ESUS PEC) e 435 doses da campanha de Poliomielite em crianças de 1 a 4 anos, segundo registros no SIPNI. Após ações implantadas em Ipameri-GO, no mês de setembro de 2022, foram registradas 1420 doses de vacinas de rotina em menores de 15 anos (sistema ESUS PEC) e 461 doses da campanha da Poliomielite em crianças de 1 a 4 anos, segundo registros no SIPNI. Apresentado um aumento de 51,5% na administração das vacinas de rotina em menores de 15 anos e nos registros da campanha da poliomielite em crianças de 1 a 4 anos o percentual era de 60% evoluindo para 123%. Podemos concluir que os profissionais de saúde da AB devem permanecer atentos quanto a verificação das cadernetas vacinais dos menores de 15 anos durante os atendimentos de rotina, para captar os atrasados e realizar as atualizações necessárias. As parcerias com outros órgãos distintos aos da saúde, também foram relevantes para o êxito da estratégia proposta, demostrando a importância em manter esses elos em outras ações, principalmente os referentes a vacinação e a saúde das crianças e adolescentes.

Principal

PETERSON PERFEITO SANTANA

A prática foi aplicada em

Região

Instituição

Endereço

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Conta vinculada

ideiasus@gmail.com

23 dez 2023

e atualizada em

23 dez 2023

Seu Período de Execução foi de

até

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

Você pode se interessar também

Práticas
Projeto Arboviroses Zero: Desafios da Educação em Saúde para promover a saúde e prevenir as arboviroses no Município de Barra do Pirai-RJ
Rio de Janeiro
Práticas
TEA/TDAH: inclusão sem discriminação
Paraíba
Práticas
Oficina de jogos e desenho
Rio de Janeiro
Práticas
A Ozonioterapia no tratamento de dores crônicas
Rio de Janeiro
Práticas
Oficina de Economia Solidária
Rio de Janeiro
Práticas
Terapia Comunitária Integrativa: um relato de experiência no município de Resende (RJ)
Rio de Janeiro
Práticas
Grupo terapêutico: um espaço de acolhimento e de suporte para o final de semana, através da musica, violão e técnica da auriculoterapia
Rio de Janeiro
Práticas
Práticas integrativas e complementares no cuidado aos trabalhadores de saúde mental de Resende
Rio de Janeiro
Práticas
Vivência em atendimento em grupo de portadores de Diabetes Mellitus da Esf Itapuca, Resende, RJ
Rio de Janeiro
Práticas
A descentralização das ações de controle da tuberculose no município de Volta Redonda
Rio de Janeiro