Olá,

Visitante

Territorialização do Cuidado: uma Estratégia de Cuidado Integral em Rede

No que se refere ao atendimento em saúde mental aos usuários com transtornos mentais pela equipe especializada da Saúde Mental nos Distritos de Lídice e Passa Três, a estratégia de atendimento itinerante por meio de ambulatório para atendimento de transtornos mentais leves, moderados e graves (estabilizados) vem suprindo as necessidades e desafogando de certo modo, o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). As demandas para o serviço de saúde mental são geradas por demanda espontânea, encaminhamento da Atenção Primária, Atenção Especializada e Centro de Atenção Psicossocial. O município dispõe de um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS 1) localizado em seu Distrito Sede, e conta com uma equipe multiprofissional para atender adultos, crianças e adolescentes com transtorno mental e/ou uso abusivo de álcool e outras drogas.

Acesso do usuária a assistência em Saúde Mental

O fluxo de atendimento é gerado a partir das demandas provenientes da Atenção Primária, Atenção Especializada e Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Os atendimentos ocorrem de maneira individual (casos mais graves, com dificuldade de grupalização, ou outros casos específicos) ou em grupo. São realizados Grupos de Recepção Adulto, e de Pais, mães e responsáveis, acontecem semanalmente, sendo nestes, acolhidas as várias demandas e encaminhamentos de tratamento (psicologia e psiquiatria), onde a quantidade de encontros necessária para cada sujeito será variável e o quesito para finalizar sua atividade nesse Grupo de Recepção será o momento em que sua demanda de tratamento propriamente dita for formulada ou ao menos esboçada, construindo assim, seu Projeto Terapêuticos Singular (PTS), e caso seja necessário, será reservado horário para escuta individual. Os Grupos Terapêuticos de Adultos e Crianças e adolescentes, com funcionamento semanal, podem ser estruturados para participantes com sintomas e conflitos psíquicos leves, o que não impede a possibilidade de participarem sujeitos com problemáticas mais graves. Os atendimentos individuais serão reservados para os casos mais graves ou para aqueles que não se adéquam aos grupos, na perspectiva de após um tempo, ser ofertado à continuidade do trabalho em grupo, visando à liberação da agenda para outros usuários.

Principal

Ana Paula Lopes Minguel

anapparatyenf@gmail.com

A prática foi aplicada em

Paraíba

Nordeste

Instituição

Rio Claro

Uma organização do tipo

Instituição pública

Foi cadastrada por

Ana Paula Lopes Miguel

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

02 jun 2023

e atualizada em

14 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
A importância do trabalho em rede para a efetivação da reinserção social aos dependentes químicos enquanto sujeitos de direitos: observações acerca do eixo reinserção social no Centro de Acolhimento e Atenção Integral Sobre Drogas do município de Cachoeiro de Itapemirim (ES)
Espírito Santo
Práticas
Atuação intersetorial nos casos suspeitos de TEA na primeira infância, um relato de experiência.
Paraíba
Práticas
Explorando as possibilidades: atividade aquática no tratamento de TEA no município de Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Inovação do cuidado em saúde mental no município de São José do Sabugi-PB a partir da prática.
Paraíba
Práticas
Em boas mãos: valorização dos profissionais de saúde e os impactos na proatividade em Queimadas – PB
Paraíba
Práticas
Protocolo de passagem de plantão no serviço residencial terapêutico: um relato de experiência
Paraíba
Práticas
Ressignificando vidas através das artes manuais: uma vivência do CAPS I Umbuzeiro-PB
Paraíba