Olá,

Visitante

Tecnologias Não Farmacológicas na Promoção de Humanização no Cuidado

Introduzidas em dezembro de 2018, as técnicas não farmacológicas tem o objetivo de proporcionar humanização bem como qualificação da assistência em saúde na Maternidade de Alagoinhas. o “polvos do amor” contribuem para a promoção de conforto e segurança para os prematuros. A cabeça do polvo se apresentam como a bexiga da mãe e os tentáculos reajam como o cordão umbilical, para que o bebê se sinta em um ambiente intra-uterino, desta forma os sinais vitais tais quais, frequência respiratória, frequência cardíaca, saturação e sono são facilmente normalizados. Os polvos confeccionados com material autoclavável são esterilizados semanalmente, ao ciclo de 5 a 7 dias, cada prematuro dispõe de seu próprio polvo, e desfruta de sua presença durante toda sua estadia nas incubadoras, salvo casos de contra indicação médica. Os polvos não substituem as técnicas e manobras preconizadas pelo Ministério da Saúde, eles vem para agregar a qualificação e humanização para os prematuros do Hospital de Alago

Proporcionar saúde qualificada e humanização em saúde na Maternidade de Alagoinhas com o “polvos do amor” utilizando técnicas não farmacológicas para os RN. São utilizados os polvos nos prematuros com desconfortos dentro da incubadora, são realizados revezamentos de presença e ausência dos mesmos de duas em duas horas, dessa forma as alterações de sinais vitais podem ser perceptíveis. o prematuro em ganho de peso ponderal também faz o uso da tecnologia leve. as redes terapêuticas de puro algodão são instaladas dentro das incubadoras, a mudança de decúbito é realizada de duas em duas horas, ou a critério de evolução do prematuro.

Os prematuros em uso das tecnologias apresentaram melhoras consideráveis. Os prematuros em uso dos polvos apresentam evolução de ganho de peso, estabilização de sinais vitais e sobrevida. Os RNs em uso das redes apresentaram melhorias no quadro de sono, desconforto respiratório e sucção. Os prematuros continuam com acompanhamento no ambulatório de prematuridade da Maternidade para monitoramento. A visão de humanização das mães e profissionais de saúde foi renovada, a iniciativa foi bem aceita por ambas. Foram separados quatro grupos A, B, C e D. o grupo A ficou em uso do polvo, o grupo B sem uso do polvo, o grupo C em uso das redes terapêuticas e o grupo D sem uso das redes. Os resultados dos grupos A e C foram significativamente superioreNa esfera pública os recursos são finitos e as demandas infinitas, o investimento em tecnologias leves e leves duras é válido e importante. o município de Alagoinhas por meio do Hospital Maternidade continuará investindo na qualidade da assistência na rede materno infantil da região.

Principal

Monalisa De Lima Oliveira

monalimaoliveira.22@gmail.com

Coautores

Diná Barboza De Lima Oliveira, Rosimar Batista Da Costa,

A prática foi aplicada em

Alagoinhas

Bahia

Nordeste

Instituição

Rua Paulo Afonso, Kennedy, Condomínio Águas Claras Bloco 9/301

Uma organização do tipo

Instituição Privada

Foi cadastrada por

Maria Rosania Rabelo

Conta vinculada

A prática foi cadastrada em

23 set 2023

e atualizada em

23 set 2023

Condição da prática

Concluída

Situação da Prática

Arquivos

Palavras-chave

nenhuma

Você pode se interessar também

Práticas
Título: Autismo – uma causa municipal.
Paraíba
Práticas
TEA/TDAH: inclusão sem discriminação
Paraíba
Práticas
Visita de luto – uma atitude humanizada
Rio de Janeiro
Práticas
Vacinação Sem Barreiras: um Grande Desafio
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Vacinação: Estratégias para o Aumento da Cobertura Vacinal no Município de Barrolândia – TO
Todos os Estados (Norte)
Práticas
Plano de Recuperação do Faturamento Ses/Df
Distrito Federal
Práticas
Sala de Situação Ses-Df
Distrito Federal
Práticas
Rede Inovases
Distrito Federal
Práticas
Diagnóstico de Atendimento da População Hipertensa/Diabética da Equipe 474/06
Distrito Federal